Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Renault Fluence
Janeiro 2011

Renault Fluence

O novo sedã médio que substitui o Mégane deixa a tradição inovadora francesa de lado e mira o pragmatismo japonês

Por Paulo Campo Grande | Fotos: Juliano Barata
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

A Renault apresentou o novo sedã Fluence, no Salão do Automóvel, em novembro, mas só começará a vendê-lo em fevereiro. Até lá, ela cuidará dos últimos preparativos para o lançamento, como treinamento da rede e aprovação da publicidade. Se você é dono de um Honda Civic ou um Toyota Corolla, fique atento: logo poderá receber uma mala-direta e um convite para conhecer o Fluence, na autorizada mais próxima. A Renault cerca o Fluence de todos os cuidados, para que não ocorra com ele o que aconteceu com o antecessor, o Mégane, que teve problemas no início da comercialização e depois passou os dias patinando nas vendas.


O Fluence terá motor 2.0 porque é assim que o consumidor de sedãs médios quer, segundo o diretor de marketing Rodolfo Stopa. "Nesse segmento, o cliente aceita no mínimo um 1.8. Um 1.6, nem pensar", diz. A garantia será de três anos, as revisões terão preços fechados e haverá assistência 24 horas. "Mas o carro não pode quebrar", afirma Stopa, tendo como referência os sedãs japoneses, que ganharam fama de inquebráveis em nosso mercado. O Fluence chega em duas versões. A Dynamique virá com câmbio manual de seis marchas e a Privilège, com sistema automático CVT, com a opção das trocas sequenciais, com seis relações fixas. Esse conjunto motor-transmissão, aliás, já é conhecido do consumidor brasileiro, porque é o mesmo do Nissan Sentra, fruto da aliança Renault-Nissan, com os devidos ajustes para a nova aplicação.

O preço do Fluence ainda não foi divulgado, mas, olhando a concorrência (Civic, Corolla, Sentra e Chevrolet Vectra) e o próprio Mégane que saiu de linha (a produção encerrou em setembro e o estoque nas revendas deve acabar este mês), é possível arriscar que ele comece entre 55 000 e 60 000 reais. Mesmo na versão mais simples, o Fluence virá bem equipado. Ele terá seis airbags, direção elétrica, ar-condicionado dual zone, computador de bordo, freios ABS, sistema de som, rodas de alumínio aro 16 e sensores de chuva e de luz, entre outros itens de série. A versão mostrada aqui é a top, Privilège, que deve ficar entre 75 000 e 80 000 reais, e acrescenta bancos de couro (nas laterais dos assentos o revestimento é de tecido), controle de estabilidade ESP, piloto automático, som com efeito surround, rodas de liga aro 17 e navegador GPS.

À primeira vista, o que mais impressiona é seu tamanho. Ele é um sedã médio com porte de sedã grande. Em relação ao Civic, são 13 cm a mais, no comprimento: enquanto o Honda mede 4,49 metros, o Fluence tem 4,62. Na largura, a comparação é de 1,75 metro contra 1,81. O estilo é discreto, como convém a uma marca que não quer errar. Na cabine, houve um pouco mais de ousadia, com a sobreposição de superfícies e a troca de cores e de materiais. O visual continua bem comportado, mas é mais expressivo. Os materiais são de qualidade superior aos do Vectra, por exemplo, mas ficam aquém dos usados no Civic. O acabamento, no que diz respeito a confecção das peças e encaixes, é muito bom - apesar do uso de plástico pintado de prata em pontos, como nos puxadores das portas. Melhor que o da carroceria, que tem vãos com grandes tolerâncias e nem sempre uniformes.

O espaço interno é confortável e arejado. Apesar de ter o mesmo entre-eixos do Civic (2,70 metros), o Fluence é mais largo e mais alto por dentro. É fácil encontrar a posição de dirigir, graças à regulagem do volante e do assento, cuja altura varia até 7 cm no ajuste. A ergonomia também é boa, mas os mostradores são inclinados, o que causa certo estranhamento na leitura. O freio de mão em forma de manche que havia no Mégane foi aposentado em favor de um convencional. A partida ainda é feita por meio de um botão Start/Stop. Mas agora não é preciso encaixar o cartão em uma fenda no painel. Basta deixá-lo no bolso, ou em qualquer outro lugar dentro do carro.

No banco de trás, cabem três pessoas sem sacrifícios. Até nessa posição há circulação do ar-condicionado dividida em duas zonas. E o porta-malas supera o do Corolla em 60 litros - são 530 litros contra 470.

Ao volante, o Fluence mostra um comportamento que satisfaz quem busca conforto acima de tudo. A suspensão filtra com eficiência as irregularidades da pista, apesar de segurar bem a carroceria nas curvas. E a direção é leve, no uso diário. Em alta velocidade, o sistema elétrico progressivo dá um pouco mais de firmeza, mas na cidade o motorista não precisa fazer força. O conjunto é ótimo para quem quer dirigir enquanto aprecia a paisagem. Mas falta emoção, para os que preferem uma condução mais interativa.

No teste, o Fluence apresentou um desempenho muito semelhante ao do Corolla 2.0 XEi automático. Na aceleração, fez o tempo de 10,4 segundos, enquanto o Toyota ficou com 10,6. Em consumo, os dois empataram até a casa decimal no ciclo rodoviário, com a média de 9,1 km/l de álcool. E, no urbano, a diferença foi mínima: 7,0 km/l para o Renault e 6,8 km/l para o Toyota. A maior diferença apareceu na frenagem: vindo a 80 km/h, o Fluence precisou de 23,9 metros, contra os 24,5 metros do rival.

Pelo que vimos, o Fluence terá mais chance de sucesso que o Mégane, porque é um projeto mais moderno e está sendo lançado de maneira mais planejada por uma Renault mais madura em nosso mercado. Até ao fazer uma previsão de vendas ela é cautelosa, estimando 1 800 unidades/mês, o que lhe daria hoje o terceiro posto no segmento, atrás do Corolla, com média de 4 450, e do Civic, com 2 480. O quarto seria o Vectra, com a média de 1 676 unidades.

 



A PERUA

A saída do sedã Mégane não é o fim da linha para a perua Grand Tour, que segue em produção por tempo indeterminado, oferecida apenas na versão 1.6 flex Dynamic, com câmbio manual, ao preço de 48 490 reais. Ela passa a disputar mercado com as peruas menores: Fiat Palio Weekend e VW SpaceFox.

 

 


 

O ELÉTRICO 


Uma versão elétrica do Fluence está em testes na Europa para o programa da israelense Better Place, que prevê a compra de 100 000 veículos desse tipo. Ela quer instalar redes de recarga e troca de baterias para resolver o problema da baixa autonomia dos carros elétricos.

 



DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
A Renault privilegiou o conforto na hora de desenvolver o Fluence. Os freios param com segurança.
★★★★

MOTOR E CÂMBIO
O motor, com bloco e cabeçote de alumínio, tem bom volume de torque, que é bem explorado pelo sistema CVT.
★★★★★

CARROCERIA
O Fluence se impõe pelas dimensões. O acabamento interno é de boa qualidade. Mas os vãos entre as portas são grandes e nem sempre uniformes.
★★★

VIDA A BORDO
A cabine é espaçosa e o carro é bem equipado, mesmo na versão mais simples.
★★★★

SEGURANÇA
São seis airbags de série. A versão Dynamique tem ABS, com EBD e BAS. A Privilège traz ainda ASR e ESP.
★★★★★

SEU BOLSO
O pacote de pós-venda (garantia, revisões e assistência 24 horas) é interessante. Se o preço de entrada ficar entre 55 000 e 60 000 reais, o Fluence terá boa relação custo-benefício.
★★★★

 

 

 



OS RIVAIS

Peugeot 408

 


O sedã médio da Peugeot, que chega em março de 2011, é o concorrente preferido da Renault.

Toyota Corolla

Apesar da briga particular com a Peugeot, o objetivo da Renault é se igualar ao líder do segmento, que atualmente é o Corolla.

 

 



VEREDICTO

O Fluence se impõe pelo porte de sedã grande e pela quantidade de equipamentos a bordo. O câmbio CVT busca o melhor rendimento, mas desaponta quem procura uma condução mais esportiva, assim como a suspensão ajustada para o conforto.

 





» FOTOS


Publicidade