Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Ford Ranger 3.2 4x4 Diesel Limited
Julho 2012

Ford Ranger 3.2 4x4 Diesel Limited

Completamente nova, a picape mundial da Ford cria um abismo em relação à geração anterior

Por Paulo Campo Grande | fotos: Christian Castanho
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

Seguindo a tendência atual de criar expectativa e despertar o interesse dos potenciais compradores, a Ford apresenta a nova Ranger este mês, embora as vendas só comecem em agosto. Em compensação, para os revendedores com o modelo anterior em estoque, a aparição da novidade está mais para assombração. A não ser com o bom argumento do desconto, será difícil convencer alguém a levar a "velha". De fato, o pretendente de uma Ranger não perde por esperar - segundo a Ford, nesse segmento, uma das principais razões de compra é a experiência anterior do cliente com a marca. A Ranger não passava por mudanças profundas desde 1998, quando começou a ser feita na Argentina (as primeiras unidades vendidas no Brasil vinham dos Estados Unidos). Trata-se de uma geração completamente nova. Da antiga, pode-se dizer que sobrou apenas o nome.

A nova Ranger integra o portfólio global da Ford. Seu projeto mobilizou os oito centros de desenvolvimento da marca no mundo, com o objetivo de atender 180 mercados, segundo a empresa (a ONU contabiliza 193 países-membros). Além da plataforma, motores e transmissões são novos. No Brasil, ela terá 12 versões, resultado da combinação de dois motores a diesel (2.2 e 3.2), um motor movido a gasolina (2.5 flex), três transmissões (duas manuais de cinco e de seis marchas e uma automática de seis), duas trações (4x2 e 4x4), duas cabines (simples e dupla) e quatro padrões de acabamento (XL, XLS, XLT e Limited).

Design de automóvel

Na estreia, a Ford disponibilizou apenas a versão topo de linha 3.2 4x4 CD Limited. Além de fazer boa figura, ela deve responder por cerca de 50% das vendas da picape no Brasil, juntamente com a versão imediatamente inferior, a 3.2 4x4 CD XLT.

Por um bom tempo, será difícil a Ranger passar despercebida. Seu design exibe um visual incomum no segmento, com linhas esportivas que por vezes se assemelham às de um automóvel. A Ford manteve a aparência robusta, própria das picapes, na largura da grade dianteira e nos volumes encorpados do capô e dos para-lamas, mas se aplicou em arredondar as extremidades da carroceria e suavizar a silhueta da picape, notadamente ao inclinar bastante o para-brisa e criar vincos ascendentes nas portas. Exclusivo da versão Limited, o santantônio estilizado se integra à picape como uma extensão da cabine (na XLT, essa peça é de tubos cromados). Por dentro, o estilo também flerta com os automóveis. O painel e os bancos da nova Ranger poderiam tranquilamente equipar a cabine de um SUV de luxo. A ergonomia é bem resolvida e o espaço interno, confortável.

No que diz respeito aos equipamentos, a versão Limited é completa. Ela vem com seis airbags, ar-condicionado dual-zone, GPS, câmera de ré e oito dispositivos eletrônicos de controle de chassi (além deABS, freio de emergência e ESP, tem controle de partida e de rampa, sistema anti-roll e sensores de oscilação de reboque e programa adaptativo de carga). Seu preço, de 130 900 reais, está na faixa de rivais como a S10, mas supera o da Amarok, que custa 124322 reais .

O melhor da Ranger, porém, é seu comportamento dinâmico. O motor 3.2 de 200 cv empurra a picape com vigor e o câmbio não descansa, principalmente se o motorista colocar a alavanca no modo Sport, quando as trocas ocorrem em rotações mais elevadas. Mas não é só. A Ranger é uma picape bem assentada sem parecer pesada. Essa característica pode ser atribuída ao entre-eixos, aos pneus 265/65 aro 17 e à rigidez torcional do chassi, que segundo a Ford é o dobro da que havia na geração anterior. Além disso, a direção é leve e direta e a suspensão tem uma calibragem que mantém o motorista informado de tudo que se passa sob seu assento, sem ser desconfortável.

Na pista, seu desempenho foi compatível com o das rivais. Ela acelerou de 0 a 100 km/h em 11,6 segundos e, no consumo, as médias foram de 8,9 km/l, na cidade, e 10,8 km/l, na estrada.

Nos três primeiros meses de lançamento, a Ford afirmou que vai oferecer a oportunidade de contratar o seguro da picape com preço promocional. Para a versão Limited, o seguro sairá por 4914 reais para moradores da cidade de São Paulo. No segmento refrescado por lançamentos recentes, como VW Amarok e Chevrolet S10, a briga promete ser boa.



VEREDICTO


A Ranger tem visual bonito, acabamento
de qualidade
e impressiona pelo conteúdo e pela dirigibilidade. Seu preço é convidativo, considerando os valores da concorrência e o conteúdo de série que
a picape traz na versão Limited.





» FOTOS


Publicidade