Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Fiat Palio
Novembro 2011

Fiat Palio

Evoluído e renovado, ele recupera o fôlego para enfrentar novos tempos e concorrentes

Por Paulo Campo Grande | fotos: Marco de Bari
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

A segunda geração do Fiat Palio, que chega às lojas este mês, mudou até a assinatura. Na tampa traseira do novo modelo, "Palio" não se escreve mais com um simples P, como na primeira geração, mas com um P estilizado, que lembra um estandarte, uma bandeira das usadas em festejos religiosos da cidade de Siena, na Itália, e que inspirou a Fiat no batismo do carro (veja quadro na pág. 66). Esse recurso gráfico, usado pela fábrica pela primeira vez no Fiat Punto, em 2009, simboliza a profundidade das mudanças no Palio 2012. A Fiat desenvolveu aquele que é seu produto mais importante em nosso mercado, uma empreitada de porte e responsabilidade consideráveis.

Como se vê na foto acima, o Palio ganhou novo design, mais moderno e em harmonia com os lançamentos mais recentes da marca. Por fora, um exemplo disso, na dianteira, são os faróis e a grade, que antecipam a linha que começa no para-lama e percorre a lateral da carroceria cortando as maçanetas. Por dentro, o destaque vai para o painel elaborado com diferentes materiais, texturas e cores. Mas as mudanças vão além do estilo. Tecnicamente, o hatch evoluiu bastante. Segundo a fábrica, o avanço ocorreu sobre três eixos principais: segurança, dirigibilidade e espaço interno.

O Palio cresceu nas três direções (comprimento, altura e largura). Além disso, sua estrutura foi reforçada, com o emprego de aços de alta resistência, ao mesmo tempo que ficou 15% mais leve. E todos os sistemas - suspensão, direção e freios - foram ajustados para melhorar o comportamento dinâmico do carro. A suspensão, por exemplo, ficou mais firme, limitando os movimentos laterais (rolling) da carroceria - embora eles ainda existam, porque o objetivo era fazer um hatch confortável para o uso diário e não um esportivo.

A nova geração do Palio chega em seis versões, resultado da combinação de três motores, dois tipos de câmbio e três padrões de acabamento. São elas: Attractive 1.0, Attractive 1.4, Essence 1.6 16V, Essence 1.6 16V Dualogic, Sporting 1.6 16V e Sporting 1.6 16V Dualogic - sempre com quatro portas.

Para proporcionar uma visão ampla da gama, reunimos três versões: Sporting 1.6 16V, Essence 1.6 16V Dualogic e Attractive 1.0. Mas o teste no fim da avaliação é o de um Palio Essence 1.6 16V manual, o único que a fábrica disponibilizou para medições mais apuradas na pista.

Outro 500
Cada versão traz características particulares de estilo e acabamento. A Attractive, que é a mais simples, dispensa os frisos cromados da Essence e as saias laterais pretas da Sporting. E, internamente, há variedade de cores e materiais que desempenham a tarefa de distinguir as versões. Em comum, fica a qualidade do acabamento, muito superior à do antigo Palio, no que diz respeito à confecção e ao encaixe das peças. O padrão é o mesmo encontrado no Fiat 500, que é produzido no México e exportado para o Brasil e para os Estados Unidos e o Canadá.

Nas fotos ao lado, é possível observar essa característica. Se a Fiat tivesse pedido minha opinião durante o desenvolvimento, sugeriria apenas substituir o material dos botões do ar-condicionado, que é um plástico duro. Além de áspero no contato com os dedos, o material é ruidoso quando os botões são acionados. Mas vale lembrar que as unidades fotografadas foram preparadas especialmente para a estreia. Todas são completas, equipadas com sistema de som que se ajusta perfeitamente ao painel e volantes multifuncionais com airbags. Durante o lançamento, não havia unidades com os volantes convencionais que equiparam as versões básicas.

No que diz respeito ao conteúdo, a oferta de equipamentos também varia. Retrovisores externos elétricos são exclusivos dos Sporting, enquanto cruise control acompanha somente os modelos equipados com câmbio Dualogic. Desde a versão mais básica, entretanto, toda a linha conta com computador de bordo, direção hidráulica, Fiat Code, lavador e limpador do vidro traseiro e pneus "verdes" (com baixa resistência ao rolamento).

Além das diferenças de estilo e conteúdo, as versões possuem comportamentos próprios. As Attractive e Essence rodam com mais suavidade que a Sporting - em razão das diferenças de peso e das calibragens de suspensão e de pneus. As Attractive calçam 175/65 R14, as Essence, 185/60 R15 e as Sporting, 195/55 R16.

Em comparação ao modelo antigo, a única semelhança é a posição de dirigir. O espaço interno aumentou, os novos bancos apoiam melhor o corpo e a ergonomia foi aprimorada, com o deslocamento das saídas de ventilação para o alto do console, mas a postura do motorista em relação ao volante e aos pedais é idêntica. A localização dos instrumentos e dos comandos no console é muito parecida nas duas gerações, mas, segundo a Fiat, toda rede elétrica (chicote e processadores eletrônicos) foi substituída no novo Palio. Um sinal dessa troca é o sistema de check-control, que antes sinalizava seu funcionamento por meio de uma luz-espia e agora movimenta os ponteiros do velocímetro e do conta- giros, fazendo uma espécie de saudação, que a Fiat batizou de WelcomeMoving.

Entre os motores, a Fiat escalou os 1.0 EVO e 1.4 EVO, que estrearam a bordo do novo Uno, em 2010, e o 1.6 16V E.torQ, que equipava a primeira geração do Palio desde o ano passado. Em nosso test-drive, o 1.0, que rende 75 cv com etanol, foi o que mais nos surpreendeu positivamente, mostrando- se bem esperto. Ele pareceu andar como o 1.4, que gera 88 cv com etanol. Pena que não pudemos levá-lo para a pista. Segundo a Fiat, o 1.0 é capaz de acelerar o Palio de 0 a 100 km/h em 15 segundos, enquanto o 1.4 gasta 12,2 segundos. Mas as fábricas são quase sempre otimistas. Para o 1.6 16V, a Fiat divulga o tempo de 9,8 segundos nas provas de 0 a 100 km/h. Mas, em nossa avaliação, o Essence acelerou em 11,3 segundos - dentro da média esperada. Nos ensaios de consumo, também não houve surpresas. O Palio Essence fez 7,4 km/l com etanol, na cidade, e 9,4 km/l na estrada. Bem próximo ao rendimento conseguido pelo Palio de primeira geração, equipado com o mesmo motor, com as médias de 7,7 e 9,7 km/l, respectivamente. O novo Palio piorou nas frenagens. Vindo a 80 km/h, ele precisou de 30,7 metros para parar, enquanto o antigo gastou 27,8.

Ver-o-preço
Para quem gostou do que viu até aqui, a melhor notícia deve ficar por conta dos preços. A Fiat não havia anunciado os valores da nova linha até o fechamento desta edição, mas um funcionário da empresa fez estimativas próximas aos preços da tabela do Palio antigo. A versão Attractive 1.0 deve custar "pouco menos" de 31 000 reais, disse. A 1.4 sairá por "pouco mais" de 34 000 reais. A Essence 1.6 vai custar cerca de 38 000 reais. E a Sporting fica por volta de 40 000 reais. Para os modelos equipados com câmbio automatizado Dualogic, o acréscimo é de cerca de 2 000 reais.

Se esses valores se confirmarem, o novo Palio ficará ainda mais interessante: sem aumento significativo de preço, ele chega inteiramente renovado e mais equipado. O Palio Attractive 1.0, por exemplo, vem com itens de série que só eram oferecidos como opcionais no antecessor Palio 1.0 ELX, como direção hidráulica, entre outros.

Com a renovação do Palio e a política de preços agressiva, a Fiat toma fôlego para enfrentar a concorrência já estabelecida de VW Gol, Renault Sandero etc. e a que virá, com os orientais Honda Brio e Toyota Etios (japoneses) e Hyundai HB (coreano). Além disso, o novo Palio tem como missão recuperar o terreno perdido pela última versão da primeira geração, que não emplacou no mercado. Tanto que o Palio Fire, acostumado a herdar o visual do Palio que sai de linha, dessa vez não vai sofrer alteração. O Palio Fire segue com o design que foi do Palio 2004.

Enquanto o novo Palio decola em céu de brigadeiro, o tempo fecha para o irmão Punto, com dimensões semelhantes, visual menos atual e preços em media superiores. Como antídoto, a Fiat diz que vai reestilizar o Punto, que deve ficar com a cara do italiano. Mas só isso pode não resolver. Os efeitos das mudanças feitas no Palio podem ir muito além dos limites de sua carroceria.


ESTIRÃO

O Palio cresceu em todas as direções. Por fora, ele ficou 5 cm mais comprido, 3 cm mais largo e 6 cm mais alto. Por dentro, o espaço interno também se expandiu. Houve crescimento de até 6 cm na largura, 2 cm na altura e 10 cm no espaço para as pernas, na traseira. Na dianteira, o aumento foi de apenas 1 cm. A capacidade do porta-malas foi ampliada em 5 litros: de 275 para 280 litros.


TATTOO


O Uno lançou a moda e o Palio aderiu. As versões Attractive e Essence podem ser decoradas com adesivos, colados no capô, no teto, na porta-traseira ou nas colunas. Há diferentes motivos e tamanhos. A Sporting não precisa de adereços, porque já é bastante enfeitada.


PROCESSO DE MATURAÇÃO

Os primeiros esboços do novo Palio começaram a surgir no começo de 2007, na mesma época em que a Fiat se preparava para apresentar a Terceira reestilização da primeira geração. O desenvolvimento, porém, só começou em meados de 2009. Segundo a Fiat, depois do projeto aprovado, foram 26 meses de atividades. Só os engenheiros da fábrica contabilizaram 824000 horas de trabalho - e 6250 litros de café. O Palio teve 526 protótipos usados nos diferentes ensaios (rodagem, crash-test, túnel de vento) e 145 veículos pré série, construídos para testes de confiabilidade (do produto final, da manufatura). No fim das contas, foram 61 434 provas virtuais e 61 583 reais, totalizando quase 2 milhões de quilômetros rodados. Dos quase 4000 componentes do carro, 57% são inteiramente novos. Dos 43% restantes, 17% já existiam no antigo Palio.


DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

A direção é rápida, quase esportiva. E a suspensão é firme, se comparada com as das outras versões. Faltou eficiência aos freios.
★★★

MOTOR E CÂMBIO

O conjunto mecânico está bem sintonizado e consegue rendimento compatível com suas características.
★★★★

CARROCERIA

O Palio ganhou nova estrutura, mais forte e leve, ao mesmo tempo. A qualidade de seu acabamento melhorou e o design ficou mais atual.
★★★★

VIDA A BORDO

O espaço interno aumentou. Os bancos apoiam bem os corpos. A ergonomia foi aperfeiçoada. E a lista de equipamentos de série aumentou.
★★★★

SEGURANÇA
Com o reforço da estrutura, o carro ficou mais seguro. Mas ABS e airbags são itens opcionais (em todas as versões).
★★★

SEU BOLSO
Com os preços mantidos nos patamares atuais, os Palio são opções de compra interessantes.
★★★


OS RIVAIS


RENAULT SANDERO


Reestilizado este ano, seu ponto forte é o espaço interno. Na versão 1.6 8V, de 95 cv, o Privilège custa 40400 reais.

VW GOL


O líder do segmento sai por 38960 reais, na versão Power, equipada com motor 1.6 8V de 104 cv, com etanol.


VEREDICTO

Antes fustigado pela concorrência e questionado até pelos seus fãs, o novo Palio recupera o vigor. E, sem aumento nos preços, ficou uma opção ainda mais interessante.


>> Veja os dados técnicos

 





» FOTOS


Publicidade