Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Fiat Freemont
Agosto 2011

Fiat Freemont

Derivado do Dodge Journey, o novo Freemont é o primeiro utilitário esportivo da Fiat

Por Paulo Campo Grande | Fotos: Marco de Bari
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

A Fiat sempre sonhou em ter um utilitário esportivo na família. Namorou Mitsubishi, Tata... Mas os planos não deram certo. Agora, casada com a Chrysler, enfim a Fiat apresenta o seu Freemont. Derivado do Dodge Journey, o Freemont é um crossover, por definição. Mas a Fiat não faz distinção. Diz que, no Brasil, o Freemont será tratado como SUV porque é assim que o público o reconhece. Segundo a fábrica, pesquisas mostraram que, para os brasileiros, o termo crossover é identificado com carros como Palio Adventure e VW CrossFox. Como os SUV clássicos - grandalhões, dotados de suspensões elevadas, tração integral e marchas reduzidas - estão cada vez mais despojados em nome da racionalidade, ater-se a definições talvez seja mesmo irrelevante. Mas não dá para negar o parentesco entre Freemont e Journey, que a Chrysler apresenta como crossover, inclusive no Brasil.

Para a Fiat, ambos são veículos distintos, em razão das mudanças necessárias para o Fiat entrar no mercado europeu. Para atender às normas do Velho Continente, foi preciso, entre outras modificações, substituir o aço do capô por alumínio, material menos agressivo em caso de acidente com pedestres. E, segundo a fábrica, a estrutura da carroceria foi reforçada, o que trouxe ganhos em segurança - com o aumento da capacidade de absorção de choques -, e em dirigibilidade e conforto, graças ao aumento da rigidez.

A suspensão foi retrabalhada para se adaptar às condições de rodagem de cada mercado. E, nessa hora, a engenharia brasileira teve importante participação não só porque precisou encontrar o melhor ajuste para o nosso piso, mas também porque aqui estão os melhores especialistas da Fiat nessa área. Segundo a montadora italiana, os americanos gostaram tanto da calibragem desenvolvida para o Brasil que resolveram adotála no Journey vendido por lá.

De fato, ficou bom. Nosso Freemont roda com conforto, absorvendo bem a irregularidade dos pisos, mas manteve a firmeza necessária para limitar os movimentos laterais nas curvas e longitudinais, nas frenagens e arrancadas, pontos sensíveis em veículos altos e pesados como os SUVs.

O estilo mudou pouco. Por fora, as novidades estão na dianteira (grade e para-choque), nas lanternas traseiras e no design das rodas. Internamente,o painel é diferente do usado pelo Journey no Brasil atualmente. Mas até o fim do ano nosso Journey também terá esse novo painel. Segundo a Fiat, o interior do Freemont foi desenhado com o objetivo de deixar o utilitário mais italiano. Saíram as formas quadradas, desenhadas com esquadro, e entraram as orgânicas, com curvas e volumes. O emprego de materiais mais macios ao toque substituiu o plástico rígido do modelo americano.

A dupla Freemont/Journey terá diversas opções nos diferentes países onde eles serão vendidos. Mas por aqui a escolha será limitada. O Fiat vem com o motor 2.4 16V de quatro cilindros e 172 cv de potência, enquanto o Dodge fica com o já conhecido 2.7 V6 de 185 cv, todos movidos apenas a gasolina. No que diz respeito à transmissão, ambos contam com caixas automáticas sequenciais: o Freemont com quatro marchas e o Journey com seis. Por essa descrição, já dá para saber como será o posicionamento deles no mercado: o Freemont vai custar menos que o Journey. A Fiat não havia divulgado o preço do Freemont até o fechamento desta edição, mas sinalizava valores entre 81 000 e 86 000 reais, considerando que o SUV terá duas versões: Emotion, de cinco lugares, e Precision, de sete. O Journey também tem duas versões, SXT (99 900 reais) e RT (107 900 reais).

O Freemont é bem equipado. Desde a versão mais simples, denominada Emotion, ele conta com ESP, duplo airbag, ar-condicionado dual-zone zone, rodas de liga leve aro 16 e sistema multimídia com tela de comando colorida.

No teste de estreia, o Freemont apresentou desempenho compatível com seus concorrentes, com características mecânicas semelhantes, como o Chevrolet Captiva e o Honda CR-V. Nas provas de aceleração de 0 a 100 km/h, o Fiat ficou com o tempo de 13,6 segundos, contra os 12,3 segundos conseguidos pelo Chevrolet e os 13,9 segundos do Honda. O Freemont ficou em desvantagem nas medições de consumo. Enquanto os concorrentes obtiveram médias de 8,2 e 8,6 km/l na cidade e 10,8 e 10,9 km/l na estrada, respectivamente, o Freemont terminou com as médias de 7,3 km/l no regime urbano e 9,8 km/l no rodoviário. O Freemont pode não ser a melhor tradução de SUV, mas com ele a Fiat já tem carro para encarar as rivais nesse segmento.



MÃO DUPLA

A parceria entre Fiat e Chrysler prevê a troca de modelos. Enquanto a Fiat manda o 500 para o mercado americano, a Chrysler envia o Journey para a Europa. O Brasil se beneficia dessa simbiose recebendo produtos dos dois lados. Além do Freemont, teremos também o 500 - ambos saídos da fábrica da Chrysler no México, beneficiados pelo acordo comercial com aquele país.



CONVIVÊNCIA PACÍFICA

Brasil é o único mercado do mundo a ter o Freemont e o Journey como opções de compra, uma vez que a Dodge está encerrando atividades na Europa e o Freemont não será vendido nos Estados Unidos. A nova versão do Journey, lançada no ano passado nos Estados Unidos, vai chegar aqui no fim do ano. Por causa da novidade, seu preço deverá subir cerca de 5%.



DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
A direção é precisa, os freios são eficientes, suspensão segura bem a carroceria nas curvas sem comprometer o conforto.
★★★★

MOTOR E CÂMBIO
O trabalho do motor fica limitado pelo câmbio de quatro marchas.
★★★

CARROCERIA
O acabamento é superior ao que nos acostumamos a ver nos Fiat e mesmo no lançamento do Journey. Mas faltou mais ousadia no estilo.
★★★

VIDA A BORDO
A cabine é agradável e bem servida de equipamentos e portatrecos. Somente crianças viajam com conforto na terceira fila de bancos.
★★★★

SEGURANÇA
Ele tem duplo airbag, ABS, EBD, ASR e ESP (com função anticapotamento) de série.
★★★★★

SEU BOLSO
Pelas dimensões e conteúdo, o Freemont oferece boa relação custo-benefício.
★★★★



OS RIVAIS

Peugeot 3008 Allure


O visual é de minivan, mas o comportamento, de crossover. Seu motor 1.6 turbo é valente e econômico. Custa 79 900 reais.

Hyundai iX35 2.0 4x2


Por 88 000 reais, ele é menor e tem câmbio manual, mas compensa com um design bastante moderno e ousado.



VEREDICTO

Sem ousadia no visual, ele tem o interior mais bonito que o do Journey vendido atualmente no Brasil. Seu preço é atraente, tem três anos de garantia e a rede Fiat como suporte. Ele é uma alternativa interessante para quem procura um SUV.





» FOTOS


Publicidade