Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Citroën C4
Outubro 2006

Citroën C4

Original de fábrica: Honrando com mérito a tradição inovadora dos designers franceses, o C4 surpreende nas ruas.

Por Paulo Campo Grande | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Se existe algo de que os franceses jamais poderão ser acusados é de falta de ousadia no design de automóveis. A tradição de inovação está tão incorporada aos projetos quanto o uso de rodas. Entre erros e acertos, o repertório automobilístico agradece a contribuição.Não será diferente com o Citroën C4, que está chegando agora ao nosso mercado. Com design surpreendente por dentro e por fora, ao estrear no Salão de Paris de 2004 recebeu nada menos que 20 000 pedidos de compra nos dez dias do evento.O feito supera o de seu ancestral, o revolucionário DS, que teve 12 000 pedidos de reserva no mesmo Salão em 1955.

O C4 reflete o nosso compromisso de fazer carros interessantes, afirmou o diretor-geral da Citroën Claude Satinet ao receber o prêmio World Car Design de 2006, conquistado pelo C4, no início do ano, deixando para trás BMW Série 3 e Honda Civic, nessa ordem.

Como você pode ver pelas fotos, não é difícil entender o furor. O C4 torce pescoços com seus faróis em forma de bumerangue e a linha de teto esticada para além do párachoque traseiro, entre outros detalhes. Por dentro, o volante multifuncional futurista, com centro fixo, tem efeito hipnótico.Na redação,quem dirigiu o C4 aprovou a novidade.Ter ali os controles do sistema de som, do computador de bordo, do limitador de velocidade e da reciclagem do ar facilita a vida a bordo.Aliás, mais uma característica do serviço à francesa. Mas houve quem estranhasse a posição de alguns comandos. O redator-chefe Zeca Chaves achou o acionamento da buzina, que fica na parte inferior do miolo, mal posicionado. Já o auxiliar de testes Jorge Luiz Alves, com mãos de jogador de basquete, sentiu-as apertarem-se no espaço entre o aro do volante e o miolo. De minha parte, só não gostei de ver pela milésima vez as mesmas hastes de acionamento de faróis e de indicadores de direção (de um lado) e do limpador do párabrisa (do outro), solução adotada pelo grupo PSA (Peugeot e Citroën).A Citroën não é a única a lançar mão desse recurso para reduzir custos.As fábricas dizem que esse tipo de coincidência só incomoda a nós, jornalistas, que andamos em todos os carros. O comprador, acostumado com seu próprio veículo, nem tomaria conhecimento. Outro componente repetido é a alavanca do câmbio, tão reproduzida quanto a fotografia do Che Guevara.

Esses detalhes não tiram o mérito dos designers, entretanto.Além de fazer o visual que fala ao coração do consumidor, eles ousaram ao conceber não um novo carro, mas sim uma família.A linha C4 é composta pelo hatch de duas portas mostrado aqui, por um hatch de quatro portas e um sedã, que será produzido na fábrica da PSA na Argentina, a partir do próximo ano.

Um bom design não se resume só ao estilo, porém. Os projetistas tomaram uma série de cuidados para tornar agradável a convivência com o C4. Como bons franceses, começaram por perfumar o ambiente. Para isso, instalaram um sachê junto às saídas de ar no alto do console que dura 45 dias, em média, para três horas de uso diário. São nove fragrâncias à disposição do motorista.O catálogo vai do aroma zen Bambu Ylang ao afrodisíaco Menta Musc. Mas no Brasil os primeiros clientes que comprarem o C4, que estréia este mês, terão de esperar para respirar os novos ares. Antes de comercializar os sachês, a Citroën deve registrar o produto junto às autoridades de saúde.

Outro dispositivo que aumenta o conforto a bordo é o ar-condicionado com controle independente para os dois lados da cabine, um item de série no C4 que é mais comum em veículos de segmentos superiores. Por falar em segmento, o C4 VTR, que é a versão mostrada aqui, equipada com motor 2.0 de 143 cavalos, vai custar 68 500 reais, o que o torna concorrente natural de modelos como Stilo Schumacher e Peugeot 307 Feline.

Abre-te, porta

O C4 tem espaço interno de sedã médio.Até quem vai no banco de trás viaja sem aperto. A entrada é facilitada pela abertura generosa das portas desde que o motorista tenha espaço lateral para abrilas totalmente. Em uma vaga de shopping, por exemplo, é melhor manobrar o carro e deixar os passageiros entrarem depois, com o carro parado no corredor.

O C4 é bastante silencioso e confortável ao rodar. Apesar de sua suspensão não conviver bem com os buracos de nossas ruas (ela tem curso muito limitado), os pneus de perfil alto 195/65 R15 dão importante contribuição para absorver as imperfeições do piso. O que causa certo incômodo no comportamento do C4 é o fato de a carroceria oscilar, durante as acelerações, ainda que progressivas.Ao contrário da versão VTS de 180 cavalos, testada em dezembro de 2004, o compromisso do C4 VTR, definitivamente, não é com a esportividade. Sua direção é precisa, mas um pouco lenta nas reações. E, nas curvas, o ESP intervém ao menor sinal de perigo. O C4 apresenta tendência a sair de frente. O conta-giros que fica localizado na coluna de direção - e acompanha os movimentos de ajuste em altura e profundidade - nãotem faixa vermelha evidente. Quando o motor atinge o limite de 6 200 rotações por minuto, o fundo do mostrador muda de cor, de amarelo para vermelho. Mas aí já é tarde. Se o instrumento avisasse a aproximação do limite, seria mais seguro e valeria como um shift-light, que aponta o momento certo de trocar as marchas.

Mesmo com a opção pelo conforto, não se pode desprezar os 143 cavalos do motor. Na pista de testes o C4 se saiu bem, acelerando de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos e chegando à velocidade máxima de 201,9 km/h. Nas medições de consumo, ele terminou o teste com as médias de 8,5 km/l na cidade e 12,9 km/l na estrada.

O C4 é um bom trunfo para os planos de expansão da Citroën no Mercosul. Depois da versão VTR e do sedã Triomphe, a empresa estuda trazer também o esportivo VTS e fabricar o hatch de quatro portas, na Argentina. Na estratégia de longo prazo do grupo PSA, a América do Sul vem antes do mercado norte-americano, segundo declação recente do diretor da PSA North America, Richard Lucki. Como é bonito, bem equipado e chega com preço compatível com a concorrência local, o C4 VTR está pronto para o combate.


C4 VTR - R$ 68.500

Ele é importado, mas tem preço de nacional. Além disso, oferece um pacote de equipamentos completo.

SUSPENSÃO

Privilegia o conforto, mas não é robusta o suficiente para encarar nossas ruas esburacadas.
Avaliação: bom

AO VOLANTE
A direção é precisa, mas lenta nas reações. O volante de cubo fixo é um show à parte, no que diz respeito à ergonomia.
Avaliação: muito bom

CARROCERIA
O design é nota 10. O conforto é de sedã médio. Mas haja espaço para abrir as portas.
Avaliação: excelente

MOTOR E CÂMBIO
O motor tem torque e potência em boa dose. Mas o câmbio é longo, muito comprometido com o conforto.
Avaliação: muito bom

MERCADO
Com a expansão da marca, o C4 vai ser um produto mais atraente para quem pensa em uma compra racional. Por enquanto, o preço de 68.500 reais é bem convidativo para o segmento.
Avaliação: bom


Ficha técnica e teste

Bolso
A cobertura da garantia é dividida entre a fábrica, no primeiro ano, e as revendas, no segundo. A Citroën tem planos de ampliar sua rede para 125 pontos até 2010. Preço do carro: 68.500 reais
Garantia: 2 anos sem limite de km
Número de concessionárias: 75
Consumo cidade (km/l) (G): 8,5
Consumo estrada (km/l) (G): 12,9
Tanque de combustível/autonomia (l)/(km): 60 / 774

Conforto
Ar-condicionado/direção: hidráulica s / s
Pára-choques pintados/pintura metálica: s / o
CD player/comandos no volante: s / s
Vidros/travas elétricos: s / s
Espelhos controle interno/vidros verdes: s / s
Banco traseiro rebatível (60/40): s
Aviso sonoro faróis/relógio digital: - / s
Câmbio automático/rodas de liga leve: - / o

Segurança
O BAS, na linha Citroën, foi batizado de AFU. No lugar do inglês Brake Assist System, entrou o Aide au Frenage d'Urgence, do francês. Em português: Sistema Auxiliar de Frenagem.
ABS/BAS/EBD: s / s / -
Controle de tração/estabilidade: s / s
Airbags (frontais/laterais/cabeça): s / s / s
Encosto de cabeça traseiro /cinto de 3 pontos para 5º passageiro: s / s
Barras de proteção lateral: s

Desempenho
Nas frenagens de 120 km/h a 0, com a transferência de peso para o eixo dianteiro, a carroceria balança muito, exigindo certo controle por parte do motorista.
0-100 km/h (s) 10,9 0-1000 m (s): 32,1
3ª 40 a 80 km/h (s): 6,2
4ª 60 a 100 km/h (s): 8,9
5ª 80 a 120 km/h (s): 13,4
Velocidade máxima (km/h): 201,9
Frenagem 120/80/60 km/h a 0 (m): 59,9 / 26,7 / 14,9
Ruído interno PM/RPM máx (dB): 38,9 / 79,7
Ruído interno 80/120 km/h (dB): 59,8 / 67,6
Velocidade real a 100 km/h (km/h): 97

Ficha técnica
Motor/posição: dianteiro / transversal
Construção/cilindrada (cm3): 4 cilindros / 1 997
Diâmetro/curso (mm): 85 / 88
Taxa de compressão: 10,8
Potência (cv a rpm): 143 a 6 000
Torque (mkgf a rpm): 20,4 mkgf a 4 000
Câmbio (tipo/marchas/tração): manual / 5 / dianteira
Direção (tipo/nº voltas): eletro-hidráulica / 2 3/4 voltas
Suspensão dianteira: independentes, McPherson
Suspensão traseira: independentes, eixo traseira com braços estendidos
Freio (tipo/dianteiro/traseiro): hidráulico / disco ventilado / disco
Pneus: 195/65 R15

Dimensões
Comprimento/entreeixos (cm): 427 / 260
Altura/largura (cm): 146 / 176
Porta-malas (litros): 314
Peso (kg): 1 279
Peso/potência (kg/cv): 8,9
Peso/torque (kg/mkgf): 62,6
Diâmetro de giro (m): 10,7

Os rivais
- Fiat Stilo Schumacher
Tem como vantagem o fato de ser um carro produzido no Brasil, o que torna sua manutenção mais fácil e barata. É dono de uma desvalorização menor. Seu visual esportivo é bastante interessante, apesar de o motor entregar 122 cavalos, contra os 143 do C4.
- Peugeot 307 Feline
Além de ser outro francês embora já tenha dupla nacionalidade, assim como o Stilo, o 307 conta com motor 2.0 16V de 138 cavalos e compartilha componentes importantes com o C4, como a transmissão e peças do acabamento.

Veredicto
O C4 VTR entrega mais estilo e equipamentos de conforto e segurança que qualquer dos seus principais concorrentes nacionais. E, além de tudo, chega ao mercado com preço bastante competitivo. Por isso, o C4 VTR é uma excelente opção de compra.





» FOTOS


Publicidade