Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Família Palio 1.4 Fire
Junho 2005

Família Palio 1.4 Fire

Família ascendente: Com o novo motor 1.4 os Palio abrem distância dos populares tanto em imagem como na pista

Por Marcelo Moura / fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Quem gosta de marketing faz bem em acompanhar os passos da Fiat no Brasil. Foi a primeira a reagir à redução de imposto para carros 1.0, em 1990, ao lançar o Uno Mille. Foi a primeira a lançar um aventureiro urbano. Quando o imposto mudou de novo e os carros "mil" deixaram de ser tão atraentes, em 2002, foi a primeira a lançar uma alternativa barata, o Palio 1.3 8V. Agora o que era 1.3 vira 1.4. A família Palio ELX e a Strada Fire ganham novos pistões, bloco de motor, cabeçote, bielas e coletor de ar - no caso da picape, a injeção flex também é novidade. As mudanças consumiram 35 milhões de reais - e, é notícia no mundo todo, a Fiat não anda em condições de rasgar dinheiro. Deve haver alguma boa jogada por trás desse investimento, eles não dão ponto sem nó. Adoraria entender qual é.

Vejamos: o motor 1.3 vendia mal? Não. Era a escolha de 59% dos compradores do Novo Palio, 38% da Weekend, 47% do Novo Siena e 61% da Strada. O motor 1.3 era fraco? Era um pouco fraco, sim. Com 71 cavalos (bebendo álcool), tinha menos potência que alguns 1.0 16V a gasolina. Potência não é tudo no comportamento de um carro, mas é o dado que as agências de publicidade gostam de sublinhar nos anúncios. Nesse ponto o 1.4 Fire evolui, mas nem tanto: com álcool, vai a 81 cavalos. Se o problema era esse, bastava trazer de volta o cabeçote de 16 válvulas, que já foi usado no Palio e continua no Doblò (rende 80 cavalos com gasolina). Resumindo, continuo sem entender por que mudou. Vamos perguntar ao carro.

A família Palio responde melhor agora, basta pisar no acelerador para sentir o ânimo. Em parte porque o novo motor tem mais torque (ganhou pouca coisa: 0,8 mkgf), em parte porque esse torque se mantém alto de 2000 a 4500 rpm (enquanto no 1.3 ele caía logo após as 2500 rpm), e em parte porque a Fiat trocou de marchas. A primeira está mais curta, a segunda está igual, terceira e quarta foram ligeiramente alongadas, a quinta e o diferencial continuam como no 1.3. No fim das contas, melhorou. Ande a 60 km/h em segunda marcha ou a 40 km/h em terceira, não importa, o motor aceita sem reclamar. Isso é um conforto que os olhos não vêem, mas que aparece no fim do dia. Dirigir esses Palio na cidade não é trabalhoso, seja você ou não um pós-graduado em trocas de marcha.

Testamos a família 1.4 inteira na pista de Limeira. Comparar a Strada e sua antecessora, que era 1.3 e não tinha flex, é covardia: com gasolina, houve um ganho de 13 cavalos. Mesmo o patriarca Palio livrou vantagem razoável em cima de seu antepassado: foi 2,1 segundos mais rápido no 0 a 100 km/h, com 15,1 segundos. Na prova de velocidade máxima, cravou 157 km/h - curiosamente, 8 km/h atrás do Siena, talvez embalado pela melhor aerodinâmica. Nenhum desses números é capaz de classificar o Palio em provas de arrancada, mas eles são suficientes para deixar longe o Clio 1.0 16V (18,5 s), que, com 76 cavalos, andou sugerindo em anúncios que tinha desempenho de 1.4. Em outras palavras, a família Fiat 1.4 se consolida como um degrau acima dos carros populares, posição que começava a ficar ameaçada com a chegada dos novos 1.0 flex. Mas, em termos de desempenho, continua carente de mais tempero. Bom mesmo seria ter um Fire 1.5, mas não conte com isso. Oficialmente, o 1.3 era o fim da linha no desenvolvimento desse motor.


a esperança venceu o medo
"Há cinco anos, metade dos engenheiros achava impossível chegar ao 1.4", diz Appio Aguiari, diretor de engenharia da Fiat e membro do vitorioso grupo otimista. "Diziam que, com paredes mais estreitas entre os cilindros [ficaram em 6 milímetros], teríamos problemas de resistência, vibração e refrigeração. O ponto crítico era dissipar o calor, e resolvemos isso criando novas galerias de água e óleo. O resto a gente testou e viu que continuava dentro dos limites toleráveis." Para ganhar nova irrigação, o bloco ficou mais largo. Pelo sim, pelo não, as vibrações foram atenuadas com válvulas mais leves, com a volta das bielas fraturadas (adotadas no 1.3 16V e abandonadas no 1.3 8V) e com sub-bloco do motor (onde se apóia o virabrequim) feito de alumínio. Esse motor foi lançado na Europa em 2003, com cabeçote de 16 válvulas (e 95 cavalos), junto com o Idea. Será que o pequeno monovolume vai inaugurar o 1.4 16V no Brasil também? Seria uma boa explicação para o lançamento do motor 1.4, mas a Fiat diz que não. Além do cabeçote, nosso motor é diferente por ter sistema flexível - agora com dois bicos injetores na partida a frio.

O "departamento de novidades" da Fiat olhou tanto para o motor que se esqueceu do resto. O emblema cromado que identifica a cilindrada mudou para 1.4, claro, e migrou dos pára-lamas dianteiros para a tampa do porta-malas. Só isso? Só. E não vá dizer que o Palio é uma obra que dispensa retoques. A cabine expõe parafusos e áreas da lataria, enquanto o console do painel, rígido demais, acolhe celulares, chaves e moedas com barulho de cantina italiana. São defeitos mas, de todo jeito, com eles o comprador de carros 1.0 já está acostumado. Talvez desagrade aos olhos e ouvidos, mas a linha Palio massageia com carinho outra parte importante do corpo: o ego, ao oferecer em carros intermediários mimos como alerta de velocidade, tanque de combustível com abertura interna, computador de bordo e porta-luvas iluminado, tudo de série. Deve ser uma boa jogada. Afinal, eles não dão ponto sem nó.


Avaliação de QUATRO RODAS

PALIO SIENA STRADA WEEKEND
A O V O L A N T E
Direção
Suspensão
O motor convida a passear com calma. Convite reforçado pela suspensão mole, pelo câmbio avesso a trocas rápidas e pelos freios sensíveis. Por outro lado, é bem progressivo. Siena, Palio e Weekend vestem o motorista do mesmo jeito. A caixa de roda não apóia o pé esquerdo e a espuma do banco, de baixa densidade, cansa em viagens longas. Considerando a finalidade de cada carro, a Strada é, na família Palio 1.4, a que tem suspensão mais acertada. É a única a ter banco com trilho que une ajuste de altura e distância. Tem diâmetro de giro maior, mas compensa isso com sensor de estacionamento opcional (que o Palio não tem) e com visibilidade para trás melhor que a do Siena.
V IDAABO R D O
Conforto motorista
Conforto
passageiro
Nível de ruído
Equipamentos
Detalhes como a luz de cabine que liga e desliga gradualmente, computador de bordo e a lingüeta para abrir o capô mostram uma Fiat preocupada com a auto-estima do cliente. Falta qualidade nos materiais de acabamento: o plástico do console é rígido demais, inadequado para porta-objetos, e o forro das portas, de espuma e vinil, é frágil. Para ser um carro de lazer, faltam confortos simples como espelho de cortesia. As grades da janela traseira são largas e horizontais, atrapalhando a visão. Há mais espaço atrás para pernas e cabeça que no Siena. Se você tem filhos crescidos e quer um Palio, o carro é este. Falta banco traseiro bipartido, que só as versões 1.8 oferecem.
C A R R O C E R I A
Arq. Interna
Acabamento
cap. de carga
Os faróis à moda BMW lembram que o chefe de estilo da Fiat Brasil, Peter Fassbender, trabalhou com Chris Bangle. Dão frescor a um carro que vive hoje sua terceira idade. Tem o melhor perfil aerodinâmico da família, o que explica sua maior velocidade máxima. O porta-malas é mais espaçoso que o do próprio Palio Weekend. A cabine estendida tem, atrás do banco, espaço igual ao porta-malas do Palio. O desenho de fornada antiga faz boa figura, mas é pena não ter motor 1.4 na nova Strada. É mais que um Palio comprido: a distância entre os eixos é 7 centímetros maior. O tempo passa e continua difícil se acostumar com as lanternas traseiras.
M O T O R & T R A N S M I S S Ã O
Aceleração
Velocidade
máxima
Câmbio
A convivência com o urbano Palio ficará mais cara, pois o consumo na cidade aumentou. Mas, com gasolina, ele anda mais que o 1.3 com álcool. Conforto é vital num sedã, e nisso o 1.4 ajuda. Troca-se menos de marchas, graças à nova relação do câmbio e à curva de torque mais plana. Se eu tivesse um Palio, Siena ou Weekend, trocaria o diferencial pelo da Strada. Mais curto, ele deixa a picape esperta, mas também gastadora. Os tempos de retomada não impressionam, mas caíram, boa notícia num carro para viajar. O consumo na estrada se manteve no nível do 1.3.
SEGURANÇA
Retomada
Frenagem
Visibilidade
A família Palio acelera unida e pára unida, apesar das diferenças de freios, câmbio e suspensão. As marcas são boas. O motor 1.4 trouxe mais confiança ao ultrapassar. O alerta de velocidade, que há no Siena, Weekend e Palio, evita multas. Tem a suspensão traseira mais arisca. ABS e airbag duplo são opcionais: ninguém vai comprar, mas a iniciativa merece elogio. A Weekend tem tambores de freio da Strada, com diâmetro 23% maior que os de Palio e Siena. Resistem melhor à fadiga.
M E R C A D O
Custo/benefício
O preço não foi anunciado mas deve ficar em 29400 reais, próximo dos 1.4 Citroën C3 e Peugeot 206. O Palio é mais potente e flex; os rivais vêm mais bem equipados. O Siena HLX, que tem direção hidráulica e motor 1.8, está custando apenas 3000 reais acima do estimado para a versão ELX 1.4. Se for isso mesmo, vá de HLX. Como está ganhando Flex e 1.4, deve ter reajuste maior e chegar a 31970. Olhe com carinho para a versão Trekking, que tem carroceria nova, motor 1.8 e preço pouca coisa maior. Custa 3000 reais acima do Siena, mas é superior: tem melhores freios traseiros, espaço interno mais generoso e maior versatilidade ao levar bagagem.
Veredicto
LEGENDA:
ótimo muito bom bom razoável fraco



Os números da pista de teste

Velocidade e aceleração
PALIO SIENA STRADA WEEKEND
velocímetro
60 km/h
erro
57 km/h
-5 %
55 km/h
-7.7 %
57 km/h
-5 %
56 km/h
-6.7 %
80 km/h
erro
76 km/h
-5 %
73 km/h
-8.4 %
77 km/h
-4.4 %
74 km/h
-7.5 %
120 km/h
erro
111 km/h
-7.5 %
111 km/h
-7.5 %
115 km/h
-4 %
111 km/h
-7.5 %
aceleração
0 - 100 km/h
15.1 s
14.7 s
15.6 s
15.6 s
0 - 1000 m
36.7 s
137.3 km/h
19.136.3 s
140.4 km/h
37 s
136.5 km/h
37 s
137.3 km/h
retomada
40 - 80 km/h
em 3a
8.4 s
8.7 s
8.4 s
9.1 s

60 - 100 km/h
em 4a

14.4 s
14.3 s
14.4 s
14.6 s
80 - 120 km/h
em 5a
21.2 s
21.7 s
22.0 s
24.9 s
velocidade máxima
157 km/h
165 km/h
154.3 km/h
160.6 km/h

consumo
urbano 10.1 km/l 9.8 km/l 8.2 km/l 9.3 km/l
rodoviário 13.7 km/l 13.7 km/l 10.8 km/l 14.1 km/l

frenagem
60 km/h a 0 17.8 m 17.4 m 17.3 m 17.1 m
80 km/h a 0 30.3 m 30.9 m 30.7 m 30.4 m
120 km/h a 0 79.4 m 69.5 m 69.1 m 68.4 m

ruído
Ponto morto 44.4 dB 39.7 dB 42.6 dB 40.5 dB
1ª em rotação máxima 71.1 dB 70.2 dB 73.4 dB 66.5 dB
4ª a 80 km/h 62.8 dB 60.9 dB 63.6 dB 59.9 dB
5ª a 120 km/h 69.2 dB 66.5 dB

69.8 dB 67.8 dB

Condições do teste
temperatura média no dia 29.5º C / 28.5º C / 26 º C / 26 º C
pressão atmosférica 762 mm/hg / 760 mm/hg / 760 mm/hg / 761 mm/hg
umidade do ar 30 % / 41.5 % / 49 % / 36%
altitude 660 m / 660 m / 660 m / 660 m

Ficha técnica

Família Palio

Motor
palio, siena, strada, weekend: Dianteiro, transversal, 4 cilindros, 8 válvulas
Cilindrada: 1368 cm3
Diâmetro x curso: 72 x 84 mm
Taxa de compressão: 10,4:1
Potência: 80 cv (G)/81 cv (A) a 5500 rpm
Torque: 12,2 mkgf (G)/12,4 mkgf (A) a 2250 rpm

Câmbio
palio, siena, strada, weekend: Manual de 5 marchas, tração dianteira; I. 4,27; II. 2,24; III. 1,44; IV. 1,03; V. 0,87. Ré 3,91;
palio, siena, weekend:
Diferencial 4,07; Rotação do motor a 100 km/h em 5ª - 3000 rpm
strada: Diferencial 4,40; Rotação do motor a 100 km/h: N/D

Carroceria
palio:
Dimensões Comprimento, 383 cm; largura, 163 cm; altura, 144 cm; entreeixos, 237 cm
Peso: 986 kg
Peso/potência: 12,3 kg/cv (G)/ 12,2 kg/cv (A)
Peso/torque: 80,8 kg/mkgf (G)/ 79,5 kg/mkgf (A)
Volumes: Porta-malas, 290 l; tanque de combustível, 48 l

siena:
Dimensões Comprimento, 414 cm; largura, 163 cm; altura, 144 cm; entreeixos, 237 cm
Peso: 1076 kg
Peso/potência: 13,5 kg/cv (G)/ 13,3 kg/cv (A)
Peso/torque: 88,2 kg/mkgf (G)/ 86,8 kg/mkgf (A)
Volumes: Porta-malas, 500 l; tanque de combustível, 48 l
strada (CE):
Dimensões: Comprimento, 440 cm; largura, 167 cm; altura, 154 cm; entreeixos, 272 cm
Peso: 1051 kg
Peso/potência: 13,1 kg/cv (G)/ 13,0 kg/cv (A)
Peso/torque: 86,2 kg/mkgf (G)/ 84,8 kg/mkgf (A)
Volumes: Caçamba, 800 l; tanque de combustível, 58 l
weekend:
Dimensões: Comprimento, 422 cm; largura, 163 cm; altura, 152 cm; entreeixos, 244 cm
Peso: 1091 kg
Peso/potência: 13,6 kg/cv (G)/ 13,5 kg/cv (A)
Peso/torque: 89,4 kg/mkgf (G)/ 88,0 kg/mkgf (A)
Volumes: Porta-malas, 460 l; tanque de combustível, 51 l
Suspensão
palio, siena, weekend: Molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos, barra estabilizadora
Dianteira: McPherson, braços oscilantes inferiores transversais
Traseira: Rodas independentes, braços oscilantes longitudinais
strada: Amortecedores hidráulicos telescópicos
Dianteira: McPherson, braços oscilantes inferiores transversais, barra estabilizadora, molas helicoidais
Traseira: Eixo rígido, molas parabólicas longitudinais
Freios
palio, siena, strada, weekend: Disco ventilado na dianteira, tambor na traseira, com (opcional) ABS


Direção
palio, siena, strada, weekend: Hidráulica (opcional), com pinhão e cremalheira; 2,8 voltas entre batentes
palio: Diâmetro de giro, 9,8 metros
siena, weekend: Diâmetro de giro, 10,5 metros
strada: Diâmetro de giro, 11 metros
Rodas e pneus
palio, siena, weekend: Liga leve (opcional), aro 14; Pirelli P4 Cinturato 175/65 R14
strada: Aço estampado, aro 14; Pirelli Citynet 175/70 R14

Preço (estimado)
palio: 29400 reais
siena: 33330 reais
strada: 31970 reais
weekend: 36320 reais




» FOTOS


Publicidade