Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Citroën DS3
Junho 2012

Citroën DS3

Empolgante, eficiente e atraente, o DS3 vai brigar com carros esportivos e de imagem

Por Péricles Malheiros | foto: Marco de Bari
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

Com dois anos e meio de atraso em relação ao lançamento na Europa, o Citroën DS3 estreia no Brasil. Com porte de Volkswagen Polo, e exclusivamente com carroceria duas-portas, o DS3 é a aposta da marca num segmento diferenciado, que ela chama de Sport Chic. Na prática, ele é um hatch esportivo premium montado sobre a plataforma da nova geração do C3, que deve começar a ser fabricada no Brasil no início do segundo semestre deste ano. Mas é preciso ressaltar: o DS3 tem, de fato, diversos elementos que o tornam um modelo especial.

A sigla DS remete ao modelo homônimo de 1955, que nunca foi um sucesso de vendas, mas ocupa lugar de destaque na história da Citroën pelo design inovador e por sua revolucionária suspensão hidropneumática. É esse espírito vanguardista que a marca quer evocar na família DS - há ainda o DS4 e o DS5 e, futuramente, o DS9.

Teto colorido
A diferenciação do Citroën DS3 começa na carroceria: o novo C3 só está disponível com quatro portas. O teto contrasta com a cor do carro em si. "Neste ano, só teremos os modelos com teto preto. Branco, só a partir do ano que vem", diz Cléa Tiepo, gerente de produto da marca. Na traseira e no capô, o emblema Citroën aparece desmembrado, formando as letras D e S. Os "bumerangues" sobrepostos tradicionais foram mantidos apenas na grade frontal.

Outro item exclusivo - e de maior destaque - do DS3 é o conjunto mecânico. O motor é o eficiente 1.6 THP, desenvolvido pela BMW e aplicado nos Peugeot 3008, 408 e RCZ e no Mini Cooper S. O 1.6 16V turbo é um dos mais eficientes da atualidade, unindo como poucos desempenho, elasticidadade e baixo consumo de combustível. Em nossa pista, o DS3 deu um show: acelerou de 0 a 100 km/h em 7,6 segundos e registrou consumo urbano de 11,4 km/l e rodoviário de 16,9 km/l. O câmbio manual de seis marchas merece elogios pelo escalonamento correto, funcionamento silencioso e pela precisão dos engates. O curso, um tanto longo, aumenta o "passeio" da alavanca entre as trocas, dificultando a vida do piloto numa tocada mais esportiva. No painel, um indicador digital avisa o momento ideal da troca de marcha. Mas o disposi- tivo visa apenas a economia de combustível.

Sobre a possibilidade de aplicação de uma transmissão automática no DS3 - utilizando a mesma caixa de seis marchas do 3008, por exemplo -, Jeremie Martinez, executivo de marketing da Citroën, explica: "É uma limitação do projeto. O conjunto de motor e câmbio não cabe no carro".

Anjo copiloto
A direção assistida eletricamente é leve nas manobras, mas sua comunicação com o piloto é um tanto indireta, não combina com o "calor" dos 165 cv do motor. Nas curvas longas, o DS3 mostrou-se estável e, mesmo quando o apetite exagerado empurrava o carro em direção à zebra, a suspensão não decepcionava: absorvia os degraus em silêncio e mantinha a dirigibilidade. Os controles de estabilidade e tração são intrusivos: diante da menor escorregada, é possível notar os dispositivos cortando a potência e acionando os freios para devolver o DS3 ao piloto.

Na hora de parar, o novo Citroën não se mostrou tão competente, principalmente nas frenagens iniciadas em velocidades mais elevadas. Ele cumpriu a prova de frenagem de 120 km/h a 0 em 60 metros cravados, ante 57,2 metros registrados pelo RCZ. No entanto, nas passagens de 80 e 60 km/h a 0, o DS3 foi melhor: respectivamente, com 25,3 e 14,9 metros ante 27,1 e 16,4 metros. Apesar de decepcionar nas frenagens longas, o DS3 é equilibrado, sem tendência a desviar de trajetória do início ao fim da prova.

Os faróis do DS3, sem canhões ou máscara negra, são convencionais. "O xenônio não é opcional nem no mercado europeu. Só está disponível na família DS a partir do DS4. É uma estratégia para reforçar o caráter de exclusividade dos mode- los mais caros", diz Martinez. O modelo premium tenta compensar a ausência com duas barras de leds que cumprem a função de luz diurna. Na traseira, as lanternas exibem lente com relevos que delimitam as luzes de pisca, freio e ré.

Para um modelo com preço na casa dos 80 000 reais - o valor oficial não foi divulgado -, o consumidor pode até sentir falta de itens como bancos elétricos e teto solar. Mas há rebatimento elétrico dos retrovisores e rodas de liga leve aro 17. Além, é claro, dos mandatórios ar-condicionado (digital), direção elétrica, trio elétrico, ABS e airbag duplo. Tudo de série. O único opcional são os bancos de couro, por 2 900 reais. A marca terá ainda uma linha de acessórios de personalização que vai de adesivos para a carroceria até máscara de painel e calotinhas das rodas coloridas - estes dois últimos itens, presentes na versão cedida para teste.

Exclusivo e eficiente, o Citroën DS3 reúne atributos para quem quer brigar nos segmentos de carros de imagem, esportivos e, caso o preço se confirme, até com hatches médios.



Família unida?

No Brasil, o Citroën DS3 vem
com a missão de servir de termômetro para os executivos 
da montadora francesa. "Caso 
o consumidor brasileiro demonstre interesse por ele, o DS4 e o DS5 virão na sequência para o país", diz Jeremie Martinez, executive de marketing da fábrica. Uma fonte ligada à Citroën confirma a presença da família DS inteira no próximo Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro.
O membro seguinte será o DS9, cujas linhas básicas foram antecipadas pela Citroën em abril passado, ao apresentar
o conceitual híbrido Número 9, no Salão de Pequim, na China.


DS4: derivado da nova geração do C4


Número 9 antecipa como será o DS9


DS5: espaçoso como uma minivan



Os rivais


Audi A1

Tem motor 1.4 turbo de 122 cv efazde0a100km/hem9,6 segundos. Custa 94 900 reais e tem o mesmo porte do DS3.


Mini Cooper

A versão Salt, com motor aspirado de 122 cv, custa 80 750 reais. A turbo (S), de 128 750 reais, tem 184 cv.



DIREÇÃO, FREIO
E SUSPENSÃO

O sistema de direção mais direto acentuaria a esportividade do DS3. Frenagens longas pedem um espaço acima do esperado.


MOTOR E CÂMBIO
O quatro-cilindros turbo é o destaque: dá ao DS3 desempenho empolgante sem cobrar a conta no consumo elevado. Em suma, um esportista consciente.


CARROCERIA
Mais que um novo C3 com duas portas, o DS3 é repleto de itens que o alçam à categoria de "carro de imagem light".


VIDA A BORDO
Atrás, o espaço
é apertado. Ali, só convidados eventuais - dois, no máximo.


SEGURANÇA
Completo, tem ABS, airbags frontais, laterais e de cabeça, controles de estabilidade e tração, cintos de três pontos e apoio de cabeça para todos
os ocupantes
do banco traseiro.


SEU BOLSO

A se confirmar o valor estimado pela rede,
o DS3 se tornará
uma das opções mais atraentes do segmento. Recém-lançado, ainda não foi possível fazer uma simulação do preço do seguro.



VEREDICTO


Bem aceito no mercado europeu, o Audi A1 fez escola. Com muita personalidade,
o DS3 copiou dele a carroceria duas-portas, o estilo diferenciado e as proporções. Sem contar o conjunto mecânico, igualmente eficiente.

>> Confira aqui a Ficha Técnica do carro





» FOTOS


Publicidade