Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | testes
Chevrolet Captiva 2.4 16V Ecotec
Fevereiro 2009

Chevrolet Captiva 2.4 16V Ecotec

Depois do sucesso na estréia, a GM apresenta a versão mais simples do Captiva para ampliar as vendas

Por Paulo Campo Grande | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O Chevrolet Captiva foi lançado no fim de 2008 e, em três meses, se transformou em sucesso de vendas. Foram 4 700 unidades comercializadas no período, fechando o ano como líder do segmento, à frente do Hyundai Tucson. Em fevereiro de 2009, a GM apresentou uma nova versão: o Captiva Sport 2.4 16V Ecotec, que é equipado com motor de quatro cilindros e tem acabamento mais simples. Na ocasião do lançamento, o modelo custava 86 990 reais, na versão 4x2, a única disponível, enquanto o Captiva Sport 3.6 V6 4x2 tem preço sugerido de 96 990 reais e o 4x4 está cotado a 103 990 reais. A GM espera que o Captiva Ecotec se dê tão bem no mercado quanto o V6 e estabeleceu que o mix de importação do modelo (que vem do México) será de 50% para cada versão. Para conferir suas chances, levamos o estreante para a pista de testes, tendo o “veterano” como referência.

>> ASSISTA AO VÍDEO COM O CAPTIVA ECOTEC

>> CLIQUE E LEIA O TESTE COM O CAPTIVA V6

À primeira vista, o Ecotec é bem mais despojado. Ele traz parachoques, molduras laterais e maçanetas de cor cinza, enquanto no V6 essas partes são da cor da carroceria ou cromadas. Suas rodas também têm acabamento cinza, enquanto as do V6 são cromadas e, embora a medida seja a mesma (aro 17), no Ecotec elas têm seis raios e no V6, cinco. Por dentro, os bancos das duas versões 4x2 são de tecido. Couro só para a 4x4. E o ar-condicionado do Ecotec é analógico, enquanto o do V6 é digital.

A chave do Ecotec tem telecomando para abertura das portas e do tanque de combustível e para o acionamento do alarme, mas não dá partida no motor, como no Captiva V6. Contudo, o Ecotec não fica atrás em relação a itens de conforto como volante multifuncional, sistema de som com leitor de MP3, computador de bordo, piloto automático e banco do passageiro dianteiro dobrável (vira uma mesa). Quando o assunto é segurança, também não há concessões. O novato traz os mesmos equipamentos presentes nas outras versões da linha, como airbags frontais, laterais e de cortina, freios ABS, controle de tração TCS, programa eletrônico de estabilidade ESP e monitor de pressão dos pneus.

O motor do Ecotec é tão avançado quanto o V6. Ambos são classificados internamente pela fábrica como “World Class” (classe mundial), o que pode ser entendido como um motor moderno com aplicação em diversos veículos das marcas da GM. No Brasil, ele deve equipar futuros lançamentos da Chevrolet. Esse quatro-cilindros tem bloco e cabeçote de alumínio, duplo comando de válvulas variável, coletor de admissão de plástico (com baixa restrição de fluxo) e duplo eixo balanceador de massas, que tem a função de reduzir as vibrações.

O Ecotec possui apenas uma saída de escapamento, contra as duas do motor V6. Mas a maior diferença técnica por conta do motor está na transmissão. O V6 tem acoplado um câmbio sequencial de seis marchas e o Ecotec, um sequencial de apenas quatro. No modo manual, cada um tem seu modo particular de trocas: no V6, elas são feitas da maneira mais tradicional, que é movimentando a alavanca para a frente e para trás, e no Ecotec elas ocorrem por meio de um botão localizado na manopla da alavanca, com os sinais de “+” para avançar e de “–” para reduzir.


Com a suspensão mais firme, melhorou a estabilidade

Máxima de 180 km/h
Na pista de testes, o Captiva Ecotec apresentou desempenho compatível com sua motorização. Fez de 0 a 100 km/h em 12,3 segundos, enquanto rivais como o Tucson e o Honda CR-V, ambos com motores 2.0 de quatro cilindros, conseguiram os tempos de 14,0 e 12,6 segundos, respectivamente, quando testados em maio de 2008. Em comparação com o Captiva V6, porém, a diferença de performance é grande. Avaliado em setembro de 2008, o V6 acelerou de 0 a 100 km/h em 8,6 segundos. A velocidade máxima do Ecotec é limitada eletronicamente em 180 km/h, mesmo patamar das unidades V6 que começam a chegar agora ao Brasil. As primeiras, entretanto, chegaram travadas em 160 km/h. Na época, a GM disse que era por questão de segurança, mas depois decidiu flexibilizar, segundo ela, sem acarretar prejuízos para a segurança.

Nas medições de consumo, o Ecotec foi pior que os rivais diretos. Ele ficou com as médias de 8,2 km/l na cidade e 10,7 km/l na estrada, enquanto o Tucson obteve 9 e 10,2 km/l e o CR-V, 9,5 e 11,5 km/l, respectivamente. Mas, em compensação, ele foi melhor que o Captiva V6, que apresentou 6,5 km/l na cidade e 9,2 km/l na estrada.

No dia-a-dia, o Captiva Ecotec causou boa impressão, apresentando-se mais estável que o V6. Nas retas, ele mostrou mais firmeza ao passar por pisos irregulares. Nas curvas, atuou de forma mais equilibrada (com menos rolling), transmitindo confiança ao motorista. A fábrica afirma que não mexeu na suspensão, além do necessário. Ou seja: a calibragem foi feita em razão da mudança de peso do veículo, mas não houve intenção de deixálo mais firme que a do V6 (que oferece a maciez de um sedã americano). Em todo caso, em razão desse comportamento mais “na mão”, o sobrenome Sport que acompanha a linha Captiva faz mais sentido no Ecotec que no V6.

A GM apresenta o Captiva Ecotec como uma versão mais esportiva, de estilo despojado. Mas bem que poderia destacar o lado ecologicamente correto do modelo, equipado com motor mais compacto, que proporciona maior economia de combustível e menor emissão de gases.

 


OS RIVAIS

 

Honda CR-V


Equipado com motor 2.0 de 150 cv, tem tração 4x2 e custa 84 410 reais.

Hyundai Tucson


Na versão GL 2.0, de 145 cv, com câmbio manual, tem preço sugerido de 79 900 reais.

 


VEREDICTO

 

O 2.4 tem tudo para agradar. Com a estrada pavimentada pelo V6, ele chega com imagem de carro cobiçado e preço (ainda) mais acessível (em relação a seus pares), o que lhe garante um custobenefício mais interessante. Pelo conjunto, o 2.4 é hoje a melhor compra da linha.

 


 

» Clique aqui para ver os números do teste