Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Impressões ao dirigir
JAC J2
Julho 2012

JAC J2

Novo JAC aposta em equipamentos e motor forte para enfrentar os populares nacionais

Por Ulisses Cavalcante | fotos: Christian Castanho
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

O compacto J2 nem chegou às lojas, mas teve de se acostumar com a vida de celebridade. Nos últimos meses, parte dos 15 protótipos qua circulam no Brasil foram perseguidos e fotografados, inclusive por QUATRO RODAS. No entanto, o "segredo" nunca foi guardado a sete chaves pela JAC. A vinda do pequeno foi revelada na estreia da marca, mas, claro, sem detalhes. Já sabemos de um: as vendas vão começar em novembro. Mesmo assim, meses antes de seu lançamento, "despimos" uma das unidades camufladas que rodam pelo país.

Não estranhe o para-choque recortado. Uma rede colada abaixo do logotipo protege o radiador e esconde uma abertura retangular feita para garantir a entrada de mais ar no sistema de refrigeração. Por isso, uma peça modificada foi encomendada ao estúdio italiano que desenha os carros da JAC. Esqueça o J2 renovado que já apareceu na China. O nosso será basicamente este que você vê nas fotos, com exceção do para-choque dianteiro e dos grafismos no quadro de instrumentos.

A nova incursão da JAC no mercado de hatches promete reverberar no segmento de entrada, limitado a 35 000 reais. Nessa faixa, o motor 1.0 é rei e a dupla composta de direção hidráulica e ar-condicionado é o maior título de nobreza que se consegue. Com preço em torno de 34000 reais, o J2 repetirá a receita do J3 e virá completo, sem opcionais. De série, terá freios ABS, airbag duplo, rodas de liga, vidros elétricos, volante com regulagem de altura, sistema de som com MP3 e, apesar do pequeno tamanho, sensor de estacionamento.

Ao abrir a tampa do porta-malas, você não será saudado pela indecorosa lataria nua. Há uma capa plástica na tampa e carpete forrando cada centímetro do bagageiro. A porta traseira tem abertura interna, por meio de uma alavanca entre o assoalho e o banco do motorista. Mesmo com a proposta urbana do carrinho, os 100 litros do porta-malas são quase figurativos. No entanto, é possível rebater totalmente o banco traseiro, que acomoda três passageiros, apesar de o carona do meio não contar com cintos de três pontos nem encosto de cabeça.

O painel não tem porta-luvas, mas o interior é farto em nichos para objetos. Há dois porta-copos à frente do câmbio e um para quem vai atrás. Encontra-se espaço para pequenos itens no forro das portas, no console, no painel e até atrás da alavanca da transmissão. Os relógios do quadro de instrumentos se movem juntamente com a coluna de direção, que tem ajuste de altura. Os grafismos de fundo irão mudar, pois não agradaram os designers da JAC brasileira. Mas não haverá alterações no minúsculo conta-giros, ruim de ler.

O acionamento dos retrovisores externos foi "corrigido" pela engenharia. No J3, o ajuste dos espelhos causa estranhamento por estar "invertido". Ao apertar o botão para cima, o retrovisor desce. O item recebeu críticas dos consumidores e será alterado inclusive no J3, cuja reestilização já está no forno. O sistema de som repete alguns defeitos do J3. Não tem entrada auxiliar nem USB tradicional. Ele preserva a porta mini-USB, que exige o uso de um adaptador para usar pendrives.

A cereja do bolo está debaixo do capô. Em vez de adotar o 1.0 disponível na China, a JAC preferiu equipar o compacto com o mesmo 1.4 16V do J3, de 108 cv. Ele só pode rodar com gasolina, mas a falta do sistema flex não tira seu brilho quando o acelerador é provocado. Seu motor foi elogiado por quem guiou o J3 testado no Longa Duração. O bloco 1.4 trabalha com folga de potência no J2, um hatch 100 kg mais magro. A união de um motor forte com pouco peso e dimensões contidas forma um conjunto agradável para dirigir, capaz de trazer boas doses de diversão ao volante. A suspensão é macia, mas a JAC promete um ajuste mais firme no J2 brasileiro. Com esses atributos, o carro de entrada da JAC surpreende positivamente. Se tiver preço competitivo e mantiver a qualidade do irmão maior, a concorrência pode se preparar para uma temporada de descontos. Ela está para começar.



VEREDICTO


Motor 1.4 do J3 caiu como uma luva no J2 e deixou o carrinho esperto na estrada e ágil na cidade. Ótima pedida para quem costuma andar sozinho e quer gastar pouco por um carro completo.





» FOTOS


Publicidade