Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Impressões ao dirigir
Dossiê 7 lugares
Setembro 2011

Dossiê 7 lugares

Disponibilidade de minivans nunca foi tão farta para quem precisa de espaço e escolhe carro pelo número de assentos

Por Ulisses Cavalcante | fotos: Marco de Bari
Lista de matÉrias por data:

TAMANHO DA LETRA  

Sem dúvida, as famílias grandes de hoje viajam com muito mais conforto que no passado. Nada de chiqueirinho ou bancos inteiriços sem cintos de segurança. Os assentos rebatíveis e os bancos sobre trilhos permitiram potencializar o aproveitamento do espaço na cabine. Tanto faz se você quer levar pessoas ou coisas, basta configurar o interior como quiser. Se sete é o seu número, você nunca teve tantas opções para escolher. Diante da oferta de modelos, fizemos um corte de preço limitando o valor dos automóveis a 100000 reais. Fora o Mahindra SUV, este dossiê mostra todos os familiares disponíveis oficialmente no Brasil. Basta escolher o seu.



JAC J6

Estreante chinesa agrada, mas preço pode melhorar.
R$ 59800



Alista de equipamentos de série é o principal argumento de venda da J6, além da garantia de seis anos. Seu custo não é tão sugestivo, pois a Nissan Grand Livina parte de 54290 reais e tem acabamento e mecânica superiores.

Por 59800 reais, a J6 Diamond custa 1000 reais a mais em relação à versão de cinco lugares. Vem de série com ar-condicionado digital, sistema de som, rodas de liga de 16 polegadas, freios ABS, airbag duplo e sensor de estacionamento.

As duas fileiras de trás podem ser rebatidas e até removidas da minivan chinesa. Para destravar os assentos do sistema modular, basta puxar tiras de náilon.

Apenas quem tem até 1,65 metro viaja sem se apertar nos bancos do fundão. Outro pênalti é que os alto-falantes traseiros ficam a um palmo dos ouvidos desses ocupantes. De qualquer forma, nem o motorista está livre de incômodos, uma vez que falta suporte lateral para o corpo nos assentos dianteiros.

Com os sete lugares armados, sobram 120 litros no bagageiro, a menor marca do dossiê, suficiente apenas para uma mala pequena de levar no avião. O volume é expansível a 2200 litros com os bancos fora do veículo, mas o assoalho não é plano. O motor é um 2.0 16V de 136 cv acoplado a uma caixa manual de cinco velocidades: pode ser discreto no desempenho, mas é efusivo no ruído interno.

 

Acabamento interno é superior ao J3 | Bancos traseiros são removíveis.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



CHEVROLET ZAFIRA
Disponível em 4 configurações, passa de R$ 70000.
R$ 60891



A longeva Zafira é a mesma desde que foi lançada no Brasil, em 2001. Recebeu dois ou três retoques no visual, mas está desatualizada e o interior não disfarça a idade. Em dez anos, a melhoria mais significativa foi uma injeção de ânimo no motor, que teve a potência elevada de 128 para 140 cv. Dá conta de impulsionar a minivan, mas cobra caro por isso. O quatro-cilindros 2.0 faz 6,3 km/l dentro da cidade, menos que o 2.7 V6 do Journey. Na estrada, marcou 8,5 km/l.

O sistema Flex7 é prático e continua entre as melhores soluções modulares das minivans. Ganha pontos pela facilidade de acesso ao fundão e, principalmente, por ser a opção que oferece mais espaço aos que viajam lá atrás. Ninguém precisa se espremer e o assento do fundo oferece conforto superior ao dos rivais. Além disso, com os sete bancos levantados, sobra espaço para duas malas pequenas.

Das quatro versões disponíveis, a melhor escolha é a Expression, com preço sugerido de 65280 reais, valor que inclui a transmissão automática. Mas vale uma ressalva: vem sem freios ABS e as rodas são de aço. O antitravamento exige a migração para a Zafira Elegance, por 70583 reais.

A minivan da GM está com os dias contados. Um novo produto chegará em 2012 para substituir também a Meriva. Enquanto a aposentadoria não vem, segue na liderança de seu segmento.

  

Interior defasado tira pontos da Zafira, mas os bancos Flex7 são práticos.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



NISSAN GRAND LIVINA
Com câmbio manual. Versão A/T sai por R$ 62290.
R$ 54290

 



É uma das opções de compra mais racionais do mercado. Em junho a montadora reduziu o preço, situando a Grand Livina como a melhor de sua categoria. Tanto é que foi vencedora do Melhor Compra 2011. Não vem nem com os adereços dos aventureiros nem com uma grande oferta de porta-objetos, mas é simples e funcional.

O destaque é o conjunto mecânico. Tem suspensão firme, motor elástico e ótima dirigibilidade. Disponível em duas versões, parte de 54290 reais quando equipada com câmbio manual. Nas fotos você vê a versão 1.8 SL, com preço sugerido de 62290 reais. Vem de série com transmissão automática de quatro marchas, direção elétrica, ar-condicionado digital, freios ABS e chave presencial - basta tê-la no bolso para destrancar o carro e ligar o motor.

O manuseio dos bancos é simples, feito por meio de alças de náilon. Molas embutidas na estrutura reduzem o esforço necessário para modificar a configuração dos assentos e uma pequena soleira junto às portas traseiras facilita o acesso à terceira fila. Outra vantagem é que, na hora de carregar carga, é possível deixar o assoalho praticamente plano.

A garantia é de três anos. Kia e JAC Motors oferecem cinco e seis anos, respectivamente. Lançada em 2009, a Grand Livina deixou nítida a desatualização da Zafira, mas não abalou a liderança da rival.

  

Faltam mimos, mas sobra praticidade | Bancos modulares são fáceis de operar.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



CRITROËN GRAND C4 PICASSO

Mais completa de todas, destaca-se pela tecnologia.
R$ 91990

 



Nenhum outro familiar traz tanto requinte tecnológico por 91990 reais. Não é pouco, mas a minivan vem recheada de mimos e itens de segurança. Tem ar-condicionado digital com saídas para os bancos traseiros, direção elétrica, sete airbags, freios ABS com controle de estabilidade e transmissão automática.

Na linha 2011, recebeu novas rodas de liga de 17 polegadas e lentes transparentes nas lanternas traseiras. O volante multifuncional com centro fixo já não é novidade, mas ainda impressiona. Faz parte de um pacote de soluções hi-tech que a concorrência não tem, como o quadro de instrumentos de LCD no centro do painel.

É a única que tem alavanca de câmbio na coluna de direção, posição que libera espaço entre os bancos dianteiros e permite um compartimento refrigerado no local. Os botões que controlam o ar-condicionado foram parar nas laterais. Aliás, o sistema de quatro zonas garante quatro ajustes distintos de temperatura e velocidade do ar.

A Citroën acertou na escolha de assentos, os melhores do dossiê. A segunda fileira pode ser configurada individualmente e há cintos de três pontos para o passageiro do meio. O teto de vidro e o para-brisa panorâmico completam o pacote de mimos.

O motor 2.0 16V de 143 cv precisa de 14,7 segundos para atingir 100 km/h. O consumo também não desaponta: 8,6 km/l na cidade e 12,3 km/l na estrada.

  

Painel da C4 é o mais completo das oito | Fileira de trás comporta apenas crianças.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



FIAT DOBLÒ
Valor da Essence 1.8 16V. Adventure só tem 6 assentos.
R$ 59850

 



O Doblò é o estranho no ninho deste dossiê. O formato de caixote e as portas corrediças o aproximam de um utilitário, mas é o campeão de versatilidade por causa desses traços. Por se abrirem lateralmente, as grandes portas garantem fácil acesso ao interior, sobretudo em garagens apertadas.

A reforma visual de 2010 melhorou sua aparência, mas sem alterar as formas. Já dá para chamar de bonito? Talvez sim, mas design continua não sendo seu forte. Com 4,25 metros de comprimento, leva vantagem no trânsito urbano. No entanto, é preciso se acostumar com a posição vertical de dirigir, como uma van de trabalho. Não chega a ser desconfortável, mas nessequesito é o modelo que mais se afasta de um carro convencional.

Nas versões Essence e Adventure, o sexto assento vem de série. Apenas a Essence pode receber o sétimo lugar, vendido como opcional por 927 reais. O preço do carro parte de 59850 reais, mas não inclui airbags duplos e freios antitravamento, que somam mais 2617 reais.

O porta-malas tem 665 litros com os bancos na posição normal. Pode não destacá- lo em relação aos outros sete modelos, mas leva vantagem na altura da carroceria, com 1,83 metro. É ótimo para o transporte de cargas e leva com conforto sete passageiros. Os bancos são fáceis de operar, mas as ferragens à mostra prejudicam o visual.

  

Posição de dirigir é muito vertical | Portas corrediças são as mais versáteis.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



KIA CARENS
Única opção coreana, fez bonito frente às rivais.
R$ 69400

 



Ela tem visual de minivan, espaço de minivan, alavanca de câmbio elevada de minivan e... Bem, é uma minivan. Mas atrás do volante você esquece que está dirigindo um familiar. A Carens nem é tão grande, tem 4,55 metros de comprimento e 1,65 metro de altura. Oferece posição de dirigir próxima à de um sedã, câmbio sequencial de quatro marchas, uma suspensão firme e direção rápida e obediente aos comandos do motorista.

A Carens se destaca pelo motor, um 2.0 16V de 149 cv. Dá respostas imediatas ao acelerador e mostra-se suficiente para puxar os 1597 kg da minivan. Nesse item, rivaliza com a Grand Livina, cuja mecânica também merece elogios.

Por dentro, é o melhor exemplo de como o design não precisa se sobrepor à função. Os comandos do rádio e do ar-condicionado estão posicionados de forma clara e bem ao alcance das mãos. O sistema modular dos bancos é simples de usar, mas o assento da segunda fileira poderia ser bipartido. Há saídas de ar para a traseira e cintos de três pontos nos assentos do fundo. Aliás, o espaço disponível para as pernas de quem vai atrás se mostra adequado para quem tem até 1,65 metro.

O preço sugerido de 69400 reais está salgado em comparação ao das concorrentes, o que reduz a competitividade do carro. Apesar de veterana (está entre nós desde 2001), ainda é pouco conhecida.

  

Painel da Carens é o mais elegante | Espaço na última fileira é destaque.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



FIAT FREEMONT
Preço da versão Precision. Emotion tem 5 lugares.
R$ 86000

 



O primeiro filho do casamento de Fiat e Chrysler nasceu no México, mas já obteve o visto brasileiro. Produzido em Toluca, entra no Brasil sem pagar imposto de importação e tem preços menores que o gêmeo Dodge Journey, a partir de 86000 reais. Embora a Fiat o chame de utilitário esportivo, ele é um crossover legítimo, cujo mérito é aliar a boa dirigibilidade das peruas ao espaço das minivans. A suspensão mais firme é herança da família italiana, bem como a jovialidade do novo painel. Mas o rebento não perdeu conforto, comodidade ou itens de segurança, traços indispensáveis em modelos com sangue americano.

Assim como no Journey, as duas fileiras de trás podem ser totalmente rebatidas, bem como o encosto do banco dianteiro, formando uma área quase plana capaz de abrigar até pranchas de surfe. A segunda fileira de bancos conta com um booster integrado, permitindo que o assento seja elevado em 10 cm, o que dispensa o uso de cadeirinhas para crianças de 4 a 8 anos.

Para incrementar o visual, o Freemont ganhou leds nas lanternas traseiras e parachoques proeminentes. Parte da redução do preço em relação ao irmão americano foi conseguida com o uso do motor 2.4 de quatro cilindros, acoplado a uma transmissão de quatro velocidades. A nova mecânica amansou o desempenho original, mas deixou o Freemont mais competitivo: consome e custa menos que o irmão mais velho.

  

Fiat tirou a caretice do painel original e manteve a praticidade dos bancos.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.



DODGE JOURNEY

Está prestes a receber uma atualização.
R$ 99900

 



O crossover Journey é um familiar tipicamente americano. Isso significa que traz na bagagem tudo o que isso tem de bom e de nem tanto: suspensão macia, pedal de freio "borrachudo", motor forte, transmissão com engates suaves e um sem-fim de porta-trecos.

O porta-luvas é refrigerado e comporta duas latas de 350 ml. No total são 13 nichos para guardar objetos. Alguns estão camuflados, como o compartimento abaixo do banco frontal direito. Outro está escondido no assoalho e é possível acomodar até garrafas nos bolsões das portas.

É um dos maiores deste dossiê, com 4,88 metros de comprimento. E nem por isso é ruim para manobrar. A versão SXT vem de série com câmera traseira que ajuda a poupar o para-choque em vagas apertadas. É também um dos mais equipados. Tem saídas de ar no teto, seis airbags, controle de estabilidade e sensor de pressão dos pneus.

Ao volante, o motor 2.7 V6 mostra bom fôlego nas ultrapassagens, mas está longe de garantir desempenho esportivo. O câmbio de seis marchas com opção de engates sequenciais se destaca por manter a rotação sempre baixa, favorecendo a maciez de rodagem e o silêncio no interior.

Antes de pagar 99900 reais por um Journey, considere a economia de 13900 reais ao ficar com o Freemont. O Fiat tem motor 2.4 e câmbio inferior, mas bebe menos (7,3 contra 6,9 km/l, na cidade).

  

Painel quadradão será substituido | Facilidade de acesso é destaque.

>> Veja a Ficha Técnica e o desempenho do carro.

 


FAMILIARES COM 7 LUGARES - ACIMA DE R$ 1000 000

 

 

 





» FOTOS


Publicidade