Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Impressoes ao dirigir
Audi RS4 Avant
Outubro 2006

Audi RS4 Avant

O médio e o monstro: À primeira vista a RS4 parece uma tranqüila perua A4, a menor da família Audi. Mas tente provocar o acelerador para vê-la se transformar numa besta-fera de 420 cavalos

Por Fernando Valeika de Barros, de Ingolstadt, Alemanha
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

A RS4 Avant é a mais dissimulada das peruas. Com jeito de quem nasceu para servir a família, ela esconde um temperamento para lá de explosivo. Alguns detalhes traem o disfarce, como o escapamento duplo e as rodas mais vistosas. Eu descobriria mais tarde que, como o personagem do livro O Médico e o Monstro, por trás da aparência de carro inofensivo havia uma alma endiabrada. Equipada com um motor V8 de impiedosos 420 cavalos de potência, estava na minha frente a versão mais intimidante de um automóvel feito para levar mulher, filhos, cachorro e toda a bagagem - desde que caiba no porta-malas de 442 litros com o banco na posição normal ou 1.354 litros, rebatido.

Estacionada perto do Audi Forum, o misto de museu e show room high tech na sede em Ingolstadt (Alemanha), a RS4 que estava à minha espera era um legítimo representante de um clã dos Audi conhecidos pela esportividade. Lançada em 1999, esta série compõe-se de um sedã, um conversível e uma perua, que acaba de ser lançada no mercado europeu e que estará no Salão do Automóvel, ainda sem preço definido no Brasil. Na Europa, este modelo é vendido por cerca de 71.500 euros (196.000 reais).

No caso da minha RS4 prata, esse gostinho esportivo começava na entrada, ao ver os reluzentes pedais de alumínio polido. Uma corrida de olhos pelo interior revelava mais toques de um automóvel com caráter radical. Lado a lado no painel, conta-giros e velocímetro apontam para rotação de até 9 000 rpm e velocidade de 310 km/h. Entre os dois há até um cronômetro.

O console e o painel da perua RS mesclam materiais nobres como couro, alumínio e carbono. Os bancos são revestidos de tecido preto e o volante, forrado de couro, foi especialmente desenhado para oferecer a melhor pegada. Outro diferencial é a forma achatada na parte inferior, como se vê nos volantes dos F-1.Acionando-se um botão no console, os bancos de desenho esportivo podem inflar-se, apertando o corpo do motorista, garantindo- lhe mais apoio nas laterais do encosto. Eles são reguláveis eletricamente em altura, distância e ângulo.

Agora vem a tão esperada hora. Para despertar essa fera, não basta girar a chave na ignição. Como nos modelos de competição, seu motor é acordado por um botão no centro do console, e saúda aquele que o libertou do sono com um urro. Pátria das Autobahnen, as mitológicas auto-estradas sem limite de velocidade, Alemanha é o melhor lugar do mundo para quem gosta de acelerar uma perua como essa. Mas minha primeira missão a bordo da RS4 foi verificar como ela se saía nas pequenas estradas sinuosas da região de Ingolstadt.

Tração permanente

Assim que entrei numa delas, apertei um outro botão no console o Sport e dei à perua uma injeção de adrenalina. Esse recurso deixa a suspensão mais rígida e reforça o ronco do motor, tornado- o mais vivo e intenso. Com tração permanente nas quatro rodas (40% do torque na frente e 60% atrás), carroceria rebaixada em 3 centímetros e dispositivos eletrônicos que corrigem a trajetória em caso de derrapagens, dirigir nos trechos mais curvos da estrada foi um passeio. Equipado com um sistema de amortecimento variável, o DRC (Controle Dinâmico de Dirigibilidade, em inglês), a RS4 mostrou excelente estabilidade mesmo em curvas fechadas. Os engates do câmbio, manual, com seis marchas, são curtos e ágeis. Em baixa rotação o motor se mantém estável, suave, sem trancos.Até que eu piso no acelerador e sinto o motor responder na hora, solícito como um mordomo inglês. Em estrada reta, era só levar o pedal até o fundo para despertar um furacão.

Tamanho exagero de potência vem do V8 de 4.163 cm3 com injeção direta de combustível que equipa a perua, o sedã e o conversível da série RS. Esse motor nasceu nas pistas, onde a Audi mantém um programa de competição em corridas de longa duração como as 24 Horas de Le Mans, na qual a marca é tetracampeã. Mesmo tendo de empurrar um automóvel com 1 710 quilos, tem uma ótima relação peso/potência: 4,07 kg/cv. Igual a um Porsche 911 Carrera S, que tem exatos 4 kg/cv.

Segundo a fábrica, a perua crava 4,8 segundos no 0 a 100 km/h e chega a 200 km/h em 16,9 segundos. Foi exatamente nessa velocidade que em pouco tempo eu rodava pela Autobahn na direção de Ingolstadt.Aproveito um trecho livre e acelero mais, chegando quase a 250 km/h, a máxima da RS4 - e ela só não é mais rápida porque há um limitador eletrônico.Além dos dispositivos eletrônicos que zelaram pela estabilidade, outro ponto alto foi a direção firme, com assistência elétrica. Seja nas estradas sinuosas, seja em alta velocidade, mostraram-se sempre eficientes os freios a disco de carbono de 365 milímetros na frente e 324 atrás.

Como é de se esperar, economia não é o forte desse V8. Segundo a Audi, na cidade ela engole 1 litro de gasolina a cada 4,8 quilômetros. Mas consegue melhorar na estrada: 10 km/l. Equipada com sensores nos pára-choques, a RS4 minimiza outro problema das peruas: a dificuldade para estacionar.Afinal, apesar do seu temperamento brutal, ideal para as Autobahnen, esta perua também tem civilidade para viver nas cidades.


RS4 AVANT - 71.500 euros

Preço na Alemanha para a perua. O sedã é um pouco mais barato - 69.900 euros. Todos na opção única com motor V8.


ORIGEM

A RS4 é filha direta da RS2,de 1994. Baseada na Audi 80 Avant,era preparada em parceria com a Porsche. Do total de 3.000 carros feitos, 60 vieram para o Brasil. O curioso é que essas peruas por aqui às vezes eram registradas como modelos Audi, outras como Audi-Porsche, o que deixava o IPVA mais caro.


Ficha técnica

Motor: dianteiro, longitudinal, V8, 32 válvulas, gasolina, injeção direta
Cilindrada: 4 163 cm3
Diâmetro x curso: 84,5 x 92,8 mm
Taxa de compressão: 12,5:1
Potência: 420 cv a 7 800 rpm
Potência específica: 100,8 cv/l
Torque: 43,8 mkgf a 5500 rpm
Câmbio: manual, 6 marchas, tração nas 4 rodas
Carroceria: perua, 5 portas, 5 lugares
Dimensões: comprimento, 456 cm; largura, 181 cm; altura, 141 cm; entreeixos, 265 cm; peso: 1 710 kg
Peso/potência: 4,07 kg/cv
Peso/torque: 39 kg/mkgf
Volumes: porta-malas, 442 litros; combustível, 63 litros
Suspensão: Dianteira: independente, com 4 braços, barra estabilizadora, molas helicoidais e amortecedores monotubo. Traseira: trapezoidal, barra estabilizadora
Freios: discos nas 4 rodas, com ABS e EBD
Direção: pinhão e cremalheira, com assistência elétrica
Rodas e pneus: liga leve; 255/40 R18
Principais equipamentos de série: ar-condicionado digital, rádio com CD player, sensores de estacionamento, cronômetro, regulador de velocidade, airbags, ABS, EBD, DRC
Preço: 71 500 euros na Europa

Veredicto
Ideal para os pais de família que não querem chamar muita atenção ao pegar os filhos na escola mas querem ser o centro do mundo ao acelerar na estrada.





» FOTOS


Publicidade