Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Impressoes ao dirigir
Fiat Strada Adventure 1.8 Flex
Junho 2004

Fiat Strada Adventure 1.8 Flex

Strada de chão: menos agressiva por fora, a strada adventure entra na terceira geração do Palio

Por Marcelo Moura / fotos: Eugênio Sávio
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Enquanto fazíamos fotos na beira da estrada, uma picape Strada cabine estendida, de primeira geração, passou acelerada. Andou mais uns metros, deu ré e parou no meio da pista. Um ônibus passou perto. Uma lona amarela cobria a bagagem, mas, pela suspensão traseira arriada, dava para ver que o carro não tinha vida fácil. Sua aparência, contudo, não mostrava sinais de cansaço - estava em ótima forma. A motorista não disse o nome nem de onde vinha, mas pelo sotaque era mineira. "Bonita essa, hein?", apontou para nossa Strada Adventure verde. "Quanto custa?" O engenheiro da Fiat que nos acompanhava, Carlos Henrique Ferreira, respondeu: "Ainda não fechamos o preço, mas não muda muita coisa. Deve ficar entre 24500 reais pela Fire 1.3, que mantém o acabamento atual, e 33000, pela Adventure. E estamos lançando a versão intermediária Trekking, no lugar da antiga Working". A moça olhou para o carro mais uma vez e pediu: "O senhor me dá o cartão da sua concessionária?" O engenheiro da Fiat abriu um sorriso de missão cumprida. Era a primeira vez que a picape rodava sem disfarces e já despertava interesse de quem tem uma. Será suficiente? Desde que virou líder de vendas, em 2000, a missão da Strada é manter o eleitorado. Agora, pela primeira vez, a picape da Fiat enfrenta uma ameaça real, a Montana. A briga anda animada, num perde-e-ganha mês a mês.

A Strada entrou na terceira geração da família Palio, com faróis redondos e cabine caprichada. Fora isso, a versão Adventure mudou pouca coisa. Ficou mais parecida com o resto da linha, até. Perdeu o quebra-mato, que era agressivo aos pedestres, e com ele foram embora os faróis de milha. Para compensar, há quatro faróis auxiliares no pára-choque, que agora é pintado - idéia estranha para um carro que se propõe a entrar no matagal. As novas luzes ficaram bonitas, mas não iluminam a mesma coisa. Os puxadores das portas perderam a inscrição "Adventure". Algumas novidades dessa nova geração vieram na caçamba. O escudo redondo da Fiat está no centro da tampa, do tamanho de um CD, escondendo a maçaneta. No projeto original, o logotipo ficaria abaixo da maçaneta, mas segundo a Fiat o resultado ficou muito parecido com o da Saveiro. O mecanismo é igual ao usado nos últimos Seat vendidos aqui: você empurra o alto do logotipo com o dedão e puxa ele para cima com os outros dedos. Graças a um novo mecanismo de travamento, a porta abre com suavidade. Mas será que o escudo de acrílico transparente e plástico cromado resiste ao uso? Segundo a fábrica, o escudo da grade tem o mesmo material e resiste ao atrito com poeira e pedriscos.

Avaliamos a picape numa trilha de terra batida, onde eu nunca entraria a 50 km/h com o meu hatch. Na Strada, o único incômodo é o barulho das pedras maltratando a lataria do pára-lama (a pintura ali é reforçada, mas uma forração de plástico não faria mal). Vazia, a picape sobe, desce, mas a suspensão (a mesma de antes) jamais encontra o batente. E não mostra sinal de descontrole nas curvas. Qualquer escapada de traseira é resolvida sem dificuldade, porque as rodas dianteiras logo mostram que são elas que mandam no carro. O motor 1.8 agora é bicombustível e a mudança na injeção eletrônica fez a potência subir de 103 para 106 cavalos, com gasolina, e 110, com álcool. Ele faz da Strada um carro sempre vigoroso, rico em torque em baixa rotação. Em terceira marcha, basta levantar o pé do acelerador e afundar de novo, que a picape retoma a força com progressividade. O ar-condicionado gela bem, na manhã de 23 graus. E a falta de vestígios de poeira nos bancos fala a favor da boa vedação. A cabine ganhou linhas retas, plásticos firmes e encaixes mais precisos. Como de praxe nos modelos Adventure, o grafismo do painel é amarelo. O computador de bordo é de série, mas boa parte dos luxos presentes no carro das fotos é opcional. Ar-condicionado, rodas de liga leve, CD player e cobertura de caçamba, por exemplo. Daí minha sugestão para o comprador olhar com carinho para a versão intermediária Trekking.

O nome Trekking é novidade, mas tem passado. Com esse nome, em 1995, a Fiorino inaugurou a receita de suspensão elevada com pneu lameiro que deu origem à linha Adventure. A Trekking toma o lugar da versão Working, o que faz todo o sentido. O novo nome atrai o comprador que quer um carro para o lazer e não afasta o público frotista. É um negócio interessante, porque as grandes qualidades da Adventure estão ali e o preço deve ficar 3000 reais abaixo. Para começar, o motor 1.8 Flex é igual. A cabine não tem os apliques prateados (alguns vão achar até vantagem), os pára-choques são pretos (mais resistentes) e existe a opção entre cabine estendida e simples, com mais espaço na caçamba. A rigor, o comprador perde os pneus mistos, computador de bordo, conta-giros, estribo e faróis auxiliares.

E quem procura preço vai encontrar a Strada Fire, que manteve o figurino antigo e nem foi convidada para o lançamento. Ela continua bebendo gasolina, apenas, apesar de já existir opção bicombustível para o motor 1.3 na linha Palio. A Fiat diz que foi para não encarecer o carro. "Os utilitários pagam o mesmo IPI, com ou sem o Flex, e no fim das contas a picape sairia 1000 reais mais cara", afirma Carlos Henrique. Pode ser, mas num carro para frotistas a possibilidade de andar com álcool, que é mais barato, parece interessante.

Ficha técnica

Motor
Dianteiro, transversal, 4 cilindros, 8 válvulas
Cilindrada: 1796 cm3
Diâmetro x curso: 80,5 x 88,2 mm
Taxa de compressão: 10,5:1
Potência: 106 cv (G) e 110 cv (A) a 5500 rpm
Torque: 17,5 mkgf (G) e 18,4 mkgf (A) a 3000 rpm

Câmbio
Manual de 5 marchas, tração dianteira;
I - 3,91; II - 2,24; III - 1,52; IV - 1,16; V - 0,87; Ré 3,91;
Diferencial - 3,73

Carroceria
Picape, cabine estendida, 2 lugares
Dimensões:
Comprimento, 444 cm; largura, 166 cm; altura, 156 cm; entre-eixos, 272 cm Off-road: ângulo de ataque, 21o; ângulo de saída, 29o; vão livre, 17 cm; capacidade de rampa, 34%; inclinação máxima, n/d; capacidade de submersão, 45 cm
Peso: 1130 kg
Peso/potência: 10,7 kg/cv (G) e 10,3 kg/cv (A);
Peso/torque: 64,6 kg/mkgf (G) e 61,4 kg/mkgf (A)
Volumes:
Capacidade de carga, 800 l; tanque de combustível, 58 l

Suspensão
Amortecedores hidráulicos
Dianteira: Independente, tipo McPherson, molas helicoidais
Traseira: Dependente, tipo eixo rígido, molas parabólicas

Freios
Disco ventilado na frente e tambor atrás, ABS (opcional)

Direção
Hidráulica, tipo pinhão e cremalheira

Rodas e pneus
Liga leve, aro 14 (opcional); Pirelli Citynet 175/80 R14

Principais equipamentos de série
Computador de bordo, direção hidráulica, faróis auxiliares, travas elétricas, vidros elétricos

Preço
33000 reais (estimado)





» FOTOS


Publicidade