Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Impressoes ao dirigir
Mercedes-Benz CLS 500
Fevereiro 2005

Mercedes-Benz CLS 500

Gestação relâmpago: o ¿cupê de quatro portas¿, que foi atração no salão do automóvel e já roda no Brasil, é o arauto de novo visual da Mercedes-Benz

Por Paulo Campo Grande | fotos Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Quando a Mercedes-Benz apresenta um protótipo cujo nome inclui a palavra Vision, essa é uma boa pista de que o carro-conceito tem grandes chances de ser produzido em série. Foi assim com o Vision SLR, mostrado em janeiro de 1999 e lançado em dezembro de 2003. Se o carro recebe um código como nome, como F 500, por exemplo, dificilmente ele deixará de ser o que a fábrica chama de research vehicle, ou seja, um carro de pesquisa. No caso do Vision CLS, ficou claro que seria apenas uma questão de tempo para o modelo surgir nas ruas. O que ninguém esperava era que isso ocorresse em menos de um ano. O Vision CLS foi apresentado em outubro de 2003 e estreou em setembro de 2004, na Alemanha. Por aqui, ele foi uma das atrações do Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro, e suas primeiras unidades estão desembarcando no país agora. O carro que você vê nas fotos nos foi emprestado para este teste de impressões ao dirigir pela revenda autorizada paulista Europa Motors.

A maior inovação do Classe CLS, como ele passou a se chamar depois que deixou de ser um protótipo, está em seu conceito, que reúne características de sedã e de cupê. Sua carroceria, por definição, é de sedã, com três volumes e quatro portas. Mas o design, com teto baixo, frente longa e traseira curta, lembra um cupê. O nome CLS vem de C, de cupê, L, de leve (light, em inglês) e S, de sport. A designação pode ser polêmica, mas o conceito fica mais claro quando se dirige o CLS. Apesar de suas dimensões superarem as de um sedã da Classe E, o CLS tem comportamento esportivo, como convém a um cupê. Ele é 9 centímetros mais longo e 24 centímetros mais largo que um Classe E. Em relação ao entreeixos, tem a mesma medida de 285 centímetros.

Se as linhas pouco convencionais - ainda mais em se tratando de um Mercedes - surpreendem, a posição de dirigir e a forma como o motorista se relaciona com o painel e a área a sua volta facilitam a integração. Todos os sistemas parecem ajustados para proporcionar uma experiência interativa com o carro. A direção hidráulica progressiva é leve e tem reações rápidas. A suspensão pneumática Airmatic DC varia a altura da carroceria de acordo com as condições de uso e permite o ajuste da rigidez de amortecimento em três graduações. E os freios inteligentes Sensotronic literalmente trabalham pelo motorista. O sistema eletroidráulico monitora constantemente as condições de rodagem e responde de forma pronta e segura.

O motor 5.0 V8, que equipa a versão CL 500, dispensa apresentações. Ele é o mesmo aplicado a outros modelos da linha Mercedes, da Classe C à M, com pequenas diferenças de ajuste. No CLS, ele está sempre a postos, com seus 306 cavalos de potência a 5600 rpm e 46 mkgf de torque, na faixa de 2700 a 4250 rpm. A energia do V8 é transmitida pelo novo câmbio seqüencial da marca, com sete marchas que aproveitam a força do motor em todos os regimes. Segundo a fábrica, o CLS 500 faz de 0 a 100 km/h em 6,1 segundos e atinge a máxima de 250 km/h, limitada eletronicamente. A versão V8 é a única que a Mercedes está trazendo para o Brasil, pelo menos por enquanto. Na Europa, existe também uma opção 3.5 V6 de 272 cavalos, uma novidade que deverá substituir o atual 3.2 V6 na linha de carros da marca.

O CLS 500 vendido no Brasil é completo. Ele conta com ar-condicionado Thermotronic, que regula a temperatura de forma independente para os quatro quadrantes da cabine, airbags adaptativos, controle eletrônico de estabilidade ESP, faróis de xenônio direcionais e sistema de som de alta-fidelidade da marca Harman/Kardon. Para abrir as portas e dar a partida, basta que a chave esteja no bolso do motorista para que o carro reconheça sua presença. Para abrir a porta só é necessário puxar a maçaneta, e a partida é dada por meio de um botão localizado na alavanca do câmbio. Os bancos da frente são elétricos, com memória para três posições, e contam com sistema de ventilação e aquecimento, além da função massagem, que funciona por meio bolsas de ar infláveis instaladas sob o assento e o encosto. No acabamento, há materiais nobres como couro e carvalho natural.

A cabine do CLS foi desenhada para quatro pessoas, com quatro assentos individuais e console separando os bancos, nas duas fileiras. Essa disposição de conceito moderno contrasta com referências clássicas dos antigos Mercedes, como as cantoneiras das portas e as soleiras cromadas, que se usavavam nos modelos dos anos 50, dos quais veio também a inspiração para o relógio analógico, instalado ao lado esquerdo do velocímetro, como manda a tradição. O recorte de madeira no centro do painel remete aos carros da década de 30, que reuniam todos os seus instrumentos nessa posição. Como os ancestrais 500 K e 540 K, os dois apresentados em 1934.

Assim como o Classe E - que com seus faróis duplos redondos influenciou o estilo de todos os modelos da linha Mercedes (e, algumas vezes, da concorrência), a partir de 1996 -, o CLS deverá orientar os futuros lançamentos da marca. Informações de caçadores de segredos na Alemanha dão conta de carros, ainda em desenvolvimento, que adotam o mesmo visual, com linhas laterais em forma de parábolas, faróis em L e a grade dianteira, que é característica dos Mercedes esportivos. Nada mau para um carro que entrou em linha de montagem 11 meses depois da primeira aparição como protótipo.

Ficha técnica

Motor
Dianteiro, longitudinal, V8, 3 válvulas por cilindro
Cilindrada: 4966 cm3
Diâmetro x curso: 97 x 84 mm
Taxa de compressão: 10,0:1
Potência: 306 cv a 5750 rpm
Torque: 46,9 mkgf a 2700 rpm

Câmbio
Automático seqüencial, 7 marchas, tração traseira

Carroceria
Peso: 1810 kg
Peso/potência: 5,9 kg/cv
Peso/torque: 38,6 kg/mkgf
Volumes: Porta-malas, 495 l; tanque de combustível, 80 l

Suspensão
Independente, do tipo multilink, com amortecimento a ar (Airmatic DC)

Freios
Eletroidráulicos, com discos ventilados nas 4 rodas (Sensotronic), ABS, BAS e ESP

Direção
Hidráulica, do tipo pinhão e cremalheira

Rodas e pneus
Liga leve, aro 18; Continental SportContact 245/40 R18

Principais itens de série
Seis airbags, faróis de xenônio direcionais, painel com acabamento de madeira, bancos de couro, teto solar elétrico, computador de bordo, sistema de abertura e partida Keyless-Go, sensor de chuva, sensor de estacionamento, preparação para telefone celular, sistema Comand com leitor de DVD e sistema de som com disqueteira Harman Kardon

Itens opcionais
Não há

Preço
153000 dólares





» FOTOS


Publicidade