Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Longa duração
Desmonte Vectra
Agosto 2007

Desmonte Vectra

Exibição em praça pública: Depois de posar de coração aberto no QUATRO RODAS Experience, o Vectra revela agora seus pontos fortes e outros nem tanto

Por Marcelo Moura
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O Vectra nunca nos deixou na mão, ao longo de 60 707 quilômetros, e o desmonte mostra que está em ótima forma física (falaremos disso mais adiante). Mas ele nos fez viver momentos indignos de um carro que, em março de 2006, custou 71 511 reais. Um carro que passou a oferecer três anos de garantia (como o então líder de mercado, Corolla), um indicativo de qualidade acima da média. Como o Toyota, o novo Vectra traz duas guarnições de borracha para vedar as portas. Mas elas não foram suficientes para evitar que, aos 1 712 quilômetros, entrasse água na cabine. "Chovia lá fora e começou a pingar no meu braço, pela porta da frente", diz o editor Paulo Campo Grande. "No dia seguinte, fui a um lava-rápido conferir. Pela porta traseira esquerda, entrava tanta água que tive de pedir para desligar a mangueira." Na época, encontramos mais três donos de Vectra com esse problema. Consultada, a Chevrolet disse que se tratava de casos isolados. A análise final de carroceria, feita pelo Cesvi, também acusou entrada de poeira no porta-malas.

Se algo nos incomodou no Vectra, foi o acabamento. Em vários níveis: a concessionária responsável pela entrega do carro não percebeu que a capa de plástico do retrovisor interno e a do externo esquerdo estavam desencaixadas. O volante de couro veio com defeito de fabricação, esfolou e precisou ser trocado. Por ter airbag e não ser uma peça de defeito freqüente, tivemos que procurar a concessionária que o tivesse em estoque. Os pontos de costura do banco começaram a soltar, mas esse problema era discreto perto do que ocorreu com o carpete da cabine. Aos 18 921 quilômetros, ele desencaixou do arremate de plástico que fica na soleira da porta. No vão que se abriu, no lado do motorista, cabiam dois dedos. Não é um problema isolado. No Vectra Elite cedido pela General Motors para o comparativo da edição de julho de 2006, o vão no carpete surgiu no lado do carona. O defeito comum e visível foi ignorado pelas concessionárias até a revisão dos 40 000 quilômetros. A revenda Autus, de Uberlândia (MG), consertou, mas, 10 000 quilômetros depois, o problema reapareceu. No desmonte, entendemos o motivo: para prender o carpete no lugar, a autorizada Chevrolet aparafusou sua ponta no feltro que fica embaixo. Soltou, claro. O parafuso improvisado não tinha como dar certo e ainda poderia arranhar e enferrujar o assoalho.

Grilos demais
Felizmente, atesta o Cesvi, a carroceria terminou o teste sem pontos de ferrugem e com portas e tampas bem alinhadas (o mesmo não se pode dizer do pára-choque dianteiro). A pintura perolizada, porém, teve perda de brilho acentuada nas partes mais expostas ao sol (capô, teto e portamalas). Lembramos que esse carro descansou todo o tempo em garagens cobertas. Mesmo alinhadas, as portas (para sermos mais exatos, as peças dentro delas) faziam barulho ao andarmos em piso irregular. O canto dos grilos também ecoava no farol do lado esquerdo. Um de seus três parafusos estava solto e, além de barulho, fazia a luz do carro tremer. Para eliminar ruídos, o Vectra ganhou novos suporte e molas na suspensão dianteira - aos 7 707 quilômetros - e trocou peças na suspensão traseira, num "recall branco" dado aos primeiros carros lançados.

Mesmo nos contratempos, a vida poderia ter sido mais doce no Vectra. Tivemos quatro pneus furados, e isso é culpa do destino. Mas é impossível fazer rodízio com o estepe, e isso é culpa da Chevrolet. Como na Montana, o Vectra tem roda de ferro e pneu com medida diferente dos demais. Embora atenda à lei e tenha o mesmo diâmetro de rodagem dos outros, é usado apenas provisoriamente. Você será levado a comprar dois pneus quando um rasgar (porque é perigoso usar novo e velho num mesmo eixo) e, quando acabar o prazo de validade, o estepe será jogado fora sem ter sido plenamente aproveitado. A Chevrolet economiza ao comprar o mesmo estepe para vários carros, mas aumenta as chances de trazer prejuízo ao cliente e à natureza.

Mas prejuízo ao cliente, mesmo, quem trouxe foi a rede autorizada. Para a revisão de 50 000 quilômetros, levamos o carro às concessionárias Aba (Granja Viana, SP), Anhembi Butantã (São Paulo) e Irmãos Luchini (Jundiaí, SP). O que precisava trocar, na opi nião de uma, estava bom, aos olhos da outra. Os orçamentos variaram mais de 100%: 1 132 reais, 1 278 reais e 2 403 reais. Se você não puder peregrinar atrás de diagnósticos, pelo menos pegue uma ordem de serviço e procure o preço em outras lojas, para negociar. O litro de óleo que custava 5 reais na Anhembi saía por 22,80 na Irmãos Luchini.

A Carrera (São Paulo) queria fazer limpeza de bicos injetores e descarbonização do motor na revisão de... 10 000 quilômetros. "É desperdício de dinheiro. Nem deu para sujar os bicos, quanto mais o motor", disse José Ciconi, da oficina paulistana San Marino. A Bosch, fabricante dos bicos, não recomenda a limpeza e o manual do proprietário do Vectra não sugere esses serviços - nem a higienização de ar-condicionado, outro serviço que entra nos orçamentos como se fosse obrigatório, sem ser. Mas não adianta. "O manual não recomenda, não está escrito, mas é primordial. Tem coisas importantes que não estão no manual", ouvimos do consultor técnico da Anhembi Butantã (São Paulo). Não é verdade. Recuse.

Saúde invejável
Nosso motor chegou ao desmonte praticamente sem carbonização, a ponto de chamar a atenção de engenheiros de fábricas concorrentes que viram o carro desmontado num estande do Quatro Rodas Experience. "As câmaras de combustão estão como novas", disse Fábio Fukuda, da Fukuda Motorcenter, responsável pelo desmonte. "O comando de válvulas, que na Chevrolet Montana teve desgaste precoce, aqui está inteiro." Nem folga axial no virabrequim, que seria comum encontrar, o Vectra apresentou. "O câmbio automático e o fato de ter usado álcool a maior parte do tempo certamente ajudaram", diz Fukuda. O primeiro, por garantir ao motor um regime de funcionamento mais constante, e o segundo, por deixar menos resíduos na queima.

A suspensão foi aprovada por Fábio Fukuda e Eduardo Fernandes, técnico do Cesvi. "Comparado à Zafira, que tem quase o mesmo chassi [e que desmontamos em 2002], o Vectra chegou ao fim do teste muito mais inteiro", diz Fukuda. Apenas uma bucha estava começando a rasgar, e ainda demoraria a chamar atenção. Fukuda também gostou da construção racional do carro: "Desmontar certas partes, como o painel, foi bem mais fácil do que esperava". Para Fukuda e Fernandes, o desmonte do Vectra foi uma boa surpresa: mostrou-se um carro resistente na mecânica e na estrutura. Mas sobre o acabamento, algo tão importante num sedã de luxo, o Vectra não vai deixar saudade. Esperávamos mais dele.


VEXAMES NO ACABAMENTO


RUGAS DE PREOCUPAÇÃO
Com o suor das mãos, o verniz do couro enrugou, formou bolhas e descolou. Tivemos de trocar o volante aos 43 892 quilômetros. O novo não deu problema.


VARRERAM O PROBLEMA
O carpete saiu da soleira da porta e foi ignorado nas revisões de 20 000 e 30 000 quilômetros. Aos 40 000, a solução tosca: aparafusaram no feltro. Claro que voltou a escapar.


QUEDA-D'ÁGUA
Aos 1 700 quilômetros, as portas do lado esquerdo deixavam água entrar. Na chuva, alguns pingos. No lava-rápido, uma torrente. A goteira desapareceu na revisão.


ALEGRIAS NA PARTE MECÂNICA


CILINDROS
Riscos diagonais de brunimento, úteis no escoamento do óleo, estão intactos - ruim seria o cilindro tinindo, polido pelo atrito com os pistões. A ovalização foi de 0,01 mm nos quatro cilindros, quando o limite é 0,127.


PISTÃO
A área de contato com o cilindro, limpa e sem brilhar, mostra não haver falha de lubrificação ou superaquecimento. A cabeça está preta, mas sem depósitos de fuligem (muito bom), e os anéis não perderam eficiência.


COMANDO DE VÁLVULAS
Os cames (ressaltos) tiveram desgaste prematuro na Montana, mas estão intactos no Vectra. Ele tem dois por cilindro: o da direita rege a válvula de escape e o da esquerda, a de admissão.


BLOCO DO MOTOR
Os selos sem ferrugem são sinal de manutenção bem feita (cuidaram bem do aditivo da água do radiador). A inscrição vertical, à direita no bloco de ferro, é o "número do motor".


VÁLVULAS
Válvulas de escape (esq.) claras, sinal de queima limpa. A fuligem nas de admissão (de baixo para cima, as duas primeiras) é pouca e sairia com o uso. Na terceira, a marca irregular mostra leve falha de vedação.


VIRABREQUIM
Sem desgaste. Num carro manual, o eixo seria pressionado pelo platô de embreagem, criando folga axial. No nosso Vectra automático, a folga (0,09 mm) foi digna de motor zero-quilômetro.


CHECK-UP


PRÓS
O Vectra nunca nos deixou parados na beira do caminho e continuaria bem comportado por dezenas de milhares de quilômetros. Certas especificações, como a folga axial do virabrequim, estão dentro da margem que a fábrica adota para motores zero-quilômetro. O espaço interno generoso fez dele o favorito para viagens e casamentos.

CONTRAS
Entrou água na cabine e poeira no porta-malas, pontos de costura no banco soltaram-se, o volante de couro descascou, o carpete desencaixou da soleira - e, para ficar no lugar, foi aparafusado ao feltro que fica embaixo. Uma lista de defeitos (exceto pelo carpete, solucionados a contento) digna de carro dos anos 70.


VIAGENS


FOLHA CORRIDA

Preço de compra
R$ 71 511,00 (abril 2006)
Proposta de venda
R$ 48 000,00 (junho 2007)
Quilometragem total
60 707 km
Consumo total
2 885 litros (álcool) e 4 302 litros (gasolina)
Consumo médio
7,4 km/l (álcool) e 9,1 km/l (gasolina)
Combustível
Gasolina - 10 298,70 reais (R$ 261,99/1 000 km)
Álcool - 3 892,40 reais (R$ 181,90/1 000 km)
Revisões
10 000 km: 105,11 reais (Carrera)
20 000 km: 642,42 reais (Itacolomy)
30 000 km: 868 reais (Aba)
40 000 km: 650 reais (Autus)
50 000 km: 896 reais (Anhembi)
Mais números
32 motoristas
42 464 km em estradas
18 243 km em trecho urbano


HISTÓRICO

1 712 km: Infiltração de água
3 551 km: Parafuso de plástico que trava o estepe quebra
3 954 a 22 631 km: Pedal de freio baixo
18 921 a 42 020 km: Carpete escapando da soleira da porta
27 836 km: Ronco na direção hidráulica
34 497 km: Ruído no câmbio ao engatar a ré com o ar ligado
35 551 a 43 892 km: Rugas no volante
42 005 a 43 908 km: Suspensão dianteira rangendo
49 256 km: Ruído num rolamento de roda dianteiro
49 256 km: Ruído no acabamento do volante
49 256 km: Guarnição da porta traseira esquerda soltando
49 256 km: Suspensão dianteira rangendo
49 256 km: Ar-condicionado do porta-luvas não funciona
49 256 km: Ruído no freio
51 002 km: Carpete volta a escapar da soleira da porta
51 815 km: Porta esquerda e banco do motorista rangendo
58 468 a 58 522 km: Pane no ar-condicionado


RETRATOS DA VIDA

Perder um pneu pode levar a comprar dois - pois o estepe de ferro, com pneu de aro diferente, não entra no rodízio. No mercado de usados, só ofereceram 48 000 reais - culparam a quilometragem e chegada do Expression, mais barato. Mas o conforto fez a alegria das viajantes.


Ficha técnica

Motor: dianteiro, transversal, 4 cilindros, 8V, gasolina, injeção seqüencial multiponto
Cilindrada: 1 998 cm3
Diâmetro x curso: 86 x 86 mm
Taxa de compressão: 11,3:1
Potência: 121/127,6 a 5 200 rpm (G/A)
Potência específi ca: 60,5/63,8 cv/l (G/A)
Torque: 18 mkgf a 2 600 rpm /20 mkgf a 2 400 rpm (G/A)
Câmbio: automático, tração dianteira
Carroceria: sedã, 4 portas, 5 lugares
Dimensões: comprimento, 462 cm; largura, 173 cm; altura, 146 cm; entreeixos, 270 cm
Peso: 1 275 kg
Peso/potência: 10,5/10 kg/cv (G/A)
Peso/torque: 69,7/65,1 kg/mkgf (G/A)
Volumes: porta-malas, 526 l; combustível, 52 l
Suspensão dianteira: tipo McPherson
Suspensão traseira: semiindependente
Freios: disco na dianteira, tambor na traseira, com ABS
Direção: pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica
Pneus: 205/55 R16
Principais equipamentos: freios ABS, airbag duplo, alarme, computador de bordo, piloto automático, faróis de neblina, rodas de liga leve

VEREDICTO
Comprado cinco meses após o lançamento, nosso Vectra sofreu os males de pertencer à primeira safra de um produto novo. Desde então, a Chevrolet fez mudanças no projeto e a rede corrigiu os defeitos (menos o "furo" no carpete). Parabéns. Mas era melhor não ter falhas, como ocorre com outros carros que compramos na primeira fornada. A parte mecânica foi muito bem, em parte por mérito da rede autorizada. Mas as revisões foram caras - e só não foi pior porque cruzamos orçamentos e fugimos de muita empurroterapia. Podia ser melhor, mas foi aprovado.





Publicidade