Hatches compactos
Maior sucesso de público, a categoria de acesso nunca esteve tão disputada. Mas qual o melhor hatch compacto em campo?
Por Paulo Campo Grande | fotos: Marco de Bari | 20/12/2012
Confira a galeria de fotos
TEXTO  

O mercado de automóveis no Brasil anda mais competitivo que o campeonato nacional de futebol. Só no segmento de hatches compactos, do jurássico Fiat Mille ao moderno Hyundai HB20, incluindo os importados chineses e mexicanos, o número de ofertas chega a 23 - a mesma soma de modelos à venda em todo o mercado no início dos anos 90, quando havia apenas quatro marcas e o mercado era fechado aos importados, de acordo com um estudo da PUC-RJ.

O segmento mais importante do país cresceu, diversificou-se e agora tem subdivisões. Há os hatches de entrada, como Ford Ka e Fiat Uno, e os premium, como Citroën C3 e Chevrolet Sonic. Neste comparativo, reunimos modelos da faixa intermediária, onde estão os carros mais vendidos e os principais lançamentos. Nosso objetivo era ter um exemplar de cada uma das 11 marcas que disputam a preferência do consumidor, mas avaliamos apenas oito representantes porque três fábricas não dispunham dos carros no prazo que nós necessitávamos. Ficaram de fora Chery S18 1.3 16V, Ford Fiesta 1.0 e Renault Sandero 1.0 Authentique.

Alinhamos as versões mais simples (equipadas com motores 1.0 ou imediatamente maiores). Embora as unidades mostradas nas fotos sejam, na maioria dos casos, completas, para efeito de comparação consideramos o preço e o conteúdo das versões básicas sem opcionais, e em um segundo momento, das equipadas com pacotes que incluem pintura metálica, direção assistida, ar-condicionado, airbags e ABS, na tentativa de nivelar o conteúdo das versões.



8° Peugeot 207 1.4 XR

Quando a Peugeot apresentou o 207 nacional como um projeto derivado do 206, enquanto os europeus recebiam o 201 novo, houve protestos, mas a fábrica alegou que a substituição do 206 pelo 207 europeu, via importação ou produção local, seria inviável, uma vez que o carro chegaria com preço alto. Na época (em 2008), falava-se em algo em torno de 65 000 reais, quando o valor estimado para o nosso 207 (logo apelidado de 206,5) era de 35000 reais. Como contra fatos não existem argumentos, o 207 foi lançado e, tecnicamente, não havia do que reclamar: o carro se equiparava aos rivais.

Hoje, a realidade é outra. Sem sofrer alterações desde o lançamento, o 207 se encontra diante de uma concorrência turbinada por novos competidores que se somam aos tradicionais Fiat Palio e VW Gol, remoçados em novas gerações.

Visualmente, o 207 ainda faz boa figura, em parte porque o design dos rivais não evoluiu tanto - as exceções são Chevrolet Onix e Hyundai HB20 -, mas também por seus próprios méritos. A silhueta que marcou época no início da década passada ainda encanta e, justiça seja feita, foi reavivada por detalhes herdados do 207 europeu, com destaque para os faróis esticados.

O peso dos anos fica mais evidente quando se compara o rendimento do 207 ao de seus pares. Apesar de ser equipado com motor 1.4, enquanto os outros são 1.0, em sua maioria, ele apresentou números de desempenho e de consumo apenas dentro da média dos rivais.

Para completar, o 207 é um dos mais caros do comparativo. Seu preço parte de 32 742 reais, com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros e travas elétricos, follow me home e preparação para som, entre os itens de série, e chega a 35 342 reais com um pacote que inclui pintura metálica e duplo airbag. ABS não está disponível nem como opcional. Feitas as contas, ele fica com o oitavo lugar.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO


Direção direta, suspensão macia e com eficiência mediana.


MOTOR E CÂMBIO

Apesar do deslocamento maior, o 1.4 não conseguiu superarrivais 1.0.


CARROCERIA


O estilo ainda se mantém atraente. Mas o 207 tem vãos grandes e irregulares entreas partes da carroceria.


VIDA A BORDO

Achar a posição de dirigir não é tarefa das mais simples. Mas, uma vez encontrada, o motorista se sente bem ao volante.


SEGURANÇA

Airbags são opcionais, ABS não está disponível.


SEU BOLSO

É o mais caro, na versão básica, e tem apenas um ano de garantiade fábrica.


TOTAL



7° Nissan March 1.0

Pelo preço de tabela, o Nissan March é o mais barato dos oito, o que a princípio o torna uma opção interessante. Ele custa 26090 reais. Como não existe almoço grátis, porém, o March é também um dos menos equipados da turma. Entre os itens mais importantes, ele traz apenas duplo airbag e computador de bordo. E mesmo na versão completa, que custa 32580 reais, dispõe somente de ar-condicionado, direção elétrica, trio elétrico e rodas de liga leve.

Assim como o 207, o March não tem ABS nem como opcional. Na época de seu lançamento, em outubro de 2011, a Nissan informou que "por um problema de fornecimento de peças, os primeiros March 1.0 chegariam sem ABS". Pelo visto, o que era exceção virou regra, porque a fábrica só oferece ABS como opcional no March topo de linha, o 1.6 SR, cujo preço parte de 37 190 reais.

O March tem um visual simpático, por fora e por dentro, mas poderia ser melhor anfitrião. Seu espaço interno é um dos menores do comparativo. Só ganha do JAC J2 no acesso ao banco traseiro, porque sua porta tem maior abertura, e no porta- malas, com 265 litros de capacidade, contra os 121 litros do J2. A posição de dirigir é correta, mas, para quem viaja atrás, o assento com almofadas salientes oferece pouco conforto.

O acabamento também deixa a desejar. O painel é inteiramente de plástico, como se fosse uma peça única, sem variação de cores ou texturas. E o isolamento acústico é deficiente.

Na pista de testes, o hatch foi valente, acelerando de 0 a 100 km/h em 14 segundos cravados e conseguindo as médias de 8,3 km/l na cidade e 11,2 km/l na estrada. Nas curvas, o March se comporta bem, mas não é tão progressivo quanto o Toyota Etios, o mais equilibrado do comparativo.

Além desses pontos, o Nissan não tem nenhum grande defeito ou qualidade relevante. Assim, termina o comparativo na sétima posição.

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO


Bom de curva, mas menos progressivo que o Etios. Saiu-se malnas provas de frenagem.


MOTOR E CÂMBIO

Sem grande ambição, conseguiu uma boa combinação entre desempenho e consumo.


CARROCERIA

O estilo é simpático e a carroceria, bem-acabada. Internamente, faltou criatividade na aplicação dos materiais.


VIDA A BORDO

A cabine tem pouco espaço e os bancos economizam em conforto.


SEGURANÇA

Tem airbag de série. Mas ABS não está disponível nem como opcional.


SEU BOLSO


Seu preço básico é o mais em conta do comparativo. Tem três anosde garantia.


TOTAL



6° JAC J2 1.4 16V


À primeira vista, o JAC J2 tem a melhor relação custo-benefício do comparativo. Oferecido por 30990 reais, em versão única, ele impressiona pela quantidade de equipamentos de série. Além de direção (elétrica), ar-condicionado, airbags e ABS, ele traz trio elétrico, sistema de som, sensor de estacionamento, rodas de liga leve e faróis de neblina. Seu único opcional é a pintura metálica, que, curiosamente, é cara: 1390 reais. Mas, além dos equipamentos, o J2 tem seu motor 1.4 16V - com bloco de alumínio e comando de válvulas variável -, que é o mais potente desta avaliação, com 108 cv de potência.

Comparando o conteúdo do J2 com o das versões básicas de Chevrolet Onix e Hyundai HB20, no entanto, percebe-se que a vantagem do JAC não é tão grande assim. E seu motor, apesar de moderno, tem uma limitação para nosso mercado: não é flex. Pior: comparando o custo do quilômetro rodado do J2 (com gasolina) frente ao dos rivais (com etanol), o J2 fica em desvantagem. Para 1 litro de gasolina ao preço de 2,61 reais, o J2 gasta 22 centavos/km, na cidade. O Etios, por sua vez, para 1 litro de etanol a 1,73 real, despende 20 centavos/km, no ciclo urbano (preços pesquisados no site da ANP, para a cidade de São Paulo).

O JAC também perde terreno no que diz respeito ao acabamento. Apesar de receber melhorias na versão nacional, o J2 ainda tem materiais frágeis, como os plásticos aplicados nas maçanetas das portas (internas) e do porta-malas (externa).

O J2 tem seis anos de garantia, mas pesa contra ele o fato de ser de uma marca que ainda dá os primeiros passos no país. A JAC chegou no início de 2011 e patinou durante meses este ano, quando o governo aumentou a taxa de IPI. Seu irmão maior, o J3, já tem história entre nós. Ele foi aprovado com louvor em nosso teste de Longa Duração. No mês passado, porém, ele se saiu mal no teste de colisão do Latin NCap.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO

Leve (915 kg), o J2é fácil de manobrar. Tem direção elétrica e freou bem na pista.


MOTOR E CÂMBIO


O motor é moderno, mas não é flex. Câmbio tem relações longas.


CARROCERIA

Carroceria tem vãos de medidas diferentes. Na cabine, percebe-se fragilidade nos materiais eno manuseio.


VIDA A BORDO


O conta-giros é minúsculo e a alavanca do câmbio, igual à do novo Ford EcoSport.A cabine é apertadano banco de trás. Não há porta-luvas e no porta-malas cabem apenas 121 litros.


SEGURANÇA


Vem de série com airbag, ABS e sensor de estacionamento.


SEU BOLSO


Tem seis anosde garantia. O preçoé interessante, considerando-se que ele vem completo. Pintura metálica é cara.


TOTAL



5° Fiat Palio 1.0 Attractive


Depois do VW Gol, o Fiat Palio é o projeto mais longevo e também mais vendido do comparativo. Sua primeira geração é de 1996 e a segunda e atual chegou em 2011. Nesta nova edição, o Palio evoluiu em diversos aspectos. Sua carroceria, por exemplo, ficou maior e ganhou estrutura mais segura e ao mesmo tempo mais leve, com a aplicação de novos aços de alta resistência. Com o aumento das dimensões, a cabine também cresceu e ficou mais arejada. Os novos bancos apoiam bem corpo e a ergonomia foi aperfeiçoada. A posição de dirigir, contudo, não mudou. A principal novidade no interior é a melhoria do acabamento. Mesmo na versão básica Attractive, o Palio conta com materiais de boa qualidade, com variação de cores e texturas, e com bom padrão de manufatura, sem rebarbas e defeitos.

O motor 1.0 do Palio é o Fire 1.0 EVO, que estreou a bordo do Fiat Uno, em 2010. Ele incorporou melhorias técnicas com o objetivo de reduzir o atrito interno e conseguir melhor rendimento - o que de fato ocorreu, em comparação com o antecessor, mas que não foi suficiente para destacar o Fiat agora, diante dos rivais. O Palio ficou com o pior desempenho na pista. Ele acelerou de 0 a 100 km/h em 18,3 segundos. E, em relação ao consumo, obteve as médias de 7,9 km/l na cidade e de 10,6 km/l na estrada.

Ao volante, o Palio apresenta comportamento mais voltado para o conforto que para a esportividade. Na segunda geração, a Fiat endureceu um pouco a suspensão (para movimentos verticais), mas o hatch ainda rola nas curvas, sem no entanto comprometer a dirigibilidade.

Com computador de bordo, direção hidráulica, lavador e limpador do vidro traseiro, imobilizador e follow me home, no pacote básico, o PalioAttractive 1.0 custa 28440 reais. Adicionando ar-condicionado, airbags e ABS, o valor do cheque já salta para consideráveis 33 837 reais.

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO


A direção é direta,a suspensão, confortável e os freios poderiam reagir com mais eficiência.


MOTOR E CÂMBIO

O conjunto mecânico está bem casado, mas desapontouno desempenho.


CARROCERIA


O estilo não encanta. Mas a estrutura da carroceria foi reforçada, segundo a Fiat. E o acabamento tem boa qualidade na confecção e nos materiais.


VIDA A BORDO

Os bancos são confortáveis e a ergonomia é bem resolvida. Bom conjunto de equipamentos para conforto.


SEGURANÇA


Duplo airbag e ABS com EBD integram o kit HSD, opcional, ao preço de 1 544 reais.


SEU BOLSO

Tem um ano de garantia e a representatividade da marca Fiat.


TOTAL



4° Toyota Etios 1.3


Para o bem e para o mal, o Etios 1.3 é um carro surpreendente. Em um primeiro momento, é notável seu acabamento sim- plório e descuidado, principalmente por ser ele o irmão mais novo do Toyota Corolla, um carro reconhecido por suas virtudes. Impressiona ver superfícies metálicas sem tratamento, como as caixas de roda, e sem pintura, como o cofre do motor - embora sem problemas de manufatura, como vãos irregulares e peças com rebarbas. Na cabine, o despojamento inesperado segue no revestimento plástico do painel, nos instrumentos minúsculos e de difícil leitura e no tecido dos bancos de qualidade inferior.

No entanto, basta assumir o volante e dar a partida para nos surpreendermos outra vez, agora de forma positiva. O Etios é um carro bem acertado. Sua direção é precisa e rápida e a suspensão sabe conciliar conforto e dirigibilidade. Aí, sim, o Etios se assemelha ao Corolla, apesar de ser um hatch compacto e o outro, um sedã médio.

Os contrastes não param por aí. A versão de entrada do Etios, que custa 29 990 reais, não tem itens elementares como sistema de direção com assistência. O pacote básico contempla duplo air-bag, alarme e imobilizador, entre os itens principais. Para equipá-lo com direção (elétrica), ar-condicionado, airbags e ABS é necessário optar pela versão "1.3 X com ar-condicionado" e desembolsar 36 190 reais. Mas, ao mesmo tempo que tem tão poucos recursos de série, o Toyota conta com um motor simples, mas eficiente, que foi o mais rápido na pista de testes e o mais econômico no ciclo urbano. Além disso, o hatch tem projeto moderno e reforçado o suficiente para garantir as quatro estrelas obtidas no teste de colisão realizado pelo instituto Latin NCap. O Etios pode não ter desenho sedutor e ser pão-duro em equipamentos, mas, com boa dirigibilidade e bom rendimento, ele se garante no pelotão intermediário.

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO

O Etios é bem acertado e seus sistemas respondem com eficiência.


MOTOR E CÂMBIO

É dele o melhor rendimento na pista.


CARROCERIA

A construçãoé de qualidade.Mas o acabamento é descuidadoe o estilo, discutível.


VIDA A BORDO

Bom de guiar, ele tem espaço para quatro adultos, mas peca nos instrumentos miniaturizados.


SEGURANÇA


Tem airbags na versão básica. ABS é opcional. Saiu-se muito bem no teste do Latin NCap.


SEU BOLSO

A pintura metálica não tem custo adicional.A garantia é de três anos.


TOTAL



3° Volkswagen Gol

Ao contrário do JAC J2, que ainda precisa construir uma imagem junto ao consumidor, o Gol é o ícone do mercado. Como carro mais vendido do Brasil há 26 anos, ele é o alvo preferencial da concorrência. O Gol chegou renovado à linha 2013, ganhando retoques estéticos, mecânicos e na parte eletrônica.

Visualmente, o novo Gol recebeu novas frente e traseira, para se identificar com o novo estilo mundial da marca. Ele ficou bem parecido com o Polo hatch europeu, que, além da dianteira característica, também tem lanternas que são envolvidas pela tampa traseira - pelo que os designers chamam de "ângulo reverso". Por dentro, a semelhança com o Polo surge nos instrumentos e nos botões de acionamento dos faróis e do ar-condicionado.

O motor 1.0 também recebeu melhorias, para aumentar sua eficiência. Todo o benefício conseguido pela engenharia não pode ser contabilizado em desempenho, entretanto, e sim em consumo e redução de emissões, o que lhe valeu o melhor nível de classificação no programa de etiquetagem do governo. Na pista de testes, o Gol atual se mostrou mais lento que o antecessor. O tempo de 0 a 100 km/h passou de 14,5 para 16,6 segundos. Mas houve ligeira melhora no consumo.

Nos eletrônicos, a central do motor ficou mais inteligente e a rede de comunicação ganhou capacidade, o que possibilitou a instalação de recursos como o dispositivo follow me home.

Com preço sugerido em 27 990 reais, o Gol é o mais despojado de todos, na versão de entrada. Sua lista básica fala em banco do motorista com ajuste em altura, vidros dianteiros e travas elétricos e lavador e limpador do vidro traseiro. Mas, incluindo direção hidráulica, ar-condicionado, air-bags e ABS, ele melhora ao preço de 33 905 reais.

Os incrementos no Gol o tornaram apto a enfrentar a concorrência. Mas o terceiro lugar neste comparativo é um sinal amarelo para o líder.

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO


Ele não é confortável, mas é gostoso de dirigir.


MOTOR E CÂMBIO

Melhorias mecânicaslhe valeram classificação A no selo do Conpet.


CARROCERIA

Com boa qualidade na construção e nos materiais, o Gol ficou bonito, clonando o Polo europeu.


VIDA A BORDO

O pacote de itensna versão básicaé desanimador.Mas, completo, o Golse recupera. Seu espaço é um dos melhores do comparativo.


SEGURANÇA


ABS e duplo airbag são itens opcionais.


SEU BOLSO

Tem garantia de um ano e o prestígio da marca VW no mercado.


TOTAL



2° Chevrolet Onix LS 1.0

O ponto forte do Chevrolet Onix é o design. Ele não é tão insinuante quanto o do Hyundai BH20, mas é inovador. A impressão é de que os designers da GM quiseram fazer um hatch sem divisões claras entre os compartimentos de motor e passageiros, como um monovolume. A silhueta da carroceria vai de um para-choque ao outro quase sem interrupções, com as lentes dos faróis e das lanternas se encaixando rentes à carroceria. Por dentro, o painel também é de bom gosto. A versão básica não traz o sistema multimídia MyLink (recurso que custa cer- ca de 2 000 reais dentro dos pacotes em que é oferecido). Mas o conjunto é bonito e harmonioso. Os bancos, por sua vez, têm formato anatômico e são revestidos de tecido agradável ao toque (o carro mostrado nas fotos traz bancos de couro, oferecidos como acessório).

A posição de dirigir é estranha. O assento, mes- mo na posição mais baixa, é alto, como o de uma minivan. Fechando-se os olhos, dá para se imaginar ao volante da Spin - não por acaso, a minivan da Chevrolet usa a mesma plataforma. Mas, na pista, o Onix se mostrou um carro estável e obediente. A suspensão permite que a carroceria incline nas curvas e mergulhe nas frenagens, mas sem exagero. No que diz respeito ao desempenho, o hatch da Chevrolet foi apenas modesto.

Ao contrário da VW, a fábrica adotou uma lista vistosa de equipamentos de série para seu hatch. O Onix LS 1.0 sai de fábrica com direção hidráulica, duplo airbag e freios ABS, com preço básico de 29 990 reais. Mas a generosidade para por aí, por- que ar-condicionado está disponível apenas na versão superior, a LT, cujo preço parte de 31690 reais. E, mesmo assim, o ar-condicionado é oferecido no pacote R7H, que traz agregados protetor de cárter, alarme, vidros e travas elétricos e chave canivete, entre outros itens. Dessa forma, o preço chega a 34 640 reais (com pintura metálica).

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO

O Onix é confortável e confiável nas manobras.


MOTOR E CÂMBIO


O motor foi apenas honesto. O câmbio funciona comoum relógio suíço.


CARROCERIA


Bem construído,o Chevrolet tem design ousado e bonito.


VIDA A BORDO


A posição de dirigir é de minivan. A cabine acolhe a todos com conforto.


SEGURANÇA


Airbag e ABS são itens de série.


SEU BOLSO


Garantia de três anos. Preço básico convidativo, diante dos itens de série - sem contar a força da marca.


TOTAL



1° Hyundai HB20


O Hyundai HB20 é o melhor carro deste comparativo. Poderia ser ainda melhor se trouxesse ABS desde o primeiro pacote.Vendido a 31 995 reais, o HB20 1.0 sai de fábrica com ar-condicionado, direção hidráulica, duplo airbag, computador de bordo e sistema Isofix. Mas oABS vem somente na versão Comfort Style, que custa 37995 reais e que, com pintura metálica, vai a 39 040 reais. Para quem faz questão do ABS, é mais interessante optar pela versão 1.6, que vem com airbags, direção hidráulica, ar-condicionado e ABS de série e custa 36995 reais (pintura sólida) e 38 040 reais (pintura metálica).

O HB20 é superior aos demais sob muitos aspectos. Começa pelo design, que adota o visual "escultura fluida", cujas linhas dão a impressão de movimento mesmo quando o carro está parado. Por dentro, não falta o console em forma de pira olímpica, com as saídas de ar verticais e os instrumentos com iluminação de cor azul. E os materiais têm boa qualidade. O espaço interno é amplo. Na traseira, o assento poderia estar em posição mais alta, para os ocupantes viajarem com os joelhos em nível mais elevado - mas há um bom espaço.

De todos, o HB20 é o carro mais gostoso de dirigir. Sua suspensão filtra as irregularidades do piso com competência e, nas curvas mais acentuadas, deixa a carroceria rolar. Mas, uma vez apoiada, segura bem o carro e permite que o motorista finalize a manobra sem sustos. A direção é leve - acima de 120 km/h fica leve demais, mas não chega a comprometer a confiança.

Em relação ao motor, seu 1.0 de três cilindros e 12V tem comando de válvulas variável, rende 80 cv de potência e fez boa figura na pista de testes.

Assim como os demais modelos da linha, o HB20 tem cinco anos de garantia. A Hyundai não tem a mesma força de marcas mais antigas no mercado, mas construiu boa reputação com os importados e inaugurou recentemente uma fábrica no país.

DIREÇÃO, FREIOE SUSPENSÃO


A calibragem dos sistemas do HB20 privilegia o conforto sem abrir mão do prazer.


MOTOR E CÂMBIO


O motor de três cilindros é moderno e eficiente. O câmbio está bem escalonado.


CARROCERIA

O design é seu ponto forte. Mas a carroceria também é bem construída e o acabamento, de boa qualidade.


VIDA A BORDO


O HB20 é bem equipado. Sua cabine é espaçosa, embora force os passageiros de trás a viajar em posição menos confortável.


SEGURANÇA


ABS é opcional, mas o HB20 tem airbags e Isofix de série.


SEU BOLSO

O preço básico é interessante. A garantia de fábrica é de cinco anos. A marca é jovem, mas tem prestígio.


TOTAL



VEREDICTO

Vence o HB20, que é bonito, moderno e prazeroso de dirigir. O Onix tem design e bom acabamento. O Gol se defende bem, enquanto o Etios tem altos e baixos. No segundo pelotão, o Palio faz boa figura. O J2, apesar de bem equipado, tem limites em outros quesitos, enquanto o March é despretensioso e o 207, antiquado.

>> Confira aqui a Ficha Técnica dos carros

>> Confira aqui o Desempenho dos carros

PUBLICIDADE

  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |

PUBLICIDADE