Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Comparativos
Fiat Siena 1.6 x VW Voyage 1.6 x Peugeot 207 Passion 1.6
Dezembro 2010

Fiat Siena 1.6 x VW Voyage 1.6 x Peugeot 207 Passion 1.6

Com a chegada do Siena 1.6 e.torQ Dualogic, colocamos para brigar os sedãs compactos que dispensam o pedal de embreagem

Por Gustavo Henrique Ruffo | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Eis aqui os representantes do PDME, o Partido Democrático do Menor Esforço. Para quem procura libertar-se do jugo das trocas de marcha, esses candidatos compartilham em suas plataformas o foco na economia (de combustível) e o bem-estar da família (e sua bagagem). E falam diretamente àqueles que têm garagem e orçamento compactos. A chegada do novo motor E.torQ ao Siena provocou o debate, ou melhor, embate entre Fiat Siena Dualogic, Peugeot 207 Passion e VW Voyage i-Motion. Agora vamos à transmissão...

 



3º Peugeot 207 Passion

Ainda que a Fiat diga que o sistema Dualogic é automático, o único sedã pequeno que realmente conta com esse tipo de transmissão é o 207 Passion. Tanto para o bem quanto para o mal.

No extremo positivo, o câmbio automático AL4 não dá os mesmos solavancos que os sistemas manuais automatizados apresentam, aqueles causados pelo intervalo entre uma troca de marcha e outra, quando a embreagem desacopla. A condução é a mais suave entre os três sedãs que avaliamos. Outra vantagem é a ausência de embreagem, que continua a existir nos automatizados e exige substituição de tempos em tempos. Por outro lado, em caso de problemas, o reparo de uma caixa automática tende a ser mais dispendioso.

Mas o câmbio do 207 não é imune a solavancos. Quando exigido, particularmente na cidade, o câmbio pode dar trancos, típicos de uma troca de marcha feita às pressas. O casamento da transmissão de quatro marchas com o motor de 1,6 litro, pequeno e com torque baixo para esse tipo de câmbio, não é dos mais plácidos. A estrada tende a esconder o problema. Isso até a necessidade de uma ultrapassagem, quando se nota alguma demora na redução de marchas.

Para quem gosta de dirigir sem pressa, o que o 207 Passion oferece de melhor é seu custo-benefício. Apesar de ter o preço básico mais alto entre os concorrentes, ele é o que sai mais em conta quando Voyage e Siena recebem o mesmo nível de equipamentos que ele. Isso significa ter de comprar como opcionais ar-condicionado, ABS, rodas de liga leve, vidros elétricos traseiros e até regulagem de altura do banco do motorista. Foi nas versões completas que avaliamos todos os sedãs deste comparativo, daí a vantagem do Peugeot.

O 207 Passion dispõe de freios a disco nas quatro rodas, algo que seus concorrentes não oferecem nem como opcional. O problema é que nem eles nem o sistema ABS de série se revertem em benefício prático para o carro. Em nossos testes de frenagem, ele ficou atrás do Volks e do Fiat, o que se explica por seu maior peso. O Peugeot também ficou atrás dos concorrentes em desempenho, que ainda levam a melhor no quesito porta-malas.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Discos nas quatro rodas e ABS de série deveriam tornar o 207 Passion o melhor nas frenagens. Não é o que acontece.
★★★

MOTOR E CÂMBIO
O 1.6 16V é um bom motor. A caixa AL4 não é ruim. É a junção dos dois que não causa a melhor das impressões.
★★★

CARROCERIA
Mais harmônico que um Clio Sedan, mas menos que o Voyage, o 207 Passion sofre com a idade do 206, carro no qual se baseia.
★★★

VIDA A BORDO
Bom nível de equipamentos e espaço interno razoável pesam a favor do Peugeot .
★★★

SEGURANÇA
Andando e freando menos que os concorrentes, o sedã damarca francesa ficou na lanterna também nisso. Mesmo com ABS de série.
★★★

SEU BOLSO
O pacote de itens de série e o valor mais baixo para incorporar airbags, a única coisa que falta no carro, deram a ele a vitória na hora de pagar a conta. Pintura metálica é quase compulsória, a não ser que você goste de carro branco.
★★★

 

 



2º VW Voyage i-Motion

O modelo mais moderno do comparativo era sério candidato ao título. Se o perdeu, foi por culpa do desempenho mediano em todos os quesitos a não ser em “Carroceria”, no qual o Voyage venceu pela concepção atual.

O acerto do câmbio ASG, ou i-Motion, como a Volkswagen decidiu apresentá-lo, é o melhor dos dois sedãs automatizados testados. Durante as passagens de marcha, o tempo de desacoplamento e acoplamento da embreagem é perceptível, mas não incomoda tanto quanto no Siena. O acabamento do carro também é superior ao do concorrente da Fiat.

Na pista, suas retomadas são mais lentas e ele acelera até os 100 km/h em mais tempo. Menos potente que o Fiat, ele é mais leve, mas isso não se transformou em vantagem, na prática. A medição em que ele se saiu melhor foi a de frenagens em alta velocidade.

A aspereza do motor EA-111 torna o Voyage mais barulhento que o concorrente da Fiat, característica que poderia ser atenuada com um isolamento acústico mais bem cuidado. Em compensação, é do Voyage o mais baixo consumo de álcool, justificado em parte por sua taxa de compressão mais alta, que aproveita melhor o combustível de origem vegetal.

Na coluna de méritos do sedã automatizado da Volkswagen fica a posição de dirigir, a melhor entre os três. Contam para isso a regulagem de altura do banco e a da coluna de direção, que pode ser ajustada em altura e distância. Tudo de série. O Siena só oferece a regulagem da altura do volante. A do banco é opcional, o que ajuda a entender por que o Siena oferece a pior relação custo-benefício deste grupo.

A boa base do Voyage, a mesma do Polo, também oferece o maior entre-eixos entre os concorrentes. Em termos de porta-malas, ele tem 480 litros. Menos que os 500 litros do Siena, mas é o melhor compromisso para quem precisa de espaço.

Lançado em setembro de 2008, o VW é o que terá vida mais longa. O Siena deve dar lugar a sua segunda geração em 2012, derivada do projeto 327, cujo primeiro fruto será o novo Palio, esperado para 2011. Se tivesse conteúdo mais atraente, trunfo do 207 Passion Automatique, ou desempenho mais convincente, caso do Fiat, o Voyage poderia ter se firmado como a melhor opção entre os sedãs pequenos que não gostam do pedal de embreagem. Não foi desta vez.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Voyage é o carro mais agradável de guiar, mas, por ser o mais leve da turma, poderia ser também o melhor em frenagem. Empatou com o Siena.
★★★

MOTOR E CÂMBIO
Bom ajuste do câmbio automatizado privilegia consumo baixo; motor 1.6 do Voyage fica pouco atrás do usado no Siena.
★★★★

CARROCERIA
Concepção moderna torna o Voyage o sedã pequeno mais espaçoso deste comparativo. Porta-malas de 480 litros acompanha o pacote.
★★★

VIDA A BORDO
Posição de dirigir é favorecida por regulagens de altura do banco e de altura e distância do volante, todas de série, mas falta de outros itens, como ar-condicionado, penaliza o sedã.
★★★

SEGURANÇA
Desempenho do motor e dos freios é mediano. Falta de ABS e airbags como itens de série também não favorece.
★★★

SEU BOLSO
O preço básico do sedã é o mais baixo entre o dos três sedãs, mas equipá-lo custa caro.
★★★

 

 



1º Fiat Siena 1.6 16V Dualogic

Se esse primeiro lugar é surpresa para você, também é para nós, mas os números não mentem. Do trio, o Siena é o mais velho, o de pior custo-benefício e o com acabamento que mais merece ressalvas. Mesmo com tantos poréns, o sedã pequeno da Fiat conta com um argumento forte para vencer diante dos quesitos que avaliamos. Ele se chama E.torQ.

É do motor a responsabilidade pelos melhores números de desempenho deste comparativo. O Siena acelera até os 100 km/h mais rápido que seus concorrentes. Também retoma a velocidade em menos tempo. Nas frenagens, empatou com o Voyage no número de menores distâncias percorridas: duas para cada lado. Objetivamente, houve empate, ainda que o Voyage tenha se saído melhor em velocidades mais altas. E o Fiat é o menos barulhento. Isso o torna o modelo mais seguro, o mais silencioso e o dono do melhor conjunto mecânico, ainda que o sistema Dualogic fique aquém do i-Motion em termos de suavidade. Como ambos são da Magneti Marelli, isso é questão do acerto que cada fábrica confere a seus modelos.

Em termos de aparência, o estilo do Siena sofreu renovação em novembro de 2007, ganhando uma traseira digna de Alfa Romeo e linhas mais harmoniosas, mas ela não foi suficiente para diminuir a idade do projeto. As linhas ainda são muito quadradas, destoando até das que o resto da família Fiat apresenta (basta ver o Linea). O problema de falta de espaço interno que o carro enfrenta é crônico, o maior responsável por haver tão poucos Siena nas mãos de taxistas: os passageiros reclamam do banco de trás. O porta-malas de 500 litros não ajuda em nada a melhorar essa situação. Só a segunda geração do carro, prevista para chegar em 2012, dará conta do problema.

Os mais preocupados com modernidade e espaço interno irão de Voyage. Os fãs de equipamentos de série, de seguro baixo e de conforto ficarão com o 207 Passion. Quem não quer saber de barulho nem de moleza, quer frear rápido e gastar razoavelmente pouco, com a segurança que freios adequados e um bom motor proporcionam no caminho, terá no pequeno Siena uma grande opção de candidato à vaga da garagem.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Falta ABS de série no Siena, mas, quando ele o traz, se mostra eficiente. Apesar de ser mais pesado que o Voyage.
★★★

MOTOR E CÂMBIO
O 1,6-litro do Fiat merece ser tratado por seu nome. O E.torQ não cresce de giro rápido, como seria de esperar do motor de um carro italiano, mas ele mostra seu valor nos testes. O câmbio Dualogic poderia ser mais suave.
★★★★

CARROCERIA
Entre-eixos curto e acabamento deficiente tornam o interior do Siena o menos convidativo.
★★★

VIDA A BORDO
Siena vem com pouquíssimos itens de série. Equipado, ele ainda apanha pelo espaço acanhado que oferece.
★★★

SEGURANÇA
O sedã pequeno da Fiat acelera e freia como se espera. Ajuda a realizar ultrapassagens seguras e a frear a tempo diante de emergências. Para melhorar, poderia vir com ABS e airbags de série.
★★★

SEU BOLSO
Básico, ele cobra demais diante do que oferece. Equipado, fica caro além do razoável para um carro pequeno.
★★★

 

 



VEREDICTO

O desempenho do motor E.torQ 1.6 16V foi tão superior ao dos concorrentes que pesou decisivamente a favor do sedã da Fiat, apesar de ele ser mais apertado e antigo que o VW e que o Peugeot. Na hora de comprar, entretanto, vale pesar o fato de que o Siena já tem sua nova geração em testes, o que pode desvalorizar o modelo atual. A falta de itens de série também deve ser considerada.

 


 

» Clique aqui para ver os números do teste

» Clique aqui para ver os dados técnicos





» FOTOS


Publicidade