Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Carros | Comparativos
207 Passion x Symbol x Voyage
Abril 2009

207 Passion x Symbol x Voyage

Bem equipado, o novo sedã da Renault enfrenta as versões topo de linha do Voyage e do Passion.

Por Péricles Malheiros | Fotos: Marco de Bari
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

A chegada do Renault Symbol faz subir em alguns graus a temperatura já febril do segmento dos sedãs compactos. Sua missão é ocupar o espaço entre seus irmãos, o despojado e espaçoso Logan e o bem equipado, mas de vendas acanhadas, Mégane. Apresentado em duas versões repletas de equipamentos, Expression e Privilège, o Symbol estreia buscando briga com rivais já estabelecidos. E ninguém melhor para medir forças com ele que os modelos que estão fazendo a alegria dos lojistas, o Volkswagen Voyage e o Peugeot 207 Passion.

Avaliados em suas versões mais requintadas, Symbol Privilège, Voyage Comfort e 207 Passion XS se engalfinharam em quase todos os itens analisados, acabando com uma diferença de apenas meio ponto entre o primeiro e o segundo colocados. Veja como ficou o resultado.

* Os preços apresentados neste comparativo referem-se ao mês de fechamento da reportagem, em março de 2009


3. 207 PASSION

R$ 44 800


Coluna C sem vigia ”pesa” no perfil do 207

Não desmereça o 207 Passion por seu terceiro lugar no comparativo dos sedãs pequenos superequipados: ele também tem qualidades, como os exclusivos sistemas de acionamento automático de limpadores de para-brisa e de acendimento dos faróis. O problema é que o estreante Symbol se apresenta com armas muito mais letais que os mimos do Peugeot 207: três anos de garantia, airbag duplo de série e maior capacidade de porta-malas com preço ligeiramente inferior (44 490 contra 44 800 reais). Por não trazer airbag duplo de série, o 207 perde até do Voyage quando equiparados em acessórios: sem as bolsas infláveis, o VW sai por 44 140 reais.

Fora a análise do custo-benefício, o Peugeot decepcionou na pista. Sob o capô, carrega basicamente o mesmo quatro-cilindros 1.6 16V do Renault, mas, no geral, ganhou em apenas um quesito, velocidade máxima, com 188 km/h. Nas provas de frenagem, as rodas travaram com certa facilidade, obrigando-nos a refazer as medições até achar o ponto ideal de pressão sobre o pedal. Quer ABS no seu familiar 207 sedã para não passar por esse mesmo sufoco? Prepare o bolso, pois o dispositivo antitravamento só está disponível (de série) na versão equipada também com câmbio automático, por apimentados 48 700 reais.

Apesar da carroceria com porte similar à dos rivais, o Peugeot carrega menos bagagem e entrega basicamente o mesmo espaço interno. O aço escovado das pedaleiras, manopla de câmbio e maçanetas das portas combina com os detalhes prateados nas molduras das saídas de ventilação.

Enorme, a grade do radiador ocupa quase toda a área frontal, conferindo uma boa dose de agressividade ao design, complementado com os grandes e saltados faróis. A direção de respostas rápidas também agrada, mas poderia ser um pouco mais leve para facilitar as manobras, principalmente se levarmos em consideração a possibilidade de a versão sedã do 207 repetir o sucesso do hatch junto ao público feminino.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Bem equilibrado, é obediente ao volante. O freio, porém, trava com exagerada facilidade. O pior é que o ABS só é oferecido para a versão com câmbio automático.

MOTOR E CÂMBIO
O conjunto é eficiente, mas os números do Symbol – com uma mecânica muito parecida – provam que o 207 poderia ter sido melhor em desempenho ou em consumo de combustível.

CARROCERIA
A versão sedã poderia ter chegado antes, quando o hatch do qual deriva ainda era o 206. Demorou, mas valeu a pena: ele já nasceu com a nova cara.

VIDA A BORDO
Oferece espaço interno semelhante ao dos concorrentes, mas tem o menor porta-malas. É o único com ativação automática dos limpadores de para-brisa e de acendimento dos faróis.

SEGURANÇA
Pisa na bola por não ter ABS nem como opcional e por não ter airbag duplo de série, como no Symbol. Em contrapartida, é o único com possibilidade de ser equipado com airbags laterais.

SEU BOLSO
Custa mais que o Symbol e menos que o Voyage com equipamentos equivalentes.


2. VOYAGE

R$ 37 610


Pessoas altas se dão melhor no Voyage

Os resultados de pista indicavam uma vitória fácil do Voyage. Não fez escândalo na medição de ruído (60,9 decibéis a 80 km/h), foi honesto no velocímetro (quando o painel marcava 100 km/h, ele estava a 98,2) e, mesmo com um tanque de combustível maior (55 litros), foi mais econômico na cidade (7,7 km/l) e na estrada (10,8 km/l). Mas aí veio a análise de preços... Duro entender como uma versão topo-de-linha como a Comfortline não tem, por exemplo, ar-condicionado de série. O pacote que o inclui é vendido a 3 310 reais e você leva junto o alarme. Ainda assim, não terá o conforto da assistência digital oferecida pelos franceses. Em contrapartida, a estratégia permite que o cliente decline de itens que julgue supérfluos (como computador de bordo) ou que prefira instalar depois, com equipamentos capazes de atender melhor seu gosto (caso das rodas de liga leve e do som).

A considerável evolução do Gol ao entrar na geração atual se repete no Voyage. Os comandos estão ao alcance das mãos e os múltiplos ajustes (altura de banco e cinto, além de altura e profundidade da coluna de direção) permitem uma condução confortável e segura para pessoas de diferentes estaturas. O Voyage é o único dos sedãs analisados a oferecer botões exclusivos (no centro do painel) para que o motorista opere os vidros traseiros – nos franceses, quem vai atrás compartilha com o motorista um par de teclas posicionado entre os bancos, atrás do freio de mão.

Em velocidades elevadas, o representante da Volkswagen é o que mais transmite segurança: a suspensão mais firme e esportiva que a dos confortáveis rivais “flutua” pouco e sofre menos com ventos laterais. O motor com oito válvulas é mais esperto no trânsito urbano e vive um feliz casamento com o câmbio de engates rápidos e bem escalonado. O curso de deslocamento da alavanca é curto e favorece uma tocada esportiva.

A rede elástica no porta-malas (de série) evita que objetos soltos joguem de um lado para o outro.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Dos três, é o que se apresenta mais esportivo. Diante dos concorrentes, deu um banho nas provas de frenagem.

MOTOR E CÂMBIO
O motor 1.6 8V encarou os 16V sem medo. Detonou nas provas dinâmicas e, de quebra, foi o mais econômico.

CARROCERIA
A carroceria do Voyage, com vincos e volumes definidos, inspira mais modernidade que a do recém-lançado Renault Symbol.

VIDA A BORDO
Cliente de sedã pequeno da Volkswagen que não abre mão de ar-condicionado digital migra do Voyage para o Polo. Pior: a concorrência francesa oferece o equipamento de série.

SEGURANÇA
ABS e airbag duplo, no Voyage, só pagando à parte. No Symbol, as bolsas infláveis são de série e o ABS custa metade do preço pedido pela Volkswagen.

SEU BOLSO
Se por um lado a estratégia de colocar quase tudo como opcional onera a compra, por outro permite uma seleção personalizada dos equipamentos.


1. SYMBOL

R$ 44 490


Elegante, nem de longe lembra o Clio Sedan

A Renault mandou bem com o Symbol e ganhou o comparativo. Na pista, fez bonito frente ao 207, mas levou calor do 1.6 8V do Voyage. Exemplos: no 0 a 100 km/h, 11,2 s para o Symbol e 11,5 s para o Voyage, com o troco dado (em desproporção) na frenagem de 120 km/h a 0, com 62,6 m do francês e 56,9 m do alemão. Nessa prova, aliás, o Peugeot ficou para trás, ou melhor, para a frente, bem para a frente: registrou “eternos” 72,9 m. O Symbol e o Voyage cedidos para teste tinham ABS (opcional em ambos, por 1 500 e 3 010 reais, respectivamente), mas o 207 não, pois a Peugeot só disponibiliza o equipamento para o Passion com câmbio automático.

Para equiparar o Voyage ao Symbol é necessário desembolsar 8 675 reais em equipamentos! Retrovisores elétricos, som com comandos no volante, computador de bordo, ar-condicionado, alarme, rodas de liga leve, airbag duplo: tudo isso, pago à parte no Voyage Comfortline, vem de série no Symbol Privilège. Assim, o “Gol sedã” passa de 37610 para 46 285 reais, contra 44 490 reais do Renault, que, de quebra, oferece garantia total de três anos – os concorrentes têm apenas um ano.

Montado sobre a plataforma do antigo Clio Sedan, o Symbol mostra elementos comuns a outros Renault, como volante, piscas laterais e maçanetas externas de Sandero e forração de portas e rádio de Clio. É na capacidade de porta-malas – item decisivo no segmento – que o Symbol se consagra campeão. São 506 litros, contra 480 do Voyage e 420 do 207. Em espaço interno, todos se equivalem, com vantagem para pessoas mais altas no Volkswagen. Mais sóbria, a cabine do Symbol proporciona uma impressão acentuada de requinte, enquanto as dos concorrentes trazem elementos que pendem para a esportividade.

Na guerra dos sedãs pequenos de luxo, o Symbol provou que não veio para brincar. Quer se livrar da imagem de mero substituto do Clio Sedan – que nunca foi um best-seller – e ainda ofuscar um dos nomes mais respeitados da história no segmento, o Voyage. Armas para essa missão ele já provou ter. Agora, é esperar o que o tempo e o consumidor irão dizer

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Macio e ágil, tem comportamento muito similar ao do Peugeot. Nas frenagens, perdeu do Voyage mas foi bem superior ao seu conterrâneo.

MOTOR E CÂMBIO
Melhor que o 207, pior que o Voyage. Por isso, a nota neste quesito também ficou na média.

CARROCERIA
Para um modelo que se apoia no requinte, ter maçanetas, volante, rádio e alavancas de seta e limpadores herdados de outro modelo pode pegar mal.

VIDA A BORDO
Tem basicamente os mesmos comprimento e entre-eixos da concorrência, mas oferece cabine com espaço equivalente e porta-malas maior.

SEGURANÇA
Para ficar ainda melhor, só faltou o ABS também ser de série. De qualquer maneira, vale o investimento extra de 1500 reais.

SEU BOLSO
A rede de concessionárias gigantesca da Volkswagen não é páreo para a garantia de três anos do Symbol.


VEREDICTO

Contra fatos não há argumentos: dos três, o Symbol é o que reúne de maneira mais racional equipamentos, desempenho, design, garantia e preço. Optar por Voyage ou 207 também não é má ideia, afinal nenhum dos dois ficou muito distante do vencedor do comparativo. Mas é preciso estar ciente de que você pagará o mesmo (ou mais) para levar menos.


» Clique aqui para ver as avaliações

» Clique aqui para ver os dados técnicos





» FOTOS


Publicidade