Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Auto-serviço | Cumpre o que promete
Tira-teima de óleos e fluidos
Fevereiro 2011

Tira-teima de óleos e fluidos

Pingue o óleo ou o fluido de freio no cartão para descobrir se eles estão contaminados ou vencidos

Por Luís Perez
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Veja no manual de proprietário quando é a hora de trocar o óleo do seu carro. Provavelmente terá dois prazos, um para o uso normal e outro para o severo. A questão é que nunca é simples definir onde você se encaixa. Depende do quanto se roda em estradas de terra, se percorre muitos trechos curtos, do nível de trânsito pesado que enfrenta... É para não trocar o óleo antes do tempo nesses casos que chega ao Brasil o MotorcheckUp. É um cartão tratado quimicamente que revela se o lubrificante está contaminado por partículas sólidas, líquido do radiador ou combustível. O mesmo cartão também indica se o fluido de freio está apto para o uso. Tudo numa escala de cores que varia de 1 a 9.

Para o teste, convocamos o técnico em mecânica Fábio Fukuda, da Fukuda Motorcenter, que cuida de todos os nossos desmontes dos carros de Longa Duração (leia o desmonte do Hyundai i30 na pág. 100). Ele usou diversas amostras de lubrificante, contaminado por água e combustível em diferente níveis, além de amostras de óleo novo e usado (uma no limite da troca e outra com 10 000 km a mais). O material de divulgação prescreve: “Deposite uma gota de óleo sobre a folha de teste, deixe o óleo se dispersar. Analise a coloração dos círculos de dentro para fora, comparando com as escalas cromáticas fornecidas”.

Segundo Fukuda, os cartões até funcionaram, mas não são precisos. Às vezes a leitura é clara, outras exige boa dose de interpretação, pois a avaliação é subjetiva. Uma pessoa pode achar que a cor indica que a troca é necessária, mas outra pode considerar que está numa escala mais clara, sugerindo que há folga.

Já o teste do fluido de freio... “No caso do óleo novo, deu um resultado bem clarinho. No do fluido de freio, que tinha 50 000 km de uso, ou seja, vencido, também deu bem claro”, diz Fukuda. A troca do fluido de freio, segundo fabricantes, deve ser feita a cada 10 000 km ou anualmente. Ou seja, o fluido foi usado cinco vezes mais que o recomendado.

Com a palavra, Rubens Tan, diretor da Autopflege, que comercializa (por enquanto só para carros a gasolina ou diesel) o MotorcheckUp, que traz o selo TÜV, reconhecido órgão alemão de certificação de qualidade de produtos. “A principal função do teste é revelar se há algo errado no motor por meio de uma avaliação de 18 reais, enquanto um teste de vazão sai entre 300 e 400 reais. Assim, é possível repará-lo antes que se danifique”, afirma. Ele admite que o teste não traz indicação precisa. “Mas dá pistas.” Segundo Tan, o ideal é usar o MotorcheckUp com o óleo um pouco quente para obter um resultado mais nítido, informação que não vem especificada no cartão.

 



CUMPRE O QUE PROMETE? - EM TERMOS

O MotorcheckUp até conseguiu apontar presença de impurezas no óleo do motor, mas os resultados às vezes são confusos ou pouco precisos. Já o fluido de freio que necessitava troca foi apontado como bom para uso.

 

 



ONDE ENCONTRAR

Autopflege: (11) 3554-3017

 

 



PEDE QUE A GENTE TESTA

Você gostaria que testássemos algum produto ou equipamento? Então escreva para paola.salvo@abril.com.br

 






Publicidade