Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Auto-serviço | Autodefesa
Motor 1.8 da Fiat
Fevereiro 2009

Motor 1.8 da Fiat

Falhas no propulsor causam confusão nas concessionárias e atraso no conserto por falta de peças

Por Waldez Carmo Amorim | Foto: Alexandre Battibugli
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

"Não é problema do corpo da borboleta, e sim do potenciômetro, que controla o corpo da borboleta. Isso é normal no motor 1.8 da Fiat. Tenho donos de Idea, Palio Weekend e Punto aguardando a peça chegar.” A frase foi usada por um mecânico de uma autorizada Fiat em Belo Horizonte (MG) quando perguntamos a ele sobre as falhas no motor de um Punto 1.8. E, não por coincidência, foi a mesma resposta que o bancário Fernando Tokuda ouviu duas vezes quando levou seu Punto HLX 2008 à oficina. “Na primeira vez, falaram que era combustível adulterado e que eu deveria fazer uma limpeza nos bicos injetores. Dois dias depois o problema voltou. Aí substituíram o corpo da borboleta. Mas o defeito voltou e trocaram de novo. Disseram que o defeito também era comum no Stilo”, diz.

Contatamos seis proprietários de carros Fiat com motor 1.8 que têm a mesma reclamação: falhas de alimentação do motor em movimento. A questão é que nem sempre as concessionárias sabem qual é o procedimento correto para o conserto. Alguns trocam o corpo da borboleta (responsável pela mistura do ar com o combustível), quando o correto é trocar só o potenciômetro (que controla a abertura do corpo).

Por isso, algumas autorizadas se aproveitam e tentam empurrar a limpeza dos bicos, como aconteceu com Fernando Henrique Rampozo, de Campinas (SP). “Meu Punto HLX 2008 falhava entre 2 000 e 3 000 giros. A concessionária perguntou se eu autorizava fazer a limpeza dos bicos. Eu disse que não, porque sabia que o problema era no corpo da borboleta. O consultor ficou surpreso e, duas horas depois, recebi um telefonema pedindo para voltar em cinco dias úteis para trocar o corpo da borboleta”, diz.

Saber a causa do defeito ajudou Haroldo Pereira Neto, de Curitiba (PR), no conserto definitivo de seu Punto Sporting 2007. “Aos 12 000 quilômetros, ele começou a falhar de maneira forte entre 2 500 e 3 000 rpm. Alegaram que era combustível adulterado e recomendaram fazer a limpeza dos bicos. Como sou membro do Clube do Punto e já conhecíamos o problema, expliquei que o defeito era o potenciômetro. Me pediram sete dias úteis para trocar a peça, pois haveria uma fila de pedidos. Só que, depois que eu pedi um carro reserva, no mesmo dia me chamaram para trocar a peça,” afirma Haroldo.

Outra dor de cabeça é o atraso no conserto por falta do potenciômetro. “Tenho um carro que está aguardando a peça há duas semanas e meia”, diz o mecânico de uma autorizada de Belo Horizonte.

 


O POVO FALA

 

“O mais comum era o carro falhar em terceira marcha a 50 km/h. Na terceira visita, pediram 30 dias para trocar o corpo da borboleta.”
Jairo de Jesus Ribeiro, Xangrilá (RS), dono de um Punto 1.8 2008

“Em dois meses, troquei duas vezes o corpo da borboleta do meu Palio 1.8 2005. Com meu Punto atual, em um mês eu já tive de ir à oficina pelo mesmo problema.”
Vinícius Barbosa Soares, Rio de Janeiro (RJ), dono de um Punto 1.8 2008

 


RESPOSTA

 

A Fiat diz que teve acesso a alguns casos de funcionamento irregular do motor 1.8. “Em todos os casos, os veículos foram reparados, sendo que cada caso teve uma solução específica (...), não caracterizando um problema crônico. As peças substituídas se encontram em análise”, afirma.


CONTE-NOS SEU PROBLEMA
Seu carro tem algum defeito de fabricação ou de projeto que o deixa irritado? Ouviu falar de problema que mereça um recall? Passou por uma situação em que seus direitos de consumidor foram violados? Então escreva para nós: 4rodas.abril@abril.com.br






Publicidade