Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Auto-serviço | Autodefesa
Superaquecimento de Peugeot 307 e Citroën C4 Pallas
Julho 2008

Superaquecimento de Peugeot 307 e Citroën C4 Pallas

Dois modelos franceses com motor 2.0 falham e superaquecem.

Por Waldez Carmo Amorim | foto: Alexandre Battibugli
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Se você tem um C4 Pallas, dê uma olhada no número de chassi. Se o 12º e 13º algarismos formarem os números 51 ou 52, você pode ter sido premiado com um problema na junta do cabeçote. Segundo proprietários e mecânicos, o primeiro lote de C4 que chegou às concessionárias Citroën, vindo da Argentina, pode apresentar falhas e superaquecimento do motor.

Entre esses premiados está o médico Alberto Mauro Anijar, de Belém (PA), proprietário de um C4 Pallas 2007. Desde que comprei o carro, ele apresenta falhas quando o motor está frio e seu consumo fica em torno de 3,5 km/l. Na concessionária perceberam que o reservatório de água do radiador estava seco. Disseram que era um problema de fábrica. Foi necessário trocar a junta do cabeçote, limpar e fazer usinagem no comando e nas válvulas, além de trocar os retentores. Ou seja, foi uma retífica disfarçada, diz o médico.

Algo semelhante ocorreu com o C4 Pallas 2007 do gerente industrial Flávio César Pereira, de Campinas (SP). Aos 10 000 quilômetros meu carro começou a apagar. Tive que levá-lo à concessionária. Lá me disseram que o motor havia fundido por defeito de montagem, o que danificou a camisa dos cilindros e o bloco do motor. Falaram que a Citroën decidiria se trocaria o bloco ou todo o motor do carro, afirma Flávio.

Enquanto os proprietários do C4 Pallas sofrem com falhas no funcionamento com o motor frio, os donos do Peugeot 307 que utiliza o mesmo motor reclamam de superaquecimento. Foi o caso do 307 Sedan do estudante Thiago Nogueira Barcelos, de Brasília (DF). Um dia, enquanto minha irmã estava com o carro num congestionamento, ela viu fumaça saindo sob o capô. A água do motor estava fervendo. Ao levá-lo para a autorizada, mostraram que o reservatório de água estava vazio. O carro já superaqueceu duas vezes, afirma o estudante.

O motor causador de todos esses problemas é o mesmo: o 2.0 16V chamado EW10A, usado pela Citroën nos modelos C4 VTR, C4 Pallas e C5 e pela Peugeot nos 307 CC, Hatch e Sedan, além do 407. De acordo com mecânicos das oficinas autorizadas, o problema estaria nas juntas da tampa do cabeçote. Como a vedação não é bem feita, a água usada para refrigerar o motor escapa pelas juntas. Sem a água, o motor superaquece. A solução seria trocar as juntas a Peugeot substitui duas por três e a Citroën utiliza uma junta de espessura maior. Esse serviço é realizado quando os proprietários reclamam na concessionária. Quando não é trocado a tempo, o cabeçote pode até empenar.

As falhas de alimentação ocorreriam porque, quando o motor está frio, a água que está misturada ao combustível dentro dos cilindros ainda não evaporou, contaminando a gasolina. Segundo mecânicos, um conserto no motor do Peugeot 307, fora da garantia, varia de 1 600 a 2 000 reais. 


O POVO RECLAMA

Em um ano meu Peugeot 307 superaqueceu seis vezes. Sempre diziam que o problema estava no cabeçote, mas nunca resolveram.
Enio Mauro Dias, administrador de empresas, Valinhos (SP), dono de um Peugeot 307

Para eu chegar ao destino, eu precisava religar o carro várias vezes, pois o motor simplesmente apagava.
Raul Ferreira Junior, radialista, Belém (PA), proprietário de um Citroën C4 Pallas

RESPOSTA

A Citroën diz que soube de alguns casos de falhas no motor, que foram atendidos dentro da garantia. A Peugeot afirma que identificou alguns casos de deficiência de vedação na junta do cabeçote e que, nesses casos, os clientes tiveram seus veículos reparados em garantia.






Publicidade