QUATRO RODAS - Não perturbe o ladrão
Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Corolla
  • Up
  • Logan
  • HB 20
  • Prisma
  • Novo Ka
  • Golf VII
  • Focus
  • Tracker
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Auto-serviço | Autodefesa
Não perturbe o ladrão
Dezembro 2007

Não perturbe o ladrão

Alarme de fábrica de alguns modelos GM não funciona na tampa do porta-malas e deixa a minivan vulnerável a furtos

Por RODOLFO PARISI
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

Comprar um carro com alarme de fábrica nem sempre significa ter a melhor proteção. É só ver o caso da Chevrolet Meriva, que tem causado dor de cabeça a uma parte de seus proprietários, como aconteceu com o funcionário público Jesuá Vasconcelos da Silva, 42 anos, de Porto Alegre (RS). Um dia ele foi surpreendido ao ver seu porta-malas invadido por ladrões, que levaram seu aparelho de som e o estepe. "Tive o carro arrombado e achei estranho o alarme não ter tocado. Na concessionária, fui informado de que esse problema existia e que o melhor seria trocar de fechadura", diz o dono de uma Meriva CD 1.8 2003.

Sim, leitor, isso realmente existe e é fato. Tanto que é reconhecido pela própria GM do Brasil, que alega que o não-disparo do alarme na abertura da tampa dos modelos entre 2003 e 2005 seria uma forma de comodidade para o motorista, que não precisaria desativar o sistema para usar o porta-malas.

Mas o que era para ser comodidade tornou-se chamariz para os ladrões. "Roubaram meu rádio pelo porta-malas. Na autorizada, os consultores disseram que nada sabiam sobre o problema. A GM deveria avisar sobre isso, é uma vergonha", reclama o administrador de empresas Marcos Tuim, 43 anos, de Brasília (DF), que teve o mesmo tipo de problema com sua Meriva CD 1.8 2003.

A gaúcha Rosaura Helena Vaz, 52 anos, advogada de Porto Alegre (RS), sofreu um arrombamento 15 dias após comprar sua Meriva. E logo depois ela passou por um segundo furto - sempre pela tampa traseira. Saldo: um estepe roubado e os objetos que estavam no porta-malas. Revoltada, Rosaura entrou na Justiça e conseguiu ganhar uma causa por danos materiais no valor de 2 276,02 reais. "É um absurdo você comprar um carro desse valor e ver que ele não oferece o conforto que promete de fábrica", diz.

Apesar de a incidência de roubo ser maior na Meriva, outros veículos da GM passam pelo mesmo problema: Astra Hatch, Zafira e também o novo Corsa, nos modelos 2003 a 2005. "A partir do ano-modelo 2006, o sistema foi removido de todos esses carros", diz o departamento de serviço pós-vendas. Porém, a empresa informa, a quem esteja descontente com o alarme, que basta ir a qualquer concessionária e pedir que o sistema seja habilitado para disparar com a abertura da tampa traseira. O serviço é grátis.


O POVO RECLAMA

"Com o carro fechado e o alarme acionado, eu abria a tampa do porta-malas, mexia nas coisas e o sistema sequer disparava."
Fabio Henrique Gershenson, 34 anos, funcionário público, Florianópolis (SC)

"Fui roubada duas vezes. O carro estava na rua, durante o dia, e o alarme não acionou em nenhuma das ocasiões. Arrumei a fechadura por minha conta."
Tania Sales, 39 anos, bióloga, Porto Alegre (RS)

RESPOSTA

A GM confirma que instalou em Meriva, Zafira, Corsa e Astra Hatch, modelos 2003 a 2005, um dispositivo na fechadura da tampa traseira que inibia o disparo do alarme com o objetivo de facilitar a carga e descarga. Mas diz que, quando os clientes solicitavam a alteração, era providenciada a desabilitação desse dispositivo de graça em qualquer autorizada da rede.






Publicidade