QUATRO RODAS - Baile do coxim
Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Up
  • Onix
  • Duster
  • HB 20
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Golf
  • Focus
  • New Fiesta
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
Auto-serviço | Autodefesa
Baile do coxim
Fevereiro 2006

Baile do coxim

Freqüentes quebras da peça fazem dançar motor e proprietários de Renault Scénic

Por André Boselli
Lista de matérias por data:

ALTERAR O TAMANHO DA LETRA  

O número impressiona: cerca de 15% das transmissões automáticas consertadas por Reinaldo Valde Sammarco, dono da oficina Câmbio Center, são de Honda Civic com menos de cinco anos. ''Dos 50 automáticos que chegam aqui por mês, oito são Civic. Com outros carros da mesma categoria, esse número é bem menor. Por exemplo, não atendi nenhum Corolla'', diz ele. Pergunte a outros mecânicos especializados e a resposta não será muito diferente. ''Conversei com dez amigos que só mexem com câmbio automático. Oito atenderam um número elevado de Civic com esse defeito'', afirma Heitor Batista Maia, da oficina especializada Femavi.

O diagnóstico é sempre igual: entupimento do filtro do câmbio. Com isso, não há fluxo do fluido e os pistões responsáveis pelo engate das marchas não funcionam. ''Não há pressão alguma, é como uma parada cardíaca'', diz Guilherme Santilli, da oficina Câmbio Técnico. O resultado é perda de tração: acelera-se e o carro não anda.

O custo do reparo pode variar entre 3000 e 4000 reais. ''A transmissão inteira tem que ser aberta e só essa mão-de-obra sai por cerca de 1000 reais'', afirma Frank Alt, da Politrans, que só trabalha com câmbio. Para resolver o problema, geralmente é feita a troca do filtro e do fluido e o recondicionamento do conversor de torque. ''Eu também chego a trocar os discos originais por outros do mercado paralelo'', diz Sammarco. Foi o que teve de fazer o paulista Jorge Falcão, dono de um Civic 2001. Os 4100 reais que ele esperava gastar para trocar de carro foram para o conserto do Civic.

Segundo um ex-consultor técnico de uma concessionária Honda que não quis se identificar, a montadora não sabe a origem do problema. ''Trocávamos a transmissão inteira e mandávamos o óleo para análise'', diz ele. Para os especialistas em transmissão automática, também não há uma causa certa. ''Uma hipótese é que um verniz antiferrugem que reveste alguns componentes se desprenda, entupindo o filtro'', diz Maia. Sammarco trabalha com outra tese: ''Ou o fluido gera alguma reação com as peças da transmissão e produz partículas ou o material dos discos de tração vai se soltando''.

Quando consultada pela QUATRO RODAS, a Honda baseou sua resposta nos manuais do proprietário e de manutenção, alegando que o problema está na troca tardia do fluido do câmbio. Aí começa a incoerência: qual desses dois manuais é o correto? O que diz que a troca tem de ser feita apenas aos 80000 quilômetros (ou quatro anos)? Ou o que antecipa esses prazos para 40000 quilômetros (ou dois anos) em uso severo?

Na prática, nem mesmo o mais cauteloso dos motoristas vai optar pela troca mais precoce, porque, segundo o manual de manutenção, o uso severo é para ''veículos utilizados para fins comerciais''. Assim, não há escapatória: a troca do fluido de transmissão dos Civic encontrados por QUATRO RODAS só teria que ser feita aos 80000 quilômetros ou quatro anos - há casos de quebra em veículos com 20000 quilômetros.

Se as determinações oficiais da Honda são ambíguas, o procedimento adotado pela rede autorizada pode dar uma pista: todas as concessionárias consultadas pela reportagem assumiram que a troca do fluido está sendo feita aos 40000 quilômetros, apesar do que dizem claramente os manuais. ''É porque também consideramos as condições das grandes cidades como uso severo'', disse um funcionário da autorizada Daitan, em São Paulo.


O povo reclama

"Estava viajando e, de repente, percebi que o carro dava um tranco durante as trocas de marcha. Parei em um posto para ver o que era e o veículo não andou mais." André Veloso, São Paulo (SP)

"Acelerava e o carro não respondia. Então o desliguei para ver se resolvia. Mas não deu certo." Rafael Tanganelli, São Paulo (SP)

"Achava que um carro relativamente novo não fosse dar esse tipo de problema." Maurício Antunes, Nova Iguaçu (RJ)


Resposta

A Honda diz saber de alguns casos "isolados e pontuais" de Civic com perda de tração e que a origem do problema estaria relacionada à "falta de manutenção preventiva, como a troca de óleo periódica", o que causaria "inconvenientes à transmissão automática".






Publicidade