Teste de produto: R-1 EcoPower

Testamos o tão comentado R-1 EcoPower, mas o resultado ficou longe da melhoria anunciada para o consumo, a potência e o torque

De longe, o R-1 EcoPower é o produto mais pedido para teste entre leitores da QUATRO RODAS. Afinal, quem não gostaria de um equipamento (mais um!) que promete aumento de desempenho e redução de consumo?

Com tecnologia japonesa, ele é uma pequena caixa ligada ao polo negativo da bateria, à mangueira do radiador e ao filtro de ar. Sem revelar detalhes técnicos do funcionamento, a empresa responsável pela venda só diz que ele “reduz a energia estática de partes importantes de motores à combustão dos automóveis” e que, assim, consegue melhorar o torque em 10%, a potência em 5% e o consumo em 10%.

De olho nessa promessa tentadora, pedimos o EcoPower para teste. Ele foi instalado por um dos representantes da empresa, que também acompanhou alguns dos testes em um HB20 1.6 com câmbio manual.

Abastecido com gasolina, fomos até a Tecnomec, empresa com mais de dez anos de experiência em preparação de motores, para a medição de potência e torque no dinamômetro.

Sem o R-1 EcoPower, fizemos cinco passagens com médias de 95,5 cv e 12,98 kgfm. Após a instalação, deixamos o motor ligado por 30 minutos, a fim de ajustá-lo ao funcionamento do R-1 e fizemos cinco pas­sa­gens. As médias foram de 96,54 cv e 13,25 kgfm, ou seja, só 1,09% a mais de potência e 2,08% de torque.

Para a avaliação de consumo, realizamos duas baterias: sem o R-1, registramos 10,9 km/l no urbano e 17 km no rodoviário. Depois, com ele instalado, esperamos outra vez os 30 minutos após a instalação. O resultado foi praticamente o mesmo: 10,9 km/l na cidade e 16,8 km/l na estrada.

Questionado sobre os números, José Roberto Elias Júnior, o representante da marca que nos cedeu o produto para teste, respondeu que no dinamômetro o tempo de 2 a 3 minutos de espera entre as baterias de testes não foi respeitado.

Antes da publicação deste teste, a empresa alterou o nome do produto para R-1 Power. “Achamos mais conveniente essa mudança, pelo fato de o aumento de potência ser um fator inerente ao produto, mas a economia depende de vários fatores, como o modelo do carro, modo de conduzir, combustível, trânsito e outros.”

Avaliação: R-1 Ecopower

Teste de produto - Ecopower

(Marco de Bari)

Nota: 0

Comentário: O aumento de potência e torque ficou muito abaixo do prometido e o consumo praticamente não se alterou.

Preço: R$ 749

Onde comprar: r1power.com.br

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Alberto Schmidlin

    É que o HB20 só atinge os 128 cavalos quando cai no precipício, porque ai a imprensa aumenta o numero de mortos.

  2. Desde que eu me conheço por gente, sempre aparece alguém querendo vender esses aparelhinhos milagrosos e que não fazem efeito algum. Esses caras simplesmente ignoram as leis da Física, da Química e até da Biologia distorcendo, com as palavras, os resultados obtidos (na propaganda). Parece até conversa de Pastor Evangélico espertalhão. Não há porque comprar um negócio desses…

  3. Alguém se lembra do “Turbo elétrico” ???

  4. Christian Bernert

    Engenheiros de todas as fábricas de automóveis do mundo garantem seus empregos criando tecnologias para fazer seus automóveis mais econômicos e com melhor desempenho.
    Como é que alguém pode acreditar que uma porcaria de plástico com cinco fios vai realizar um milagre desses assim sem mais nem menos? Acho que o cara que acredita nisso até merece perder R$ 749,00. Garanto que é o mesmo perfil de consumidor que vai dar dinheiro para um ‘apóstolo-de-chapéu’ em troca de uma bênção.