Quando andamos com o carro de ré, isso é contado no hodômetro?

No passado, era possível reduzir a quilômetragem andando em marcha a ré. Hoje, os métodos dos enganadores é mais sofisticado

Hodômetros mecânicos eram mais fáceis de serem fraudados

Hodômetros mecânicos eram mais fáceis de serem fraudados (arquivo/Quatro Rodas)

Quando andamos com o carro de ré, isso é contado no hodômetro? – Wolner Bergamaschine, por e-mail.

Os hodômetros mecânicos mais antigos podem ser acionados no sentido inverso e, com isso, reduzir a quilometragem indicada. Mas alguns modelos mecânicos modernos têm um dispositivo que não só não reduz como aumenta a quilometragem indicada.

Os contadores analógicos funcionam por meio de cabo de aço, numa extremidade ligada geralmente a uma saída na caixa de transmissão – no Fusca, era conectado à roda dianteira esquerda. Na outra extremidade, o cabo é conectado a um conjunto de engrenagens calibradas de modo que cada número de voltas mude um dígito no mostrador. A cada dez mudanças desse dígito, ele volta a zero e o segundo dígito avança um número, e assim por diante.

Já os hodômetros eletrônicos são mais difíceis de serem fraudados, contabilizando corretamente a quilômetragem feita em marcha a ré. Eles usam uma roda dentada, ou com “janelas”, e um sensor magnético, que conta os pulsos conforme a passagem pela roda dentada. Nesse sistema não há cabo de acionamento, mas um único fio que liga o motor ao painel de instrumentos.

A unidade de controle do motor conta os pulsos e monitora a distância percorrida pelo carro. Assim, se alguém conseguir voltar o hodômetro no painel, o mesmo não acontecerá com a unidade de controle do motor. Por isso as concessionárias podem acessar o sistema e informar a real quilometragem do veículo.

Contador digital também pode ser violado, mas o registro fica na central eletrônica

Contadores digitais também podem ser violados, mas o registro real fica na central eletrônica (arquivo/Quatro Rodas)

Os dados da central eletrônica costumam ser invioláveis – ou indicam quando houve alguma alteração. Mas hoje já existem aparelhos clandestinos que conseguem alterar apenas os dados apresentados no painel de instrumentos.

Para saber se um veículo com hodômetro digital foi adulterado dessa forma, é preciso levar o carro até uma autorizada devidamente equipada com scanners oficiais – aparelhos de diagnóstico mais simples, como os que funcionam através de aplicativos, não são capazes de dizer se houve violação dos dados.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s