Por que não há motores de sete, nove ou 11 cilindros?

Correio Técnico: as dúvidas dos leitores respondidas pela QUATRO RODAS

Motor fo Fiat Marea tinha cinco cilindros em linha

Motor do Fiat Marea tinha cinco cilindros em linha (marco de bari/Quatro Rodas)

Geralmente, o motor tem um número par de cilindros, mas há opções de cinco, como o antigo Fiat Marea, e os atuais três-cilindros. Por que não há motores de sete, nove ou 11 cilindros? – Rodolfo Rodrigues, – Mogi Guaçu (SP).

Motores com número ímpar de cilindros geralmente estão dispostos em linha (com raras exceções, como o VR5 de ângulo reduzido da Volks e motores V5 e V3 utilizados em motos), e este seria o principal fator limitante de seu emprego em quantidades maiores que cinco.

Apesar dos motores cinco-em-linha ainda terem espaço no portfólio da Audi, o compromisso entre tamanho (no caso, comprimento) do bloco e potência reduziu a aplicação de motores com seis cilindros (ou mais) em linha para uso automobilístico – apesar da Mercedes ensaiar uma retomada na tradição, com o renovado Classe S recebendo novas opções a gasolina e a diesel. 

Espaço no cofre do motor não é problema para um Classe S, que pode comportar um V12 de 6 litros nas versões mais potentes. Mas em geral é difícil acomodar um motor com mais de seis cilindros em linha em carros de passeio, até porque a tendência é a instalação transversal, o que dificulta ainda mais seu uso.

Além disso, motores com número ímpar de cilindros possuem distribuição de massas e forças assimétrica, tornando mais difícil e complexo o seu balanceamento – não por acaso, os cinco cilindros da Audi são restritos aos caros e exclusivos TT RS e RS3.

No passado, como já explicamos neste post, motores automotivos de oito cilindros em linha eram comuns, como o do Bugatti Type 35 (1924) ou dos Buick e Oldsmobile dos anos 40. Mesmo assim, não se tem conhecimento de motores de dez ou 12 cilindros em linha, pois nesses casos o virabrequim muito longo sofreria um excesso de forças desiguais ao longo do seu comprimento.

Motor de oito cilindros em linha do Bugatti Type 35

Motor de oito cilindros em linha do Bugatti Type 35: longo e comprido (reprodução/Internet)

Quando se necessita de mais cilindros, normalmente opta-se pela configuração em V, W ou opostos (boxer). Todas essas alternativas reduzem seu comprimento sem afetar a potência, mas geralmente só são utilizadas com números pares de cilindros.

Em aplicações marítimas de grande porte, porém, os motores em linha reinam absolutos, já que o virabrequim pode ser reforçado sem se preocupar com o peso ou com limites de espaço.

Por isso há modelos como os da MAN (dez cilindros e 58.600 cv), Rolls-Royce Marine (nove cilindros de 2.180 a 69.000 cv) ou Sisu (com sete ou 13 cilindros), entre outros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Tadeu Passarelli

    os motores radiais têm numero impar de cilindros, seria bom citar isso