Por que a cilindrada de um motor quase nunca é um número exato?

Algumas marcas arredondam o valor para cima; outras (bem poucas) nivelam por baixo

Motor 1.4 TSI da Volkswagen

Motor 1.4 TSI da Volkswagen tem 1.395 cm³ de deslocamento (Divulgação)

Se você é daqueles que analisam toda a ficha técnica dos carros testados por QUATRO RODAS já deve ter reparado que motores com cilindradas com números redondos são muito raros.

Cilindrada representa a soma do volume interno dos cilindros do motor, que pode ser expressa em litros, centímetros cúbicos ou polegadas cúbicas. Em geral, um motor 1 litro tem 999 cm³ e um 2 litros algo entre 1.997 cm³ e 1.999 cm³ (com exceções), mas não 1.000 cm³ ou 2.000 cm³. 

Motor três cilindros

Curso dos pistões é a distância que o pistão percorre do ponto morto inferior ao ponto morto superior (Divulgação)

A explicação para isso é matemática. A cilindrada é obtida multiplicando-se a área da circunferência do cilindro pelo valor do curso do pistão, depois multiplicada pelo número de cilindros. A fórmula que se usa para obter a área da circunferência do cilindro tem Pi (Π), uma constante matemática. Para calculadoras convencionais vale 3,1415926, mas a Nasa trabalha com 40 casas decimais em seus cálculos. 

Por exemplo, fica assim o cálculo para o 2.0 TSI do VW Jetta:
92,8 (Curso) x 82,5 mm (Diâmetro), 4 cilindros: 3,1416 x 8,25 x 8,25 x 9,28 = 1.984,3 cm3

Além do cálculo usar uma constante, a engenharia mecânica trabalha com milímetros, inteiros ou quebrados, dependendo da tolerância de medidas do fabricante. São cálculos de números quebrados, que dificilmente resultarão em números redondos. Há exceções, como o motor 3.2 de 4 cilindros turbodiesel da Mitsubishi, que tem exatamente 3.200 cm³, mas isto se dá mais por acaso do que por perfeccionismo dos engenheiros.

Quando exageram na aproximação

É complicado chegar a um número redondo para a cilindrada. O número é definido pelas especificações do próprio fabricante para o diâmetro do cilindro e curso dos pistões, e também de peças como pistões, bielas e virabrequim (pode-se manipular esses números para aproveitar peças de outros motores da mesma família, por exemplo).

Motor 1.3 Firefly

Motor 1.3 Firefly tem 1.332 cm³ (Divulgação)

A evolução dos motores também tem seus efeitos nas cilindradas. O motor 1.9 do primeiro Linea era uma versão com diâmetro dos cilindros maior do motor 1.6 Sevel do Marea: manteve o curso dos pistões de 78,4 mm e aumentou o diâmetro dos cilindros de 80,5 mm para 86,4 mm. Assim, a cilindrada passou de 1.596 cm³ para 1.839 cm³ – que a Fiat arredondou para 1.9 L.

Essa “roubadinha” para cima no valor “comercial” do deslocamento do motor não é rara. O motor 1.9 da Fiat foi substituído pelo 1.8 E.TorQ, que na prática é um 1.75 L: tem 1.747 cm³. Há mais exemplos de arredondamento para cima, caso do antigo 1.4 da Honda (1.339 cm³), do 1.4 da JAC (1.332 cm³), do 2.4 da Fiat Toro (2.360 cm³) e do 2.4 do Civic SI (2.354 cm³)

Por outro lado, nivelamento para baixo é raro, mas existe. O Marea 2.4 (2.445 cm³) e o novo 1.3 Firefly do Fiat Uno (1.332 cm³) – que seria 1.4 para Honda ou JAC – estão aí para provar.  

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Ricardo Soares

    Se não me falha a memória, o aposentado 1.5 do 208 na verdade era 1.45. Algumas revistas até faziam questão de citar haha.

  2. Diego Ferreira De Souza

    Adorei a matéria. Parabéns!!!