Autodefesa: falhas nos freios do Ford Edge

Proprietários do Ford Edge reclamam de falha dos freios dos modelos fabricados entre 2010 e 2016, defeito bem conhecido pelas autorizadas

O carro de Mattar teve o defeito duas vezes

O carro de Mattar teve o defeito duas vezes (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas)

Ruído anormal nos freios talvez seja uma das reclamações mais comuns publicadas na seção Autodefesa. Mas são raros os casos de falhas na frenagem, como o que ocorre com donos de Ford Edge de segunda geração, fabricados de 2010 a 2016.

E nem é preciso recorrer aos proprietários para descobrir o que está acontecendo. Basta uma rápida consulta com profissionais do setor para entender a situação. Conversamos com funcionários de três autorizadas Ford (São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador), e logo soubemos que a falha é conhecida: quebra da membrana que fica dentro do hidrovácuo.

“Já atendemos aqui uns dez casos desse tipo. Essa membrana acaba se rasgando e deixa de criar o vácuo. Assim, o pedal fica muito duro e o carro quase não freia”, explica o mecânico de uma concessionária Ford em São Paulo (SP). “A maior parte dos consertos que fizemos foi em garantia, mas se você fosse pagar, o valor do hidrovácuo [item com o código BA1Z2005A] é de R$ 577 para todas as versões do SUV, além de mais R$ 400 pelas duas horas de mão de obra necessárias para fazer a troca da peça.”

O administrador de empresas Sérgio Opice Mattar, de São Paulo (SP) sabe bem como funciona porque já passou por isso duas vezes. “Na primeira, com menos de um ano de uso, e a segunda com três anos e meio, logo após vencer a garantia”, conta o dono de um Edge 2012. “Como não havia a peça na concessionária numa das vezes, tive de trazê-la na mala quando eu viajei para os Estados Unidos. E quando escrevi para a Ford reclamando, eles me ignoraram.”

Segundo os mecânicos de concessionárias consultados, o defeito ocorre principalmente nos veículos fabricados entre 2010 e 2013, como o Edge do cirurgião dentista Eduardo Neumann, de Porto Alegre (RS), dono de um modelo 2013. “Reclamo desse problema desde a revisão de um ano.”

Consultada sobre o problema, a Ford do Brasil não comentou o caso até o fechamento desta edição.

O povo reclama

  • “O problema com o freio do Edge ocorre porque uma membrana rasga dentro do hidrovácuo. Assim, o freio fica muito duro e o carro quase não freia.” Atendente de uma autorizada Ford em São Paulo (SP)
  • “Precisei trazer a peça na mala quando viajei aos EUA, pois a concessionária não tinha em estoque.” Sérgio Opice Mattar, São Paulo (SP), dono de um Edge 2012
  • “Reclamo desse problema desde a revisão de um ano – e o carro já está com quase quatro anos.” Eduardo Neumann, de Porto Alegre (RS), dono de um Edge 2013
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Esse é o padrão Ford de atendimento pós-venda. Por isso desisti da marca faz muitos anos. É absurdo o descaso no fornecimento de peças.