Seu comparativo
TOP 10 QR
Os carros mais procurados da semana no site Quatro Rodas
  • Novo Sandero
  • Vezel
  • Novo Fox
  • Duster
  • HB 20
  • Golf
  • Novo Ka
  • Corolla
  • Civic
  • Saveiro cab dupla
  • | A-Z |
Newsletter
Assine a Newsletter QUATRO RODAS
PUBLICIDADE
AUTOSERVIÇO | ESPECIAL SEGUROS
TEXTO  |RSS | Add to Google|

Dicas para economizar no seguro

Seis sugestões dos especialistas para baixar o preço do prêmio do seguro
POR CLÁUDIO GRADILONE
Ao instalar o rastreador em sua Parati, Douglas Cavazane economizou 20%

Seguro automotivo é um acessório praticamente indispensável para o motorista das grandes cidades brasileiras, mas quem compra torce para não precisar dele. Mesmo o melhor seguro – que oferece a maior indenização, o prêmio mais barato e os melhores serviços – só será usado em momentos desagradáveis, como roubo ou acidente.
Pior que isso, o seguro pode ser um acessório muito caro: basta perguntar ao seu vizinho cujo xodó é aquele Fusca 1977 impecável se ele consegue comprar um seguro para ele. A resposta será um redondo não. O preço é impraticável. “No caso de carros antigos e fora de linha, o prêmio cobrado do segurado pode chegar à metade do valor do veículo”, afirma Osvaldo Nascimento, executivo responsável pelos seguros do grupo Itaú. “É muito difícil encontrar peças de reposição em caso de acidente e os custos são elevados, por isso a seguradora acaba tendo de repassar parte deles ao segurado”, diz.
Diante desse cenário, como fazer para pagar menos na hora de assinar o contrato? Os especialistas ouvidos por QUATRO RODAS listam seis recomendações para reduzir o custo dos seguros.

A CONCORRÊNCIA ESTÁ BRAVA? ENTÃO PESQUISE MAIS
Ninguém sabe, com precisão, quantos veículos circulam pelo Brasil. As estimativas variam largamente, entre 35 milhões e 40 milhões. Para as seguradoras, essa frota ainda é um campo inexplorado. Elas avaliam que apenas um em cada cinco veículos tem seguro. “O crescimento recente da frota não foi acompanhado pelo aumento do mercado segurador”, diz Paulo Umeki, diretor de produtos da Liberty Seguros. Isso pressionou os preços para baixo. Nas contas do setor, as apólices estão de 15% a 20% mais baratas do que estavam na metade do ano passado. Por isso, a ordem é, antes de mais nada, pesquisar em várias seguradoras e ver quem oferece os melhores preços e benefícios.

ABUSE DO SEU CORRETOR
A regra é clara: toda venda de seguros tem de ser intermediada por um corretor. Mesmo quem faz um seguro na agência do banco onde tem conta também acaba deixando algum dinheiro na corretora de seguros do próprio banco. Já que o corretor é uma figura indispensável, o melhor é transformá-lo em um aliado na hora de decidir. “O corretor tem de ser visto como um consultor, que vai ajudar o segurado a encontrar o produto mais adequado”, diz Marcelo Prieto, especialista em seguros automotivos da americana Marsh, uma das maiores corretoras de seguros do mundo. Por exemplo, um bom corretor pode analisar seu perfil de risco e notar que você dirige com muito cuidado e nunca provoca pequenos acidentes, que quebram lanternas e faróis. Nesse caso, é pouco provável que você precise acionar a seguradora para fazer esses reparos. Tente negociar com o corretor para transformar esse risco baixo em vantagem: aumente o valor da franquia (ou seja, da sua parcela de culpa em caso de acidente) e reduza o valor que você vai pagar pelo seguro.

CUIDADO COM SEGUROS DE BANCO
Há alguns anos, comprar seguros em um banco era garantia de pagar caro e ter um produto ruim. As seguradoras ligadas aos bancos tinham nos correntistas uma clientela cativa, e por isso não precisavam se esforçar muito. Hoje isso mudou. Alguns bancos não possuem seguradoras próprias e redistribuem produtos de diversas companhias, o que eleva as probabilidades de o segurado fazer um negócio melhor. Mesmo assim, as comodidades oferecidas pelos bancos, como débito em conta, por exemplo, podem esconder preços altos e apólices ruins, que oferecem poucas oficinas.

FACILIDADE É ÓTIMO, MAS PODE CUSTAR CARO
Companhias de seguros são especialistas em calcular riscos e transformar essas probabilidades em preço. O mesmo vale para os serviços oferecidos. A tendência mais recente é ampliar o seguro automotivo além dos limites do veículo e oferecer mimos como conserto de eletrodomésticos, serviços de eletricista, encanador e chaveiro, desconto em estacionamentos e despachante gratuito. Tudo é muito bom, mas tem seu preço, e é preciso cuidado na hora de escolher. “Muitas seguradoras oferecem produtos glamourosos, como carro reserva e desconto em viagens, mas o segurado tem de calcular se ele vai ou não usá-las”, diz um consultor. “A escolha tem de ser basicamente em função do preço, os serviços adicionais devem servir no máximo como critério de desempate.”

INSTALE UM RASTREADOR
Uma das poucas maneiras de baixar seu risco é instalar um rastreador. Foi o que fez o marceneiro Douglas Antonio Cavazane. Entusiasta das peruas Parati, há cerca de um ano ele comprou uma delas, modelo 2000. “É um veículo confortável, que serve tanto como utilitário quanto como veículo de passeio”, diz ele. Para azar de Cavazane, os ladrões também gostam muito das Parati – ele mesmo teve uma delas roubada há cinco anos –, o que encarece os seguros. Ao pesquisar preços, Cavazane recebeu uma ajuda de sua corretora. Ofereceram a ele a possibilidade de instalar, gratuitamente, um rastreador no carro. “Isso reduziu o preço em 20%. Em vez de pagar 3 000 reais, paguei 2 400”, diz Cavazane. Como o rastreador torna mais difícil que os veículos roubados desapareçam na névoa dos desmanches ilegais, o risco da seguradora diminui e o preço baixa. Se a seguradora não oferecer o rastreador, veja se você pode instalá-lo por conta própria e ser compensado pela redução do valor do seguro.

CONHEÇA SEUS RISCOS
O que você diria ao motorista daquele Mercedes-Benz SLK novinho que estacionou ao seu lado no restaurante se soubesse que ele roda em São Paulo sem nenhum seguro? Isso mesmo, nenhum seguro. Provavelmente você recomendaria sua internação no hospital psiquiátrico mais próximo, até saber que ele é alto executivo em uma seguradora. A explicação para essa atitude aparentemente tresloucada é um apurado cálculo de risco. “Minha família tem diversos carros e nós usamos o Mercedes apenas para rodar aos domingos e perto de casa”, diz o executivo dono desse SLK. Ele explica que o veículo é pouco comum no Brasil, e por isso não há muita demanda por peças de reposição. Também se destaca no trânsito e é facilmente detectável pela polícia. Portanto, não é um carro muito visado pelos ladrões. Ou seja, nesse caso, é possível dirigir sem seguro. Pelas contas do executivo, segurar o Mercedes custaria 10 000 reais por ano. “Seria um dinheiro mal gasto. Eu prefiro segurar os automóveis que a família usa para trabalhar”, diz o executivo, que, por razões óbvias, prefere não aparecer. “Meu patrão me mata se souber que contei essa história.” Esse exemplo pode ser seguido por quem possui mais de um veículo. Aquele terceiro carro, usado apenas em dias de rodízio e com vários anos de uso, pode ficar sem seguro, ou apenas com um seguro contra danos a terceiros. “Algumas empresas que possuem grandes frotas simplesmente não fazem seguro”, diz Marcelo Prieto, da Marsh. “Na ponta do lápis, o prejuízo de ter alguns veículos acidentados ou furtados no ano é menor que proteger a frota toda.”

ESPECIAL SEGUROS
RSS | Add to Google
COMPARATIVO DE SEGUROSVeja qual é a apólice que mais se encaixa no seu bolso: compare valores, benefícios e serviços oferecidos por 12 seguradoras
A tabela das seguradorasDescubra por que nem sempre a tabela padrão utilizada por todas as seguradoras corresponde ao preço real do seu carro
BOLSA DE VALORESVocê sabe por que o seguro do mesmo automóvel com o mesmo proprietário é barato numa empresa e sai caro na outra?
ORIGINAL DE FÁBRICAAntes de cotar o seguro com seu corretor, cheque na revenda. Você pode se surpreender com as apólices com aval da montadora
Quando você é o terceiroVocê tem de apelar para uma oficina credenciada pela seguradora do causador do acidente? Muita calma nessa hora
Quanto custa segurar carros especiaisQuanto custa segurar carros especiais em que o conserto de um retrovisor pode chegar aos 25 000 reais
Abrir mão para pagar menosQuer economizar na hora de assinar a apólice? Saiba o que você pode fazer para baixar o preço do seguro
Como proteger seu carroO que é importante saber ao escolher a seguradora do seu automóvel
A divisão do prêmio Conheça o critério que as seguradoras usam para estabelecer o preço da apólice
Dúvidas cruéis Existem situações em que o sinistro parece ainda mais sinistro. O que está coberto e o que não?
Dicas para economizar no seguroSeis sugestões de especialistas para você gastar menos na hora de assinar o contrato do seguro do carro
Cobertura externa Como funciona o seguro em outros países? Você sabia que nos EUA o motorista conta mais que o carro?
Caiu do céu! Acidentes acontecem de onde você menos espera. Esteja preparado para o que der e vier
Ninguém me quer... A maioria quer distância de antigos, superesportivos e picapes diesel, mas tem quem os receba